O colágeno é um dos suplementos mais utilizados atualmente devido suas alegações de benefícios para regiões das cartilagens, articulações e efeitos estéticos.

E os EUA realizou uma análise atual de mercado, avalia que até 2025 o mercado da suplementação de colágeno alcance um valor em torno de 7 bilhões de dólares.

Por esses motivos, e o fato da proteína de colágeno ter como matéria prima para sua extração organismos vivos, a indústria e pesquisadores buscam maneiras alternativas e sustentáveis para conseguir a produção em massa dos diferentes tipos de colágeno, com o objetivo de evitar que essa materia prima se esgoste.

De onde é extraído o colágeno tipo 2?

Atualmente, o nutriente é obtido por extração de fontes naturais principalmente, envolvendo plantas e animais. Outras técnicas também são realizadas, como a utilização de bactérias e leveduras para a síntese da proteína em laboratório.

E de modo sintético, utilizando fibrilas (de grosso modo são pequenas estruturas que quando ligadas formam o colágeno) artificiais  com as mesmas características de colágeno natural.

Dos animais muito utilizados para a extração do colágeno tipo 2, temos principalmente a extração do colágeno a partir do frango. 

Extração de colágeno do esterno do frango

O Brasil é um dos maiores produtores de carne de frango do mundo, com quase 13milhões de toneladas produzidas em 2018 segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal. E seu consumo interno, também vem aumentando anualmente, em 2018 a média populacional foi de 41,8 quilos por pessoa.

E esses dados brasileiros, são reflexos do que acontece mundialmente. Esse grande consumo de frango resultava em uma grande quantidade de resíduos ambientais, já que algumas partes do frango não possuem valor ecônomico para consumo, como: ossos, pés e a região do crânio. ]

E a partir dessa observação, a indústria unida aos pesquisadores foram atrás de alternativas sustentáveis para minimizar os descartes ambientais desses ossos, e começaram a utilizar os resíduos do frango para extração do colágeno neles presentes através de processos químicos. 

Esses processos químicos resultam no colágeno tipo 2, realizado através de processos de baixas temperaturas sem utilização de enzimas, que resultaria na quebra da sua estrutura natural, e assim mantém sua atividade biológica. E essa característica permite que o colágeno do tipo 2 retirado principalmente do osso esterno apresenta alta biodisponibilidade e absorção.

Colágeno do pé do frango

O colágeno obtido do pé do frango também envolve a produção industrial do colágeno, não é utilizado para produção farmacêutica de suplementos, mas a indústria utiliza para produção de gelatinas devido sua capacidade de consistência gelatinosa.

O pé é considerado um subproduto e sem interesse econômico, portanto além de agregar valor também contribui para diminuir os resíduos ambientais. 

Benefícios do colágeno tipo 2

Os principais benefícios do colágeno tipo 2 para a saúde são:

  1. Reduz o inchaço e a dor articular;
  2. Modula resposta imunológica;
  3. Evita a degradação do colágeno;
  4. Melhora a qualidade de vida;
  5. Reduz o processo inflamatório;
  6. Alta efetividade em baixas doses;
  7. Altamente seguro e bem tolerável;
  8. Garantia de qualidade e efetividade no processo de fabricação;
  9. Eficácia demonstrada em estudos científicos em humanos. 

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de colágeno de altíssima qualidade específico para as articulações e cartilagens?

Referências:

AVILA RODRIGUEZ, Maria Isabela; RODRIGUEZ BARROSO, Laura G.; SÁNCHEZ, Mirna Lorena. Collagen: A review on its sources and potential cosmetic applications. Journal of cosmetic dermatology, v. 17, n. 1, p. 20-26, 2018.

FERREIRA, Mirele Fernandes. Extração e caracterização de gelatina proveniente de subprodutos do frango: pés. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná.