Home » DHA: Gestantes precisam suplementar? Entenda a importância

DHA: Gestantes precisam suplementar? Entenda a importância

DHA gestante. Imagem de uma mulher grávida sentada no chão sorrindo.
4 minutos de leitura

O ácido docosahexaenoico, também conhecido como DHA, faz parte da família de ácidos graxos ômega 3. Esse grupo é composto por gorduras que têm estrutura química similares, desempenham papéis importantes no nosso metabolismo e, o mais importante, não são produzidas pelo nosso corpo.

Existem outros ômega 3 importantes, como o ácido eicosapentaenoico (EPA). Porém, quando falamos sobre a nutrição materna durante a gestação, o DHA é o mais relevante. 

Todo o DHA que o organismo da mãe necessita vem da alimentação. No entanto, os principais alimentos fontes de ômega 3 não são comuns na rotina brasileira. Além disso, a quantidade diária recomendada de DHA para gestante é alta, pois é necessário suprir as suas demandas e as do bebê em crescimento.

Devido a isso, a suplementação de DHA para gestantes é o caminho mais seguro para garantir o consumo adequado do nutriente diariamente. Dessa forma, a mãe consegue garantir todos os benefícios do DHA para o desenvolvimento do bebê e a saúde da gestação.

Para que serve DHA na gravidez? Os 6 principais benefícios

1. Desenvolvimento do cérebro e olhos do bebê

O principal papel do DHA na saúde do bebê é a importância do nutriente no desenvolvimento adequado do cérebro e dos olhos da criança. Essa parte do desenvolvimento ocorre principalmente no terceiro trimestre.

2. Reduz as chances de partos prematuros

Níveis adequados de DHA no corpo da mãe promovem uma gravidez mais segura, diminuindo as taxas de partos prematuros e abosrtos espontâneos. Permitir que a gravidez se conclua sem interrupções prematuras está diretamente relacionado com o desenvolvimento adequado do bebê.

3. Diminui as complicações na hora do parto

Além de promover uma gestação mais tranquila, o DHA também atua no momento do parto, diminuindo as chances de complicações. A suplementação do nutriente está relacionada principalmente com redução dos riscos de hemorragias.

4. Protege a saúde materna durante a gestação

O consumo de DHA durante a gestação protege a mãe do desenvolvimento de diabetes gestacional e pré-eclâmpsia. Ambas as condições podem trazer prejuízos para a gestação e saúde da mulher a longo prazo.

5. Atua na prevenção da depressão pós-parto

O DHA tem importante papel na estrutura do cérebro, nas funções dos neurônios e na produção de neurotransmissores, que regulam a comunicação entre as células do cérebro. Dentro desse contexto, o DHA atua na prevenção do desenvolvimento da depressão pós-parto. 

6. Confere benefícios para a criança ao longo da vida

Uma gestação completa e sem complicações e o desenvolvimento adequado da criança reflete em benefícios por toda a vida. Junto a isso, crianças que nascem com níveis adequados de DHA no sangue também têm menor ocorrência de doenças até os 6 meses de idade.

Qual a quantidade de DHA para gestante?

Estudos científicos mostram que o consumo de no mínimo 400 mg de DHA ao dia é seguro e promove todos os benefícios já mencionados para a saúde da mãe e do bebê. 

É recomendado que a mulher já inicie a gestação com bons níveis de DHA no sangue. Portanto, a suplementação de ômega 3 na gestação pode começar nos preparativos para uma gravidez planejada.

A suplementação também pode ser iniciada no primeiro trimestre da gestação. Procure por marcas que ofereçam cápsulas gastrorresistentes e sem odor, evitando que o suplemento contribua para o quadro enjoo na gravidez, que comumente ocorre nos três primeiros meses. 

O DHA para gestantes é de extrema importância. Esse ômega 3 tem importância para a mãe e o bebê, portanto consumir o suplemento  promove um desenvolvimento adequado da criança e uma gestação mais segura e tranquila.

Quer saber mais?

Referências

Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). I Consenso da Associação Brasileira de Nutrologia sobre recomendação de DHA durante gestação, lactação e infância. Internacional Journal of Nutrology. 2014; 7(3). 

Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Além da nutrição. O impacto da nutrição materna na saúde das futuras gerações. São Paulo. 2019.

Avalie este post

Graduanda em Nutrição pela Universidade de São Paulo (USP).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *