Saiba aqui um pouco mais sobre a osteoartrite e como o acompanhamento multidisciplinar e tratamentos sem o uso de medicamentos irão te ajudar a diminuir as dores comuns.

Antes, veja quais são os tratamentos mais utilizados explicados pela especialista na área da saúde:

O que é osteoartrite

A osteoartrite é causada por um desequilíbrio entre a formação e a destruição das articulações e cartilagens. E para desencadear esse desequilíbrio, um conjunto de fatores podem estar envolvidos.

Como por exemplo: sobrecarga mecânica, alterações bioquímicas da cartilagem e membrana sinovial e fatores genéticos. E seu principal sintoma é a dor, que normalmente piora com esforço físico intenso e repetitivo e alivia com repouso.

Considerada uma doença crônica e de origem reumática, a Osteoartrite é a mais comum. Sua prevalência ocorre a partir dos 40 anos, porém assintomática. Entretanto, os sinais e sintomas aparecem com o avanço da idade.

E de acordo com dados populacionais, não existe diferença na incidência da doença por grupo étnicos ou por gênero.

Porém o mais importante, é que essa doença afeta diretamente a qualidade de vida e bem estar, principalmente dos idosos. Já que implica em maior vulnerabilidade e dependência por dificultar a realização de atividades cotidianas.

Veja 4 tratamentos que não envolvem a medicação que vão te ajudar muito na melhora das dores envolvendo a osteoartrite:

Exercício físico

Ainda tem quem acredite que o exercício físico é inimigo daqueles com osteoartrite. Porém, aos poucos essa ideia vai sendo desmistificada, já que o exercício é um importante tratamento.

Diferente do exercício intenso e repetitivo que pode levar a progressão da doença, existem diversos treinos específicos para trabalhar o fortalecimento das regiões desgastadas e diminuir a dor.

É fundamental procurar auxilio para saber: como, por quanto tempo e em qual intensidade deve ser feito para observar a melhora.

E por esse motivo, a equipe multidisciplinar é fundamental. Procure orientação de um profissional habilitado, como fisioterapeuta e educador físico para auxiliar nessas questões.

Pois quanto mais flexível é a musculatura ao redor das articulações, mais estáveis elas ficam. E assim diminuem o atrito entre os ossos resultando em menor sensação de dor e melhora da inflamação.

Controle de peso

Além de também ser considerado um fator de risco, o excesso de peso pode prejudicar pacientes com OA devido ao esforço que o joelho faz para a sustentação extra do peso corporal.

O controle de peso em pacientes com sobrepeso e obesidade que apresentam OA é essencial, pois além de diminuir a pressão aos joelhos, pode reduzir a dor e melhorar a capacidade funcional.

Repouso

O repouso pode ser necessário, pois descansar a articulação pode aliviar a dor. O tempo de repouso é indicado por um profissional habilitado, pois um tempo prolongado, também, pode prejudicar, levando à atrofia muscular e diminuição da mobilidade articular.    

Alimentação e suplementação

Uma alimentação balanceada contribui para o fortalecimento das articulações, a diminuição da inflamação e a melhora da saúde óssea.

Entre os nutrientes benéficos, como ômega-3, cálcio, vitamina D e magnésio, encontra-se o colágeno tipo 2, que corresponde a 95% do peso da cartilagem desidratada.

Dentre os benefícios promovidos, podemos pontuar:

  • Auxilia de forma específica para fortalecer as articulações e melhorar mobilidade.
  • Age prevenindo lesões e como manutenção e reposição das proteínas das articulações.
  • Ajuda na prevenção de lesão articular e doenças como osteoartose.
  • Eficaz para a reestruturação e manutenção da cartilagem.
  • Contribui para a produção do colágeno da estrutura óssea.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de colágeno de altíssima qualidade específico para as articulações e cartilagens?

Referências:

MESSIER, Stephen P. et al. Effects of intensive diet and exercise on knee joint loads, inflammation, and clinical outcomes among overweight and obese adults with knee osteoarthritis: the IDEA randomized clinical trial. Jama, v. 310, n. 12, p. 1263-1273, 2013.

SOUZA, Isabelle Ferreira da Silva et al. Idosos com osteoartrite de joelhos devem realizar avaliação nutricional: revisão integrativa da literaturaEinstein (São Paulo), v. 15, n. 2, p. 226-232, 2017.

SOUZA, Isabelle Ferreira da Silva et al. Idosos com osteoartrite de joelhos devem realizar avaliação nutricional: revisão integrativa da literatura. Einstein (São Paulo), v. 15, n. 2, p. 226-232, 2017.

https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/osteoartrite-artrose/

PORFÍRIO, Elisângela; FANARO, Gustavo Bernardes. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 1, p. 153-164, 2016.

JIANG, Jian-Xin et al. Collagen peptides improve knee osteoarthritis in elderly women: A 6-month randomized, double-blind, placebo-controlled study. Agro Food Industry Hi Tech, v. 25, p. 19-23, 2014.

KUMAR S, et al. A double-blind, placebo-controlled, randomised, clinical study on the effectiveness of collagen peptide on osteoarthritis. J Sci Food Agric. 2015 Mar 15;95(4):702-7.

BELLO AF & OESSE S. Collagen hydrolysate for the treatment of osteoarthritis and other joint disorders: a review of the literature. Curr Med Res Opin. 2006 Nov;22(11):2221-32.

ZDZIEBLIK D, et al. Improvement of activity-related knee joint discomfort following supplementation of specific collagen peptides. Appl Physiol Nutr Metab. 2017 Jun;42(6):588-595.