Quando consumimos nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo, o nosso corpo responde com mais energia, vigor, força e saúde.

Ao adicionar um suplemento alimentar, como os aminoácidos essenciais de cadeia ramificada (BCAA), garantimos um reforço extra para otimizar esses ganhos e, de quebra, aumentar o desempenho nos treinos, bem como conquistar uma excelente definição muscular.

BCAA para mais potência!

O suplemento de BCAA é reconhecido como um potente aliado da boa forma, sendo também benéfico em importantes funções do organismo.

Trata-se de um composto natural, que oferece uma rica fonte de aminoácidos essenciais (leucina, valina e isoleucina).

O BCAA se destaca entre os demais suplementos – e entre quem deseja obter desde ganhos no condicionamento físico até uma vigorosa hipertrofia muscular.

Vale ressaltar, que a suplementação com BCAA deve ser feita de acordo com o objetivo e necessidade nutricional de cada pessoa. Contudo, a necessidade nutricional geralmente é traçada com a orientação de um nutricionista para garantir a melhor recomendação de acordo com o perfil individual.

O consumo do BCAA pode ser realizado na versão isolada (puro), ou combinado com alguns suplementos que você confere a seguir:

BCAA e Whey protein

Você sabia que a própria composição do whey protein já contém uma quantidade satisfatória de BCAA? Sim, mas essa concentração, pode variar de acordo com a marca e qualidade do whey protein.

De modo geral, as linhas mais populares de whey fornecem em média, 3g de BCAA (em uma porção de 30g) – mas alguns produto podem apresentar até 6g de BCAA na porção sugerida para o consumo. 

Assim, quando a ideia é fazer uma suplementação combinada (BCAA + whey), o primeiro passo é estabelecer qual whey melhor oferece o BCAA. Entretanto, quando os aminoácidos são ingeridos com outros nutrientes como carboidratos e proteínas, a absorção é mais lenta.

Por isso, é sugerido o consumo de whey protein com quantidades de BCAA superior a 3 g na porção recomendada para o consumo. 

A indicação dessa dupla suplementação é, normalmente, orientada para potencializar os ganhos para o corpo, em treinos de alta performance. Porém, para esse público, a recomendação é tomar, cada um deles, em horários diferentes como, por exemplo: BCAA antes do treino e whey ao final da malhação.

No entanto, como já mencionamos antes, a estratégia de unir os dois suplementos varia de indivíduo para indivíduo. E por esse motivo um profissional qualificado é essencial para orientar tal dosagem e garantir os melhores resultados.

BCAA e Glutamina

Quando o assunto é recuperação muscular, o aumento da energia e a prevenção da fadiga em treinos mais intensos, a combinação do BCAA e glutamina é especialmente eficaz nessa missão.

Contar com a ação desses dois suplementos de aminoácidos no organismo favorece, ainda, outras importantes funções do nosso corpo como, por exemplo, o sistema imunológico.

E essa soma de excelentes benefícios não poderia ser diferente, afinal, estamos falando do trabalho conjunto e eficiente de dois suplementos ricos em aminoácidos essenciais do BCAA (os quais não são produzidos no nosso corpo), e o não essencial como a glutamina (presente no nosso organismo).

Portanto, quando são associados à prática regular de exercícios físicos e à alimentação equilibrada, tal suplementação ajuda a melhorar a performance nos treinos e ganhos positivos para a saúde do corpo.

BCAA qual o melhor e como escolher.

Por que suplementar BCAA?

A resposta para essa pergunta está na ação benéfica do BCAA em fornecer os aminoácidos essenciais (necessários) aos músculos do nosso corpo – e promover, assim, a síntese de proteínas.

Quando isso acontece, o organismo responde produzindo novas fibras musculares – as quais promovem o ganho de massa magra: os músculos crescem e se fortalecem.

E tem mais: a suplementação com BCAA, conforme apontou uma pesquisa, atua na redução dos danos musculares, especialmente em treinos mais intensos, sendo benéfico para reduzir a sensação de dor, amenizar a fadiga e promover a recuperação do muscular.

As vantagens não param por aí. Em primeiro lugar, a ação do BCAA também é atribuída a importantes ganhos para a manutenção da saúde. Inclusive, há diversas pesquisas demonstrando esses efeitos positivos. Confira, a seguir, cinco descobertas importantes sobre os benefícios da suplementação do BCAA:

1. Melhora no sistema imunológico

O BCAA suplemento contribui para o aumento das defesas do nosso corpo. É o que afirmou uma investigação científica, na qual foi constatada a importante ação dos aminoácidos essenciais (especialmente a isoleucina) no fortalecimento do sistema imunológico.

2. Ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue

O BCAA atua na a liberação da insulina (hormônio que estimula a entrada de glicose nas células musculares). Com isso, o nosso corpo garante mais energia. Tal benefício também favorece a preservação do tecido muscular, pois reduz a perda de massa (catabolismo).

3. Auxilia no tratamento do traumatismo craniano

De acordo com esta avaliação, a intervenção nutricional dos aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA) beneficia o tratamento em casos (graves) de traumatismo craniano, demonstrando resultados positivos por meio dessa suplementação.

4. Beneficia o tratamento da encefalopatia hepática

Neste recente estudo, os pesquisadores descobriram efeitos benéficos do BCAA para o tratamento e controle dos sintomas da encefalopatia hepática (disfunção cerebral causada por problemas no fígado).

5. Melhora a cirrose hepática

A suplementação com BCAA favorece os tratamentos em pacientes com cirrose hepática. De acordo com os pesquisadores deste recente estudo, tal consumo demonstrou ser eficaz para reduzir a entrada de substâncias tóxicas no sistema nervoso central e, com isso, mostrou-se benéfico para conter os sintomas da doença.

Entenda os diferenciais de um bom BCAA .

Quais são os efeitos colaterais do BCAA?

Quando falamos nos efeitos colaterais, é importante saber que o BCAA é um composto natural. Com isso, tem sido utilizado sem maiores preocupações. Inclusive, não há contra indicação para tal consumo, pois o BCAA, como um suplemento alimentar, é um nutriente – e não um medicamento.

A dica, no entanto, é estar atento aos produtos de baixa qualidade (prefira marcas já consolidadas). E também não consumir formas alternativas, como a aplicação injetável (intramuscular) do BCAA, para evitar o risco de possíveis contaminações.

Conheça os tipos de suplementos de BCAA

Mas, afinal, como tomar BCAA? Existem diferentes formas de fazer essa suplementação e, as principais, a gente mostra a seguir:

BCAA injetável 

Como adiantamos acima, tanto a indicação, como a aplicação do BCAA injetável deve ser feita somente com o acompanhamento de um médico especializado – para evitar o risco de contaminação e até possíveis danos à saúde.

Embora seja uma opção associada à uma ação mais acelerada do BCAA nos músculos, não há estudos, de fonte segura, comprovando a segurança de tal aplicação, nem o efeito potencializador da síntese muscular – quando comparada à ingestão via oral.

BCAA em pó

Destaca-se com um dos mais práticos e recomendados. Pode ser adicionado na água ou mesmo em preparações dietéticas. As marcas mais tradicionais do mercado apresentam, normalmente, 4g de aminoácidos essenciais, na proporção: 2g de leucina, 1g de valina e 1g de isoleucina (2:1:1).

BCAA em cápsula

Assim como a opção em pó, o consumo do BCAA em cápsula é mais prático. Ou seja: você pode levar em todo lugar, bem como tomar a qualquer hora do dia. Já em relação à concentração de BCAA, ela varia de acordo com o fabricante, contudo, a média fica entre 1g e 3g de BCAA por dosagem.

Entretanto, a porção diária de modo geral, pode variar entre 2 e 4 cápsulas. O que apesar de prático para alguns, pode ser desconfortável para outros. 

E como a ideia é garantir um consumo seguro e eficaz, vale lembrar: conte sempre com a orientação de um nutricionista para garantir todos os benefícios.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de BCAA de altíssima qualidade?

Conheça o BCAA Vhita.

 

Referências:

SHIMOMURA Y; YAMAMOTO, Y, JUICHI, GB et al.  Nutraceutical Effects of Branched-Chain Amino Acids on Skeletal Muscle. The Journal of Nutrition, Volume 136, Issue 2, February 2006, Pages 529S–532S. Disponível em <https://doi.org/10.1093/jn/136.2.529SAcesso em Mar. 2019.

Wei-Chieh Mu, Erin VanHoosier, Carrie M. Elks,  and Ryan W. Grant. Dietary Protein and Branched-Chain Amino Acids on Metabolism and Inflammation in Mice. Nutrients. 2018 Jul; 10(7): 918. Published online 2018 Jul 18. doi: 10.3390/nu10070918. Long-Term Effects of .  <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6073443Acesso em Mar. 2019.

BLOOMGARDEN Z. Diabetes and branched-chain amino acids: What is the link?. J Diabetes. 2018 May;10(5):350-352. doi: 10.1111/1753-0407.12645. Epub 2018 Feb 13. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29369529> Acesso em Abr 2019.

ZHAO X, et al. The Relationship between Branched-Chain Amino Acid Related Metabolomic Signature and Insulin Resistance: A Systematic Review.J Diabetes Res. 2016;2016:2794591. doi: 10.1155/2016/2794591. Epub 2016 Aug 25. Disponível em  <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27642608> Acesso em Abr 2019.