Campanha Setembro Amarelo e os Transtornos Mentais

| | , ,

Campanha Setembro Amarelo e os Transtornos Mentais

A Campanha Setembro Amarelo trata da prevenção do suicídio, e este está diretamente associado com doenças mentais como depressão e ansiedade. Entenda agora essa relação.

O que é o Setembro Amarelo?

O Setembro Amarelo é uma campanha datada como oficial em 2003 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que decretou o dia 10 de setembro como a data de sua representação.

O Setembro Amarelo foi inspirado na história de Mike Emme. Um jovem de 17 anos que tirou a própria vida, em 1994, dentro do seu amado Mustang 68 amarelo e que também deu origem, por meio dos pais de Mike, à campanha do programa de prevenção do suicídio chamada de Yellow Ribbon (fita amarela, em português).

No Brasil, a Campanha Setembro Amarelo teve início em 2015, por iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). 

As primeiras atividades da campanha aconteceram em Brasília (DF) e logo depois foram adotadas em outras regiões e estados

Campanha Setembro Amarelo e o suicídio

A Campanha Setembro Amarelo é uma iniciativa da OMS ao combate do suicídio, inspirada na história de Mike Emme. Mas, muito mais que uma história, a campanha tem como objetivo alertar sobre os dados e combatê-los em todo o globo.

A OMS aponta que a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida em algum lugar do mundo; A taxa de suicídio, em 2016, foi padronizada em 10,5 para cada 100 mil pessoas; 79% dos suicídios ocorreram em países de baixa e média renda;

os países de alta renda apresentam a maior taxa (cerca de 11,5 para cada 100 mil);

O suicídio foi a segunda principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos de idade, ficando apenas atrás dos acidentes de trânsito; Somente 38 de 193 países adotam medidas e estratégias de prevenção do suicídio.

Porém, por mais que esses dados sejam alarmantes, existem outros dois dados que nos ajudam a ter esperança: quase 100% das tentativas de suicídios tem relação com alguma doença mental e em 90% dos casos elas podem ser evitadas, com a devida estratégia, medida, orientação e ajuda médica correta.

Quais os sintomas de depressão e ansiedade?

Primeiramente temos que entender que depressão e ansiedade são diferentes, porém, uma pode dar origem a outra e a mesma pessoa pode ter as duas ou somente uma delas.

No caso da depressão, ela está muito relacionada ao humor deprimido, a perda do prazer para atividades do cotidiano, alteração no apetite (tanto para aumento quanto diminuição), desregulação do sono, fadiga, cansaço, indisposição, sentimento de culpa, pensamentos constantemente negativos, entre outros aspectos.

Enquanto isso a ansiedade tem alguns outros sintomas associados, como uma preocupação excessiva e constante, um medo descontrolado sobre algo, inquietação, nervosismo, fadiga e cansaço intensos, além de sintomas físicos como, suor frio, mão gelada, boca seca, taquicardia, enjoos, entre outros.

E se você acha que está tendo o conjunto desses sintomas com certa frequência e intensidade, ou conhece alguém nessas condições, é importante que procure a ajuda de um médico, pois será esse o profissional que melhor saberá diagnosticar e tratar o que você estiver sentindo.

Quais os tratamentos para depressão e ansiedade

Lembrando que todo e qualquer tratamento deve ser feito a partir de uma consulta com um profissional da saúde. O que iremos passar aqui é de caráter informativo.

Tanto no tratamento da ansiedade quanto da depressão, primeiro é feito o diagnóstico clínico identificando a causa e o impacto gerado entre leve, médio e grave, a depender do tempo que o paciente convive com a doença.

Após isso é dado início a escolha do tratamento que pode ser com medicação e algum tipo de terapia, ou somente a terapia. Isso irá depender do nível de impacto diagnosticado.

Em relação aos remédios, podem ser usados os que são chamados de alívio (como o Rivotril, por exemplo) e os remédios a longo prazo, que é o caso dos antidepressivos. Os remédios são mais recomendados para casos de impacto grave.

