Você sabia que chás e infusões são, na literatura, coisas diferentes? Sim. Neste post, vamos explicar o que significa cada um deles e como preparar as melhores combinações de ervas. Acompanhe!

O que é chá?

O nome “Chá” serve para a preparação feita com as plantas do gênero Camellia. Mas não pense que o chá (ou “chai,” seu nome original chinês) só prepara um tipo de bebida. Da camellia sinenses são obtidos o chá verde (o mais conhecido), o preto, branco, amarelo, vermelho e oolong.

O que é infusão?

Infusão é o nome que se dá à técnica de colocar vários tipos de ervas, sozinhas ou combinadas em água bem quente.

Tanto o chá quanto a infusão podem ser consumidas quentes com frias.

Como preparar chás e infusões?

Preparar chás e infusões é quase uma arte. Isso porque, tanto o tempo que a planta fica em infusão, quanto a temperatura da água, influenciam no sabor e nas propriedades medicinais da erva nos chás e infusões.

Assim, quanto mais quente for a água, mais rápida será a extração dos princípios ativos das plantas. Porém, a quentura excessiva pode destruir certas propriedades da planta. Por isso, é sempre preferível deixar a erva em infusão em uma água bem quente, mas não fervente.

Isso vale, principalmente, para folhas e flores, já para talos, raízes e lascas de troncos a temperatura pode sem bem elevada, a ponto de deixar esses elementos fervendo por alguns minutos para, então, liberar as substâncias que agem em nosso corpo.

Outro fato a destacar é que uma infusão mais longa, deixa o sabor da erva mais acentuado, já um menor tempo da planta submersa em água quente deixa o sabor mais suave. O que vale é aprender qual o seu gosto ou qual o seu objetivo ao tomar o chá.

Se for só o sabor, aprecie como desejar, mas se for alcançar uma propriedade curativa, deixe a erva na água quente pelo tempo recomendado na embalagem ou pelo profissional de saúde que o indicar.

Dicas com as melhores combinações de chás e infusões

As melhores combinações de chás e infusões são aquelas que extraem o melhor do sabor e dos benefícios das ervas. Dessa forma, antes de preparar seu chá verde (preto, branco, …) ou sua infusão (outras ervas), escolha cuidadosamente a planta e a quantidade a ser utilizada.

A seguir, colocamos algumas misturas para agradar diferentes paladares e ainda trazer benefícios para o corpo:

  • chá verde, hortelã-menta e limão: para problemas estomacais e diversos males;
  • hibisco, cascas do tronco de maracujá e mel: diurético e calmante;
  • chá preto e cascas de maçã: ajuda a emagrecer por conter alta concentração de cafeína e polifenois. As cascas darão um sabor especial e ainda protege a voz e a garganta, fortalece o sistema imunológico e evita o envelhecimento precoce;
  • Flon tea (Gengibre, Canela, Cúrcuma, Alfavacão e Uncária): analgésico, anti-inflamatório, antioxidante e termogênico (ajuda a emagrecer), prevenindo e tratando de inflamações e doenças crônicas, recuperação de resfriados, gripes, e cirurgias.
  • Termo tea (Chá Verde, Gengibre, Guaraná e Pimenta caiena): tem efeito termogênico natural no metabolismo do corpo, promovendo a queima de gordura e trazendo mais energia física e disposição cerebral para as atividades diárias.
  • Focus tea (Erva Mate, Chá Preto, Guaraná e Fáfia): desenvolvido para quem precisa de maior disposição e concentração cerebral para suas atividades diárias. 
  • Sonn tea (Camomila, Jasmim, Melissa e Lípia): com propriedades calmantes,  trata e previne o estresse da rotina diária e é útil para quem sofre com insônia e ansiedade.

Agora que você já entendeu a diferença entre chás e infusões e como aproveitar o melhor de seus sabores e propriedades, conheça as nossas opções em chás funcionais.

Referências: 

1 – ABDEL-TAWWAB, M. et al. Growth, physiological, antioxidants, and immune response of African catfish, Clarias gariepinus (B.), to dietary clove basil, Ocimum gratissimum, leaf extract and its susceptibility to Listeria monocytogenes infection. Fish Shellfish Immunol, v. 78, p. 346-354, Jul 2018. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29704554 >.

