Você sabia que a artrose, a artrite, a pratica constante de exercícios físicos e a obesidade possuem algo em comum? Todos são fatores que podem causar o desgaste das cartilagens e dores nas articulações. É nessa hora que entra o colágeno tipo 2, uma proteína que trata e previne a destruição das cartilagens e articulações. 

Confira neste material tudo o que você precisa saber sobre o colágeno tipo 2 e seus benefícios.

 

O que é Colágeno tipo 2 e para que serve?

O colágeno tipo 2 é uma proteína produzida pelos condrócitos (células do tecido cartilaginoso), presente na matriz extracelular que compõe mais da metade da cartilagem hialina — estrutura que reveste os ossos nos locais de impacto — permitindo a correta execução dos movimentos articulares.

Dos colágenos existentes na cartilagem, o do tipo 2 é o mais abundante. Para você ter uma ideia do quanto ele representa, basta analisar os dados sobre o peso de uma cartilagem desidratada, em que o colágeno tipo 2 corresponde a 95% do peso total, e os 5% restantes correspondem aos colágenos dos tipos 6, 9, 10 e 11.

principal função do colágeno tipo 2 é fornecer a estrutura das cartilagens, permitir os movimentos articulares e evitar o contato direto entre os ossos.

Com o passar dos anos, nosso corpo perde naturalmente o ritmo da produção do colágeno, e a herança genética e fatores ambientais como: a pratica intensa e frequente de atividade física de alto impacto e doenças como a obesidade, contribuem para a redução do colágeno tipo 2 presente nas articulações, desencadeando um quadro inflamatório bem conhecido por quem sofre com isso, definido como artrose.

 

Quais são os benefícios do colágeno tipo 2?

Os principais benefícios do colágeno tipo 2 são prevenir e tratar o desgaste das articulações — que leva a artrose — de atletas, pessoas que praticam esportes em geral (sobretudo esportes de impacto ou com carga) e também para as pessoas obesas, cujo peso afeta pressiona as articulações, sobretudo as do joelho.

Um estudo (1) comprovou que a ingerir 10g de peptídeos bioativos de colágeno ao dia por três meses, alivia as dores articulares. Já com um ano de suplementação, é possível regenerar a cartilagem em cerca de 82%.

O colágeno ainda atua na reposição do colágeno na própria estrutura óssea, além de aprimorar os movimentos articulares e a saúde das articulações e cartilagens.

 

Colágeno tipo 2 e desconfortos osteoarticulares

Artrose, osteoartrose, osteoartrite e doença articular degenerativa são todos nomes usados para uma mesma doença reumatológica que afeta, principalmente, pessoas que estão na faixa dos 40 anos ou mais.

A artrose ataca as articulações causando o desgaste da cartilagem que envolve as extremidades dos ossos, e ainda acomete outros elementos articulares. Para facilitar seu entendimento e memorização listamos as áreas atingidas pela artrose:

  • ossos;
  • ligamentos;
  • membrana sinovial;
  • liquido sinovial (de aspecto translúcido e viscoso, situado nas cavidades articulares).

Embora possa danificar qualquer articulação do corpo, a artrose costuma afetar com mais frequência as articulações da coluna, das mãos, dos joelhos e dos quadris.

O desgaste causado pela doença é muito prejudicial, pois a cartilagem tem como função evitar o atrito entre duas extremidades ósseas durante a realização de um movimento articular. Quando a cartilagem está comprometida a pessoa sente dor, inchaço e limitação dos movimentos.

Conforme a cartilagem se deteriora, os movimentos ficam limitados e o indivíduo pode passar a sentir dor e muito desconforto

Diferentes estudos epidemiológicos (2, 3, 4) mostram que a doença é mais prevalente na população adulta com mais de 50 anos do que em pessoas mais jovens. Ainda que se trate de um quadro influenciado por diferentes fatores, parece consenso assumir que a soma de múltiplos fatores de risco ao longo dos anos aumenta gradativamente o as chances de desenvolvimento da artrose. Vamos a eles?

 

Colágeno tipo 2 na artrite ou artrose

O colágeno, especialmente o do tipo 2, vem sendo utilizado para o tratamento da artrose. Isso porque, ele é fundamental para a manutenção de alguns tecidos, incluindo as cartilagens presentes nas articulações.