Em casos leves e médios, geralmente é feito o tratamento sem remédio por média de 3 a 4 meses para avaliação da melhora ou não do caso. E existem vários desses tratamentos, mas iremos citar os que demonstraram maior funcionalidade através de estudos:

  • T.C.C – Terapia Cognitiva Comportamental;
  • Mindfulness;
  • Atividade física (principalmente aeróbica);
  • E.M.T – Estimulação Magnética Transcraniana;
  • Reeducação alimentar com probióticos e ômega 3.

Além disso, estudos recentes (2019) indicam o uso do ômega 3 (tanto o suplemento quanto por meio de alimentos fonte) como um potencial auxiliador no tratamento de quadros depressivos e outras doenças psiquiátricas.

Apontam ainda um benefício maior se já incluído logo no inicio do tratamento.

Ômega 3 ajuda na saúde mental?

Em 2018, uma pesquisa holandesa apresentou evidências de que pessoas com depressão e outros tipos de doenças psiquiátricas, indicavam uma baixa significativa da presença de ômega 3 no sangue.

Não somente, mas uma revisão realizada em 2019 com estudos feitos entre 1980 e 2019, constatou que a ingestão de peixes gordurosos (ricos em ômega 3) está ligada ao risco reduzido de desenvolvimento de quadros depressivos.

Além disso, nessa mesma pesquisa, foi apontado que a combinação do EPA com o DHA tem uma capacidade anti-inflamatória crucial para o impedimento do desenvolvimento da depressão.

Então sim, o ômega 3 é um auxiliador no tratamento da ansiedade e depressão.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar o melhor colágeno para o cabelo?

Ta-Wei Guu, David Mischoulon, Jerome Sarris, Joseph Hibbeln, Robert K McNamara, Kei Hamazaki, Marlene P Freeman, Michael Maes, Yutaka J Matsuoka, R H Belmaker, Wolfgang Marx, Carmine Pariante, Michael Berk, Felice Jacka, Kuan-Pin Su. A multi-national, multi-disciplinary Delphi consensus study on using omega-3 polyunsaturated fatty acids (n-3 PUFAs) for the treatment of major depressive disorder. 15 de março de 2020. PubMed. Disponível em <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32090746/> Acessado em 27/07/2020.

Secretaria de Saúde do Distrito Federal. 90% dos casos de suicídio poderiam ser evitados. 30 de agosto de 2016. Saúde DF. Disponível em <http://www.saude.df.gov.br/segundo-oms-90-dos-casos-de-suicidio-poderiam-ser-evitados/> Acessado em 27/07/2020.

Nações Unidas Brasil. Um suicídio ocorre a cada 40 segundos no mundo, diz OMS. 09 de setembro de 2019. ONU Brasil. Disponível em <https://nacoesunidas.org/um-suicidio-ocorre-a-cada-40-segundos-no-mundo-diz-oms/> Acessado em 27/07/2020.

Blog Vhita. Ômega 3 e depressão: qual é a relação?. 28 de maio de 2019. Blog Vhita. Disponível em <https://blog.vhita.com.br/omega-3-e-depressao/> Acessado em 27/07/2020.

Associação Brasileira de Psiquiatria. Manual de Imprensa. 2016. ABP. Disponível em <https://www.abp.org.br/manual-de-imprensa> Acessado em 27/07/2020.

Canal Saúde da Mente. Como tratar a ansiedade passo a passos. 2 de maio de 2019. YouTube. Disponível em <https://youtu.be/kxN6Va4etLw> Acessado em 27/07/2020.

Canal Neurologia e Psiquiatria TV. Qual a diferença entre ansiedade e depressão? PT1. Com a psiquiatra Maria Fernanda. 24 de julho de 2019. YouTube. Disponível em <https://youtu.be/0ojjLzahll0> Acessado em 27/07/2020.

Canal Saúde da Mente. Qual o melhor tratamento para depressão. 30 de janeiro de 2020. YouTube. Disponível em <https://youtu.be/xC5Udw9s_SI> Acessado em 27/07/2020.

THESING, Carisha S. Omega-3 and omega-6 fatty acid levels in depressive and anxiety disorders. 2018. Psychoneuroendocrinology. Disponível em <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S030645301730481X?via%3Dihub> Acessado em 27/07/2020.

 
Anterior

Setembro Amarelo: O que você precisa saber

Como tomar ômega 3 para prevenir e tratar a depressão?

Próximo

Deixe um comentário