Pular para o conteúdo
Home » Osteoartrite | 4 tipos de tratamentos não medicamentosos

Osteoartrite | 4 tipos de tratamentos não medicamentosos

Dicas de tratamento para a osteoartrite.
5 minutos de leitura

Saiba aqui um pouco mais sobre a osteoartrite e como o acompanhamento multidisciplinar e tratamentos sem o uso de medicamentos irão te ajudar a diminuir as dores comuns.

Antes, veja quais são os tratamentos mais utilizados explicados pela especialista na área da saúde:

O que é osteoartrite

A osteoartrite é causada por um desequilíbrio entre a formação e a destruição das articulações e cartilagens. E para desencadear esse desequilíbrio, um conjunto de fatores podem estar envolvidos.

Como por exemplo: sobrecarga mecânica, alterações bioquímicas da cartilagem e membrana sinovial e fatores genéticos. E seu principal sintoma é a dor, que normalmente piora com esforço físico intenso e repetitivo e alivia com repouso.

Considerada uma doença crônica e de origem reumática, a Osteoartrite é a mais comum. Sua prevalência ocorre a partir dos 40 anos, porém assintomática. Entretanto, os sinais e sintomas aparecem com o avanço da idade.

E de acordo com dados populacionais, não existe diferença na incidência da doença por grupo étnicos ou por gênero.

Porém o mais importante, é que essa doença afeta diretamente a qualidade de vida e bem estar, principalmente dos idosos. Já que implica em maior vulnerabilidade e dependência por dificultar a realização de atividades cotidianas.

Veja 4 tratamentos que não envolvem a medicação que vão te ajudar muito na melhora das dores envolvendo a osteoartrite:

Exercício físico

Ainda tem quem acredite que o exercício físico é inimigo daqueles com osteoartrite. Porém, aos poucos essa ideia vai sendo desmistificada, já que o exercício é um importante tratamento.

Diferente do exercício intenso e repetitivo que pode levar a progressão da doença, existem diversos treinos específicos para trabalhar o fortalecimento das regiões desgastadas e diminuir a dor.

É fundamental procurar auxilio para saber: como, por quanto tempo e em qual intensidade deve ser feito para observar a melhora.

E por esse motivo, a equipe multidisciplinar é fundamental. Procure orientação de um profissional habilitado, como fisioterapeuta e educador físico para auxiliar nessas questões.

Pois quanto mais flexível é a musculatura ao redor das articulações, mais estáveis elas ficam. E assim diminuem o atrito entre os ossos resultando em menor sensação de dor e melhora da inflamação.

Controle de peso

Além de também ser considerado um fator de risco, o excesso de peso pode prejudicar pacientes com OA devido ao esforço que o joelho faz para a sustentação extra do peso corporal.

O controle de peso em pacientes com sobrepeso e obesidade que apresentam OA é essencial, pois além de diminuir a pressão aos joelhos, pode reduzir a dor e melhorar a capacidade funcional.

Repouso

O repouso pode ser necessário, pois descansar a articulação pode aliviar a dor. O tempo de repouso é indicado por um profissional habilitado, pois um tempo prolongado, também, pode prejudicar, levando à atrofia muscular e diminuição da mobilidade articular.    

Alimentação e suplementação

Uma alimentação balanceada contribui para o fortalecimento das articulações, a diminuição da inflamação e a melhora da saúde óssea.

Entre os nutrientes benéficos, como ômega-3, cálcio, vitamina D e magnésio, encontra-se o colágeno tipo 2, que corresponde a 95% do peso da cartilagem desidratada.

Dentre os benefícios promovidos, podemos pontuar:

  • Auxilia de forma específica para fortalecer as articulações e melhorar mobilidade.
  • Age prevenindo lesões e como manutenção e reposição das proteínas das articulações.
  • Ajuda na prevenção de lesão articular e doenças como osteoartose.
  • Eficaz para a reestruturação e manutenção da cartilagem.
  • Contribui para a produção do colágeno da estrutura óssea.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de colágeno de altíssima qualidade específico para as articulações e cartilagens?

Referências:

MESSIER, Stephen P. et al. Effects of intensive diet and exercise on knee joint loads, inflammation, and clinical outcomes among overweight and obese adults with knee osteoarthritis: the IDEA randomized clinical trial. Jama, v. 310, n. 12, p. 1263-1273, 2013.

SOUZA, Isabelle Ferreira da Silva et al. Idosos com osteoartrite de joelhos devem realizar avaliação nutricional: revisão integrativa da literaturaEinstein (São Paulo), v. 15, n. 2, p. 226-232, 2017.

https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/osteoartrite-artrose/

PORFÍRIO, Elisângela; FANARO, Gustavo Bernardes. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 1, p. 153-164, 2016.

JIANG, Jian-Xin et al. Collagen peptides improve knee osteoarthritis in elderly women: A 6-month randomized, double-blind, placebo-controlled study. Agro Food Industry Hi Tech, v. 25, p. 19-23, 2014.

KUMAR S, et al. A double-blind, placebo-controlled, randomised, clinical study on the effectiveness of collagen peptide on osteoarthritis. J Sci Food Agric. 2015 Mar 15;95(4):702-7.

BELLO AF & OESSE S. Collagen hydrolysate for the treatment of osteoarthritis and other joint disorders: a review of the literature. Curr Med Res Opin. 2006 Nov;22(11):2221-32.

ZDZIEBLIK D, et al. Improvement of activity-related knee joint discomfort following supplementation of specific collagen peptides. Appl Physiol Nutr Metab. 2017 Jun;42(6):588-595.

Avalie este post
Priscila Gontijo Correa

Nutricionista e Mestre em Ciências pela UNIFESP.

Experiência acadêmica em pesquisa científica. Atua como professora convidada em cursos de graduação e pós graduação na área da saúde.

Profissional com sólida formação em pesquisa e inovação. Atua na interseção entre o desenvolvimento de produtos com base em ciências e inovação para a saúde, e o marketing de conteúdo.

2 comentários em “Osteoartrite | 4 tipos de tratamentos não medicamentosos”

  1. Lenita França do Amaral

    Não tinha nada. Depois da vacina, do Butantã, Corona V. Fui acometida, em Abril por paralização membros inferiores mês seguinte, membros superiores, mãos não fechavam e muitas pontadas. Não dormia, nas madrugadas bolsa de gelo nas mãos.
    Sem força nas mãos. Estamos em outubro. As mãos não fecham. Tomo Artrogen Duo. Renato indicou dou as fórmulas manufaturados que chegará quinta 21/10. Espero em Deus melhorar. Nasc 03/04/41. Nunca tive nada. Obrigada!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.