Uma revisão da literatura (5) sobre o uso do colágeno hidrolisado (misturas de peptídeos de colágeno considerados como nutracêuticos) para tratar a osteoartrite e outros distúrbios articulares, apontou que os peptídeos bioativos de colágeno tipo 2 quando ingeridos por via oral, são absorvidos rapidamente pelo intestino e se acumulam na cartilagem.

A partir daí foi observado um significativo aumento da síntese dos componentes da matriz extracelular. Os achados sugerem mecanismos que podem ajudar pacientes afetados por distúrbios articulares, como a osteoartrite/artrose (OA).

Confira a seguir, algumas evidências sobre a eficácia do colágeno para o tratamento da artrose:

Estudos in vitro (em células)

O estudo “Benefícios da ingestão de colágeno para o organismo”(6) avaliou pesquisas in vitro (realizadas em cultura celular) que demonstraram possíveis benefícios do colágeno para o corpo humano.

Foi constatado que células tratadas com amostras de colágeno hidrolisado e super hidrolisado induzem aumentos importantes na produção de colágeno em uma cultura após 48 horas do estímulo sem efeitos citotóxicos.

Estudos in vivo (em animais)

Um resultado bastante promissor sobre o consumo de colágeno tipo 2 foi visto em um estudo (7) com cães com artrose no quadril, em que a suplementação aumentou a produção do ácido hialurônico sérico, substância também presente no tecido cartilaginoso. Isso mostrou que a suplementação com colágeno tipo 2 não apenas melhora a produção de colágeno como também de outros componentes presentes na estrutura da cartilagem.  

Os 10 cães incluídos no experimento apresentaram melhoras no movimento da articulação acometida pela artrose, bem como aumento considerável da força muscular após o aumento dos níveis de colágeno tipo 2.

Outra pesquisa (8) feita em diferentes modelos animais demonstrou os efeitos da glicina (um componente do colágeno) na inflamação da artrose. Os resultados foram verificados principalmente na redução da dor da artrose de joelho e quadril.

Em conjunto, esses estudos apontam o consumo do colágeno tipo 2 como benéfico para as articulações, sugerindo eficácia no tratamento da artrose.

Estudos clínicos (em humanos)

Colágeno tipo 2 x Glicosamina + Condroitina

Várias são as ações do colágeno na artrose, podendo ser até mais eficiente do que alguns tipos de medicamentos. Testes preliminares demonstraram a segurança e eficácia em comparação com a combinação de condroitina e glicosamina para tratar a osteoartrose dos joelhos. Os resultados indicaram que o colágeno foi mais eficiente que o uso dos dois ativos juntos (9) .

Efeito analgésico

Estudos recentes (10) mostram que o colágeno tipo 2 enzimaticamente hidrolisado (peptídeo bioativo de colágeno tipo 2) é absorvido e distribuído aos tecidos articulares e tem propriedades analgésicas e anti-inflamatórias.

O estudo demonstrou que os peptídeos bioativos de colágeno tipo 2 são potenciais agentes terapêuticos como suplementos nutricionais para o manejo da osteoartrose e manutenção da saúde articular.

Colágeno para articulação do joelho

Esse estudo (11) mostra melhora no desconforto da articulação do joelho em praticantes de atividade física após 12 semanas de suplementação diária com 5 g com peptídeos bioativos de colágeno específico.

Colágeno para dor articular      

Uma pesquisa (12) avaliou a eficácia e a segurança de um suplemento alimentar feito com colágeno hidrolisado por 6 meses em indivíduos com dor articular nos membros inferiores ou superiores ou na coluna lombar. Os resultados demonstraram uma melhora de pelo menos 20% da resposta clínica dos pacientes.

Outro estudo (13) demonstrou que a ingestão do colágeno tipo 2, trouxe conforto na articulação do joelho. Pessoas com maior deterioração articular, e com menor consumo de proteína de carne em suas dietas habituais, se beneficiaram mais da suplementação.

Essa pesquisa (10) concordou que os peptídeos bioativos de colágeno são potenciais agentes terapêuticos como suplementos nutricionais tanto na manutenção da saúde articular quanto no tratamento da osteoartrite.

 

Peptídeos bioativos de colágeno tipo 2: para que servem

Mas a boa notícia é que se você sofre de dores nas articulações, a suplementação com colágeno tipo 2 pode te ajudar. Estudos (10) comprovam que a suplementação com peptídeos bioativos de colágeno tipo 2 é melhor absorvido e distribuído para os tecidos articulares, auxiliando no tratamento da osteoartrite.

O assunto te interessa? Então entenda o que são esses peptídeos bioativos.

O colágeno tipo 2 já se mostrou eficaz no tratamento da artrite. Sua ação foi comprovada em um estudo (15) que revelou que a substância atua tanto no tratamento da artrite quanto na manutenção da saúde articular.

Os peptídeos de colágeno tipo 1 estimulam o metabolismo dos músculos. Já os peptídeos de colágeno tipo 2 foram tratam e previnem o desgaste das articulações, tanto em esportistas quanto em quem está muito acima do peso e, com isso, sobrecarregam as articulações.

Segundo uma pesquisa (13) os peptídeos de colágeno tipo 2 trazem conforto na articulação do joelho. Outro estudo (10) apontou que eles são agentes na manutenção da saúde articular e no tratamento da artrite.

 

Qual a origem dos peptídeos de colágeno?

Os peptídeos de colágeno são originados do colágeno tipo 1 (colágeno nativo). Eles são obtidos a partir de uma reação química chamada hidrólise enzimática (quando a quebra da proteína é feita pela água com ajuda de uma enzima).

A partir dessa reação, eles se transformam de cadeia complexa de proteína para cadeias menores, de aminoácidos.

 

É preciso suplementar colágeno tipo 2 com glucosamina?

Não. Algumas pesquisas já analisaram o efeito da suplementação de colágeno tipo 2 sozinho e em conjunto com glucosamina e condroitina. 

Esse estudo (14), por exemplo, avaliou a segurança e a eficiência do colágeno tipo 2 sozinho e em combinação com glucosamina e condroitina em cães artríticos. Os resultados foram animadores: o tratamento diário com o colágeno sozinho ou em combinação com as duas substâncias aliviou a dor da artrite nos animais.

 

O Colágeno tipo 2 engorda?

Sendo o colágeno uma proteína e devido à porção diária recomendada por nutricionistas ser de 10 g, ele não engorda. Entretanto, produtos adicionados à preparação, como a maltodextrina e outros açúcares, são calorias vazias atribuídas ao suplemento.

O colágeno só engordaria (como qualquer alimento ou suplemento) se seu consumo fosse excessivo, o que não acontece quando forem usadas as doses tradicionais.

 

Colágeno tipo 2 ou UC-2

O colágeno UC-2 (proteína não desnaturada do tipo 2) é o colágeno tipo 2 não desnaturado. Ele age em conjunto com o sistema imunológico, mantendo as articulações saudáveis e, assim, garantindo maior mobilidade e flexibilidade (conforto) à articulação.

Sua ação no tratamento da artrose é enviar mensagens às articulações limpando os tecidos articulares que estiverem desgastados. A partir daí, uma nova cartilagem será formada.

 

Colágeno tipo 2, 40 mg é bom para quê?

O uso de colágeno do tipo 2 na dosagem de 40 mg em praticantes de atividades físicas extenuantes é capaz de melhorar as articulações, sobretudo as do joelho — foi o que revelou um estudo (15).

 

Colágeno tipo 2: bula

Por se tratar de um suplemento proteico e não de um princípio ativo, ou seja, alimento e não remédio, não existe bula para o consumo dos peptídeos bioativos de colágeno tipo 2.

Mas se fosse obrigatório ter, a bula do suplemento de colágeno tipo 2 deveria especificar a composição composição é de peptídeos bioativos de colágeno tipo II ou de colágeno UC-II (proteína não desnaturada do tipo II). Essa informação é importante, pois cada um deles age no organismo de uma maneira, como visto anteriormente.

Além disso, na bula do colágeno tipo 2, atente para a ordem que as substâncias presentes na composição aparecem. Isso porque ela é sempre feita de maneira decrescente. Ou seja, os nomes dos compostos que são mostrados em primeiro lugar são os que aparecem em maior quantidade nos produtos.

Então, se os “peptídeos bioativos de colágeno tipo 2”, “colágeno tipo 2” ou “colágeno hidrolisado tipo 2” aparecerem na primeira posição no rótulo, significa que eles são os compostos predominantes. 

Cabe ressaltar, que os suplementos à base de colágeno tipo 2 são de origem animal (boi, frango e porco), por isso, não são indicados para pessoas veganas.

