BCAA 2:1:1 é melhor? Nutricionista Priscila Gontijo

| | ,

Quando buscamos por um suplemento de BCAA podemos encontrar as seguintes informações no rótulo: “2:1:1”, “3:1:1” até “10:1:1”. Mas, você sabe o que isso significa? BCAA 2:1:1?
Entenda agora o significado de BCAA 2:1:1, além das recomendações para o consumo de BCAA de acordo com estudos científicos e os profissionais da saúde.

O QUE SIGNIFICA BCAA 2:1:1

O suplemento de BCAA é formado por 3 aminoácidos de cadeia ramificada, são eles: leucina, isoleucina e valina. Os aminoácidos são como tijolos que constroem as proteínas, portanto, a principal função do BCAA é fornecer alguns ingredientes para o corpo produzir proteínas.

A sequência de números que observamos no rótulo, como o “2:1:1” indica a concentração dos aminoácidos e a proporção de como eles estão distribuídos na porção do BCAA. 

Por exemplo, no BCAA 2:1:1 com 4 g de BCAA por dose, significa que para cada dose de BCAA os aminoácidos estão distribuídos na proporção de 2x mais de leucina do que Isoleucina e valina.

Dessas 4 g de BCAA por dose, a proporção ficaria da seguinte forma: 2 g de leucina, 1 g de isoleucina e 1 g de valina.  Ou seja, leucina sempre em maior quantidade do que as demais.

Essa concentração de 2:1:1 de BCAA é a mais famosa por ser a dose mais utilizada pelos pesquisadores, já que a leucina é o principal aminoácido para a promoção dos benefícios à saúde. 

 A recomendação para o consumo diário de BCAA varia de acordo com o peso, sendo cerca de 0,2 g/Kg. Dessa forma, o consumo ideal diário sugerido para o BCAA de acordo com as diferentes faixas de peso são:

50 – 70 Kg: 10 g – 14 g ao dia.
70 – 90 Kg: 14 g – 18 g ao dia.
90 – 120 Kg: 18 g – 24 g ao dia.

É importante lembrar que para saber o quanto de BCAA você precisa consumir no dia, é necessário passar por uma avaliação nutricional. Essa é a melhor forma para determinar se a sua alimentação é suficiente em BCAA, ou se é necessário complementar com a suplementação.

CONCENTRAÇÕES MAIORES DE BCAA SÃO MELHORES QUE 2:1:1?

Não necessariamente, o importante é que a concentração de leucina seja o dobro da quantidade de isoleucina e de valina, e pode variar entre 700 a 3000 mg por porção. Isso significa que independente do que vier descrito no rótulo (2:1:1, 4:1:1 ou até 10:1:1) o que importa é ter a concentração de leucina maior na dose.

Para saber qual a concentração e proporção dos aminoácidos presentes no suplemento de BCAA, é muito fácil, basta observar com atenção a sessão de informações nutricionais no rótulo do produto. 

DICA DA NUTRICIONISTA PARA COMPRAR UM BOM BCAA

Embora o ideal seja a recomendação do uso de suplementos vir de um profissional nutricionista, sabemos que nem todos compram o BCAA  com indicação de um profissional. 

E, mesmo para aqueles que possuem indicação, inclusive de marcas recomendadas pelo profissional, alguns cuidados na hora de escolher o suplemento são fundamentais para a aquisição de um produto de qualidade para sua saúde.

Um atributo muito importante mas que muitas pessoas desconhecem, é a qualidade da matéria prima utilizada.

Essa é uma característica importante, porque existem matérias primas melhores e mais confiáveis do que outras. No caso do BCAA, a certificação internacional de qualidade é fornecida pela líder mundial Ajinomoto Co.

Pois essa matéria prima possui sua qualidade garantida com laudos e certificações de qualidade.

Além disso, vale também preferir aquele com a menor quantidade de ingredientes na composição, e que sejam isentos de aditivos alimentares artificiais, que a longo prazo, podem ser prejudiciais à saúde.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de BCAA de altíssima qualidade?

 

Referências:

ARAGON, Alan Albert; SCHOENFELD, Brad Jon. Nutrient timing revisited: is there a post-exercise anabolic window?Journal of the international society of sports nutrition, v. 10, n. 1, p. 5, 2013.

SANTOS, Carina de Sousa; NASCIMENTO, Fabrício Expedito Lopes. Isolated branched-chain amino acid intake and muscle protein synthesis in humans: a biochemical review. Einstein (São Paulo), v. 17, n. 3, 2019.

 
Anterior

Colágeno tipo 2 é bom? Nutricionista Priscila Gontijo

Qual é o melhor: “Whey protein vegano” ou o tradicional?

Próximo

Deixe um comentário