Os suplementos de aminoácidos de cadeia ramificada, conhecidos como BCAA, são compostos pelos aminoácidos: leucina, isoleucina e valina.

Esses aminoácidos são classificados como essenciais. Isto é, devido nosso organismo não produzi-los normalmente. Portanto seu consumo deve ser realizado através da alimentação ou da suplementação para desempenhar suas funções no organismo.

Com relação ao seu consumo através da suplementação, é considero um suplemento polêmico na área científica. Já que seus resultados mostram tanto benefícios quanto a ausência deles. Porém nenhum tipo de efeito colateral é observado.

Esses estudos, avaliam principalmente questões que envolvem o ganho de massa muscular e a melhora da performance atlética. Ou seja, um suplemento comum para praticantes de atividade física, que buscam melhoras estéticas e esportivas.

E também para idosos e algumas doenças que envolvem a perda de massa muscular como a sarcopenia, questões articulares e até mesmo quadros que envolvem problemas hepáticos.

O consumo mais comum é através do suplemento em pó ou em cápsulas. Porém recentemente, inventaram o BCAA injetável.

Essa forma de utilizar o BCAA vem se popularizando, mas o que se sabe sobre seus verdadeiros benefícios?

Saiba aqui tudo sobre o BCAA injetável e o que as fontes confiáveis tem a te dizer. Ou seja, o que a comunidade científica já estudou sobre o BCAA injetável.

BCAA injetável – O que é?

O BCAA injetável é um suplemento utilizado de forma intramuscular, através de injeções. Considerado uma intradermoterapia, e atualmente, bastante comercializado por clínicas de estéticas com alegações de melhores e mais rápidos resultados.

Esse tipo de injeção é comercializado até agora, sem nenhum estudo científico comprovando qualquer benefício.

Ou seja, não é recomendado por profissionais da área da saúde realmente qualificados. Como médicos e nutricionistas.

Qual a composição de um BCAA injetável?

Em sua composição, além dos aminoácidos de cadeia ramificada, outros compostos estão presentes. Os quais a indústria farmacêutica alega potencializar o ganho de massa muscular quando associados ao BCAA.

Como por exemplo: L-Arginina, L-Carnitina, L-Ornitina, Zinco Sulfato, Cloreto de Magnésio e Vitamina B6.

Porém os valores de cada componente não são divulgados. Apesar de entendermos a questão comercial, a literatura científica é bem específica com relação a proporção de aminoácidos de cadeia ramificado presentes na formulação.

Pois existem doses específicas par obter resultados com relação ao ganho de massa magra. (Veja as recomendações nos próximos tópicos)

Portanto, além de não ser recomendado a utilização de BCCA injetável, não existe também nenhum estudo científico que comprove que essa combinação de micronutrientes de fato promove o resultado de aumento da síntese proteica e ganho de massa muscular.

BCAA injetável funciona?

Não podemos afirmar que funciona nem que não funcione. Porém, pensando em segurança e resultado, o ideal é o consumo do BCAA via oral. Ou seja, nada de injetável.

E o seu consumo oral, de acordo com cientistas e os resultados encontrados, é melhor quando consumidos em pó e diluído em água em proporções adequadas.

Quais são os riscos de utilizar o BCAA injetável

Os riscos envolvendo essa moda são os que envolvem a injeção. Casos de infecção são comuns, principalmente na região em que foi administrado o BCAA injetável.

Além do risco de agulhas não estéreis e contaminação de doenças graves como o HIV e hepatite são possíveis riscos. E também a sensação de dor quando ministrada por profissionais não habilitados e pessoas sem experiências.  

Qual a melhor forma de consumir BCAA

Segundo os especialistas, a recomendação é do consumo de BCAA em pó. Por ser a forma de suplementação mais estudada e também por evitar o consumo de grandes quantidades de cápsulas para atingir a dosagem recomendada.

Quais são os principais benefícios do BCAA

Os resultados com a suplementação exclusiva de BCAA são contraditórios. Como mencionado anteriormente, apesar de não apresentar efeitos colaterais e serem seguros para a saúde. Mas alguns benefícios são divulgados e não possuem comprovação científica e devem ser desencorajados.

Para isso listamos os 4 principais benefícios do BCAA que possuem evidências científicas confiáveis. E também aqueles que não possuem.

Benefícios:

  • Redução na dor muscular
  • Auxilio na recuperação após exercícios físicos com intensidade moderada
  • Melhora das dores articulares em mulheres
  • Diminui a percepção de esforço durante o exercício

Agora, os principais benefícios que são divulgados e que não possuem suporte científico para a recomendação do BCAA, são:

  • Emagrecimento
  • Perda de gordura corporal

Doses recomendadas para a suplementação de BCAA

As doses mais utilizadas variam de 1,2g até 10g. E a melhor composição entre os aminoácidos de cadeia ramificada observados são de 2:1:1 de leucina, valina e isoleucina respectivamente. Consumido em pó com diluição de 100 a 250ml de água.

Portanto é fundamental analisar a composição do suplemento escolhido, priorizando 2:1:1 (leucina, valina e isoleucina) com dose média de 6 a 7g de aminoácidos.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de BCAA de altíssima qualidade?

 

Referências:

RAHIMI, Mohammad Hossein et al. Branched-chain amino acid supplementation and exercise-induced muscle damage in exercise recovery: A meta-analysis of randomized clinical trials. Nutrition, v. 42, p. 30-36, 2017.

WATANABE, Selma Chiyoko. Efeitos da suplementação de aminoácidos de cadeia ramificada para o aumento de massa muscular e redução da gordura corporal: uma revisão sistemática. 2017. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.