Qual o melhor tratamento para depressão e ansiedade?

| | , ,

Qual o melhor tratamento para depressão e ansiedade?

Existem diversas opções de tratamento para depressão e ansiedade. Não existe um tratamento melhor que outro, e sim aquele mais adequado para cada caso. Entenda, a seguir, quais são os tratamentos mais utilizados.

Como tratar a depressão e ansiedade?

Tanto para tratar a depressão quanto para a ansiedade, alguns tipos de medicamentos (como o caso dos antidepressivos) e/ou terapias, são semelhantes, o que muda é a dinâmica e foco da terapia, e a classe e foco do medicamento.

Existem as terapias sem o uso de medicamento, e as com o uso de remédios.

Terapia sem uso de medicamento para tratar depressão e ansiedade

Os tratamentos terapêuticos sem uso de medicamentos  são usados na maioria dos casos de depressão e ansiedade.

Isso porque na maioria dos casos  diagnosticados como leves a moderados, só eles já são suficientes como tratamento.

As principais terapias aplicadas sem uso de medicamento são: a terapia cognitiva comportamental, o mindfulness, os exercícios físicos e a alimentação adequada.

Já nos casos mais graves que exigem tratamentos com o uso de medicamentos podem ser usados os benzodiazepines, anticonvulsivos e antidepressivos.

T.C.C (Terapia Cognitiva Comportamental) para tratar depressão e ansiedade

É uma psicoterapia baseada em reconhecimento de padrões da interpretação individual sobre eventos. Deve ser aplicada por um psicólogo ou psiquiatra e  utiliza de técnicas para trabalhar percepções de padrões de comportamentos negativos e transformá-los em positivos.

Mindfulness para tratar depressão e ansiedade

É uma terapia que trabalha técnicas de meditação voltadas a concentração. A proposta é o trabalho de concentração plena em algo específico, seja um objeto ou reações do próprio corpo (como respiração e os batimentos cardíacos).

Exercícios físicos para tratar depressão e ansiedade 

É comprovado que praticar exercícios físicos regularmente  estimulam a produção hormônios como a dopamina e serotonina, que são considerados os hormônios da felicidade e do prazer, logo é recomendado a prática de exercícios físicos como terapia.

Alimentação adequada com ômega 3

  A alimentação adequada é fundamental para o equilíbrio do corpo e da mente.

O ômega 3 é um nutriente que não conseguimos consumir em quantidades adequadas apenas pelos alimentos, porém é um nutriente super importante para a saúde mental.

Por isso, uma dieta rica em ômega 3 pode fazer parte da terapia para tratar depressão e ansiedade. 

Terapias com uso de medicamentos para tratar depressão e ansiedade

Qualquer tipo de tratamento (principalmente com uso de medicamentos) deve ser prescrito por um médico.

Os medicamentos são geralmente usados em quadros de depressão e ansiedade mais graves (isso inclui pessoas que passam anos e até décadas em convívio com a doença), e os mais comuns são os antidepressivos.

Porém, existem medicamentos que auxiliam em diferentes tratamentos, veja:

Benzodiazepínicos para depressão e ansiedade:

Os populares calmantes. Esses medicamentos são usados para alívio imediato de sintomas como angústia e ansiedade, são tarja preta, tem um prazo curto de uso, geralmente servindo como preliminar para outro tratamento com antidepressivos a longo prazo.

Um exemplo é o Clonazepam (Rivotril), que custa por volta de R$ 20,00.

Anticonvulsivos para depressão e ansiedade:

Apesar de serem prioritariamente destinados para tratamento de convulsões e epilepsia, esse tipo de remédio também auxilia no tratamento de transtornos de humor bipolar e ciclotimia.

Um exemplo desse tipo de medicamento é a Pregabalina, que pode ser encontrado por valores entre R$ 50,00 e R$ 150,00.

Antidepressivos para depressão e ansiedade:

Como os mais usados, estes têm como principal função a normalização do fluxo de neurotransmissores, tendo distintos mecanismos de ação dependendo da sua classe. São usados para tratamento a longo prazo. Como exemplo de antidepressivo temos a Fluvoxamina (Revoc), com valores entre R$ 80,00 e R$ 230,00.

Ômega 3 é bom para depressão?

Muitas pesquisas apontam ômega 3 é como um potencial auxiliador no tratamento da depressão, seja ele como alimento em dietas (como peixes gordurosos) ou a partir da suplementação.

Recentes análises apontam e reforçam que pessoas com quadros depressivos apresentavam uma menor taxa de ômega 3 no sangue. E que o EPA e DHA (tipos de ômega 3) se mostraram muito eficazes na prevenção da depressão devido ao seu efeito anti-inflamatório, inclusive para o cérebro.