 

Referências

1- McALIDON T.E. et al. Change in knee osteoarthritis cartilage detected by delayed gadolinium enhanced magnetic resonance imaging following treatment with collagen hydrolysate: a pilot randomized controlled trial. Osteoarthritis and Cartilage 19 (2011) 399 – 405. Disponível em <https://www.oarsijournal.com/article/S1063-4584(11)00014-8/pdf> Acesso em 4 Fev. 2019.

2- SEOANE-MATO D et al, [Epub ahead of print]. Prevalence of rheumatic diseases in adult population in Spain (EPISER 2016 study): Aims and methodology. Reumatol Clin. 2017 Jul 31. Disponível em <http://www.reumatologiaclinica.org/es-linkresolver-prevalencia-enfermedades-reumaticas-poblacion-adulta-S1699258X17301687> Acesso em 4 Fev. 2019.

3- PLOTNIKOFF R, et al. Osteoarthritis prevalence and modifiable factors: a population study. BMC Public Health. 2015;15:1195. Published 2015 Nov 30. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4666016/> Acesso em 4 Fev. 2019.

4- POSTLER A, et al. Prevalence and treatment of hip and knee osteoarthritis in people aged 60 years or older in Germany: an analysis based on health insurance claims data. Clin Interv Aging. 2018;13:2339-2349. Published 2018 Nov 14. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6241868/> Acesso em 4 Fev. 2019.

5 – BELLO AE & OESSER S. Collagen hydrolysate for the treatment of osteoarthritis and other joint disorders: a review of the literature. Curr Med Res Opin. 2006 Nov;22(11):2221-32. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17076983>. Acesso em 4 Fev. 2019.

6- GONÇALVES GR, et al. Benefícios da ingestão de colágeno para o organismo. REB Volume 8 (2): 190-207, 2015. Disponível em <https://revistas.pucsp.br/index.php/reb/article/view/18568>. Acesso em 4 Fev. 2019. 

7- VILAR JM, et al.  Serum Collagen Type II Cleavage Epitope and Serum Hyaluronic Acid as Biomarkers for Treatment Monitoring of Dogs with Hip Osteoarthritis. PLoS One. 2016 Feb 17;11(2):e0149472. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26886592>. Acesso em 4 Fev. 2019.

8- PORFÍRIO E. & FANARO GB. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2016; 19(1):153-164. Disponível em  <http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v19n1/pt_1809-9823-rbgg-19-01-00153.pdf> Acesso em 28 Jan. 2019.

9- CROWLEY DC et al. Safety and efficacy of undenatured type II collagen in the treatment of osteoarthritis of the knee: a clinical trial.  Int J Med Sci. 2009 Oct 9;6(6):312-21. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19847319> Acesso em 28 Jan. 2019.

10- KUMAR S et al.  A double-blind, placebo-controlled, randomised, clinical study on the effectiveness of collagen peptide on osteoarthritis. J Sci Food Agric. 2015 Mar 15;95(4):702-7. Epub 2014 Jun 24. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24852756> Acesso em 28 Jan. 2019.

11- ZDZIEBLIK D et al, 2017. Improvement of activity-related knee joint discomfort following supplementation of specific collagen peptides. Appl Physiol Nutr Metab. 2017 Jun;42(6):588-595. Epub 2017 Jan 24. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28177710> Acesso em 28 Jan. 2019.

12- BRUYÈRE O et al.  Effect of collagen hydrolysate in articular pain: a 6-month randomized, double-blind, placebo controlled study. Complement Ther Med. 2012 Jun;20(3):124-30. Epub 2012 Jan 20. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22500661> Acesso em 28 Jan. 2019.

13- BENITO-RUIZ P et al. A randomized controlled trial on the efficacy and safety of a food ingredient, collagen hydrolysate, for improving joint comfort. Int J Food Sci Nutr. 2009;60 Suppl 2:99-113. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19212858> Acesso em 28 Jan. 2019.

14– D’ALTILIO M, et al. Therapeutic Efficacy and Safety of Undenatured Type II Collagen Singly or in Combination with Glucosamine and Chondroitin in Arthritic Dogs.Toxicol Mech Methods. 2007;17(4):189-96. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20020968> Acesso em 4 Fev. 2019.

15- LUGO JP et al. Undenatured type II collagen (UC-II®) for joint support: a randomized, double-blind, placebo-controlled study in healthy volunteers. J Int Soc Sports Nutr. 2013 Oct 24;10(1):48. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24153020>. Acesso em 4 Fev. 2019.