2 – AJAYI, A. M. et al. Flavonoid-Rich Fraction of Ocimum gratissimum Attenuates Lipopolysaccharide-Induced Sickness Behavior, Inflammatory and Oxidative Stress in Mice. Drug Res (Stuttg), Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30064151 >.

3 – ALABI, Q. K. et al. Polyphenol-rich extract of Ocimum gratissimum leaves ameliorates colitis via attenuating colonic mucosa injury and regulating pro-inflammatory cytokines production and oxidative stress. Biomed Pharmacother, v. 103, p. 812-822, Jul 2018. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29684860 >.

4 – ALLEN RW, et al. Cinnamon use in type 2 diabetes: an updated systematic review and meta-analysis. Ann Fam Med. 2013 Sep-Oct;11(5):452-9.

5 – CHEN X et al. “Efficacy of Oral Ginger (Zingiber officinale) for Dysmenorrhea: A Systematic Review and Meta-Analysis” Evidence-based complementary and alternative medicine : eCAM vol. 2016 (2016): 6295737.

6 – EBRAHIMZADEH, A.V, et al. A systematic review of the anti-obesity and weight lowering effect of ginger (Zingiber officinale Roscoe) and its mechanisms of action. Phytother Res. 2018 Apr;32(4):577-585. Epub 2017 Nov 29. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29193411> Acesso em Fev. 2019. Acesso Fev. 2019.

7 – MAIEREAN SM, et al. The effects of cinnamon supplementation on blood lipid concentrations: A systematic review and meta-analysis. Lipid and Blood Pressure Meta-analysis Collaboration (LBPMC) Group. J Clin Lipidol. 2017 Nov – Dec;11(6):1393-1406. 

8 – MARX WM, et al Ginger (Zingiber officinale) and chemotherapy-induced nausea and vomiting: a systematic literature review. Nutr Rev. 2013 Apr; 71(4):245-54.

9 – WANG J, et al. Beneficial effects of ginger Zingiber officinale Roscoe on obesity and metabolic syndrome: a review. Ann N Y Acad Sci. 2017 Jun;1398(1):83-98. 

10 – WILSON PB. Ginger (Zingiber officinale) as an Analgesic and Ergogenic Aid in Sport: A Systemic Review. J Strength Cond Res. 2015 Oct;29(10):2980-95. 

11 – ZHU R, et al. Cinnamaldehyde in diabetes: A review of pharmacology, pharmacokinetics and safety. Pharmacol Res. 2017 Aug;122:78-89. 

12 – GAMBERO,A & RIBEIRO, ML. The Positive Effects of Yerba Maté (Ilex paraguariensis) in Obesity. Nutrients. 2015 Feb; 7(2): 730–750. Disponível em <www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4344557> Acesso em Fev. 2019.

13 – HECK,C & DE MEJIA, EG. Yerba Mate Tea (Ilex paraguariensis): a comprehensive review on chemistry, health implications, and technological considerations. J Food Sci. 2007 Nov;72(9):R138-51. Disponível em <www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18034743> Acesso em Fev. 2019.

14 – PELUSO I & SERAFINE M. Antioxidants from black and green tea: from dietary modulation of oxidative stress to pharmacological mechanisms. Br J Pharmacol. 2017 Jun; 174(11): 1195–1208. Disponível em <www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5429329> Acesso em Fev. 2019.

15 – SINGH BN, et al. Black tea: Phytochemicals, cancer chemoprevention, and clinical studies. Crit Rev Food Sci Nutr. 2017 May 3;57(7):1394-1410. Disponível em <www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26561007> Acesso em Fev. 2019.

16 – HARTLEY L, et al. Green and black tea for the primary prevention of cardiovascular disease. Cochrane Database Syst Rev. 2013 Jun 18;(6):CD009934. Disponível em <www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23780706> Acesso em Fev. 2019.

17 – SCHIMPL FC, et al. Guarana: revisiting a highly caffeinated plant from the Amazon. J Ethnopharmacol. 2013 Oct 28;150(1):14-31. <www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23981847> Disponível em Acesso em Fev. 2019.

18 – SEM MEDIA, casa de comida. Disponível em < http://semmedida.com/blog/uma-pitada-de-reportagem-voce-sabe-a-diferenca-entre-cha-e-infusao> Acesso em Abr. 2019