Não somente, o ômega 3 também é responsável por outros papéis importantes relacionados ao cérebro. Ele é uma gordura que ajuda a formar a bainha de mielina, uma capa de revestimento do neurônio, permitindo a proteção e melhor comunicação entre neurotransmissores.

Estudos preliminares também mostram que o ômega 3 tem forte papel na estimulação da produção do hormônio de crescimento do cérebro (BDNF), o que ajuda a prevenir a destruição das células cerebrais.

O ômega 3 também auxilia na produção de hormônios envolvidos com a sensação de felicidade e bem estar como a serotonina e dopamina.

Ômega 3 é bom para ansiedade?

Da mesma forma que para depressão, o ômega 3 atua no tratamento e prevenção da ansiedade , ou seja, muito do que é constatado para a depressão se valida em pacientes com ansiedade.

Outro ponto forte é que o suplemento de ômega 3 se mostra como uma alternativa eficaz em relação a dieta ocidental, pois nela não temos o hábito do consumo de duas a três porções de peixes gordurosos semanais.  

O recomendado para a manutenção dos níveis de ômega 3 no sangue, o que também auxilia na prevenção da ansiedade e da depressão

Quantas cápsulas de ômega 3 tomar para a depressão e ansiedade? 

É comum observar no mercado uma grande variedade de suplementos de ômega 3, por isso existem diferentes concentrações do suplemento.

Porém, a ingestão recomendada pelos órgãos internacionais de saúde é de 1200 mg de ômega 3 por dia.

Logo, o ideal é que a concentração de ômega 3 seja a maior possível (dentro do recomendado), gerando maior aproveitamento e duração do suplemento.

Uma quantidade interessante para o consumo diário é de até 2 cápsulas por dia.

Há casos mais acentuados de depressão e ansiedade que o consumo de ômega 3  pode chegar até 4g por dia, o que daria um total de aproximadamente 7 cápsulas por dia (baseado no consumo de um bom suplemento.

Mas para prevenção, a dose diária recomendada pelos órgãos internacionais de saúde (1200 mg/dia) já é o suficiente.

Como escolher um bom ômega 3 para a depressão e ansiedade?

Tanto para prevenção quanto para ajudar no tratamento, é imprescindível escolher um suplemento de ômega 3 de qualidade, por isso que alguns detalhes devem ser observados antes de decidir por qual marca comprar:

É importante saber que um bom suplemento de ômega 3 precisa ter uma alta concentração de EPA e DHA por cápsula e entregar a dose diária recomendada (1200 mg) na menor quantidade de cápsulas possível (até 2.

Outra característica de um suplemento de ômega 3 de qualidade é que ele também venha com vitamina E na composição, para evitar a formação de radicais livres.

Além disso, um bom suplemento de ômega 3 contém o selo IFOS, um certificado com padrão e reconhecimento internacional, comprovando que o produto é livre de metais pesados, como o mercúrio, por exemplo.

E que também venha em embalagem opaca, protegendo da luminosidade para manter a qualidade da cápsula intacta.

Bons suplementos de ômega 3 podem ser encontrados por valores na faixa de R$ 100,00.

Quer saber mais?

 

Que tal um desconto especial para experimentar o melhor ômega 3 para depressão e ansiedade?

Referências:

Ta-Wei Guu, et al. A multi-national, multi-disciplinary Delphi consensus study on using omega-3 polyunsaturated fatty acids (n-3 PUFAs) for the treatment of major depressive disorder. 15 de março de 2020. PubMed. Disponível em <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32090746/> Acessado em 31/07/2020;

Aiguo Wu Zhe Ying. Dietary omega-3 fatty acids normalize BDNF levels, reduce oxidative damage, and counteract learning disability after traumatic brain injury in rats. 21 de outubro de 2004. PubMed. Disponível em <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15672635/> Acessado em 03/08/2020;

Vhita. Ômega 3 e depressão: qual é a relação?. 28 de maio de 2019. Blog Vhita. Disponível em <https://blog.vhita.com.br/omega-3-e-depressao/> Acessado em 03/08/2020;

Vhita. Como escolher o melhor ômega 3 do mercado | Veja dicas. 27 de março de 2019. Blog Vhita. Disponível em <https://blog.vhita.com.br/melhor-omega-3-do-mercado/> Acessado em 03/08/2020;

Vhita. Campanha Setembro Amarelo e Transtornos Mentais. 28 de julho de 2020. Blog Vhita. Disponível em <https://blog.vhita.com.br/campanha-setembro-amarelo/> Acessado em 03/08/2020.

 
Anterior

Como tomar ômega 3 para prevenir e tratar a depressão?

Qual o melhor ômega 3 para depressão e ansiedade?

Próximo

Deixe um comentário