Suplemento ou creme para firmar a pele?| Descubra aqui

| | ,

Cuidar da pele é uma preocupação de grande parte da população, principalmente das mulheres. Sabendo disso, a indústria da beleza está sempre se atualizando em busca de inovações para retardar o envelhecimento da pele.

Atualmente encontramos vários nutricosméticos, que são “produtos para a ingestão oral, formulados e comercializados especificamente para propósitos de beleza”.

Mas além dos nutricosméticos, também existem  produtos que não são de consumo oral, como os cremes do ramo estético para cuidar da pele. Contudo existe uma grande divergência entre os profissionais da saúde na indicação de tratamentos estéticos.

A maioria concorda que para ter os melhores resultados, o ideal é tomar os nutricosméticos para o tratamento e prevenção do envelhecimento da pele. Enquanto os cremes são recomendados como um reforço na prevenção do envelhecimento da pele. Porém não costumam ser opções baratas, e o uso precisa ser contínuo. 

Dessa forma, usar os dois tratamentos juntos, nem sempre é uma opção viável para muitas pessoas.

Entenda, a seguir, quais são os principais nutrientes com benefícios para a pele, além de qual é a opção mais eficiente entre o uso de suplementos ou cremes de acordo com os especialistas.

QUAIS SÃO OS NUTRIENTES QUE AJUDAM A FIRMAR A PELE?

Para poder afirmar que determinado nutriente promove benefícios para a pele, é necessário que várias pesquisas sejam realizadas com esse nutriente.

Seguindo o critério de comprovação científica, os dermatologistas, nutricionistas e esteticistas recomendam principalmente dois nutrientes: os peptídeos bioativos de colágeno tipo 1 e a vitamina C.

PEPTÍDEOS BIOATIVOS DE COLÁGENO TIPO 1 PARA FIRMAR A PELE

O colágeno é a proteína mais abundante na região da pele, cabelos e unhas. Com o envelhecimento, o organismo naturalmente perde colágeno nessas regiões.

Antigamente, pesquisadores acreditavam que bastava consumir um suplemento de “colágeno hidrolisado” para ajudar a reduzir e prevenir os sinais de envelhecimento adquiridos com o passar da idade.

Com o avanço das pesquisas foi visto que o consumo do colágeno hidrolisado não produzia benefícios específicos para a pele, sendo apenas mais uma fonte de proteína.

Foi a partir de então que os cientistas desenvolveram os peptídeos bioativos de colágeno tipo 1, que moléculas menores que às proteínas de colágeno hidrolisado. Por serem menores, eles conseguem atuar diretamente em três regiões do corpo: pele, cabelos e unhas.

Quando o produto se tornou seguro para ser testado em humanos, os resultados foram animadores. Pois foram vistos muitos benefícios para a pele após 8 semanas de suplementação com dosagens entre 2,5 g até 5 g por dia do suplemento de peptídeos bioativos de colágeno tipo 1.

Os benefícios notados foram:

  1. Melhora das linhas de expressão facial
  2. Diminuição de rugas
  3. Pele mais firme
  4. Melhora da celulite
  5. Fortalecimento e diminuição da quebra das unhas e dos cabelos.

Diante disso, é possível afirmar que a forma mais eficiente para usar o colágeno é tomando, via oral, através da suplementação.

VITAMINA C

O segundo nutriente mais recomendado para a pele é a vitamina C, que também é diretamente relacionada com a produção de colágeno no organismo e com potente efeito antioxidante.

A vitamina C possui uma participação importante na produção do colágeno no corpo. Pois ela atua como um ingrediente  para as enzimas lisil e a prolil hidroxilases desempenharem uma série de processos em nosso corpo que levam a formação das fibras colágenas, especialmente na região da pele.

Apesar da vitamina C ser amplamente reconhecida com ação contra os sintomas e duração de resfriados, é o segundo suplemento mais recomendado para a pele. Mas mesmo assim para a vitamina C as divergências entre as recomendações dos especialistas também são comuns.

Pois existe quem defenda o consumo via oral e também quem defenda o seu uso em creme. Por exemplo, os especialistas afirmam que o consumo via oral de vitamina C a partir de 1 g ajuda no efeito rejuvenescedor da pele.

Além disso, outra recomendação é a combinação da vitamina C com a vitamina E. Pois essa combinação consegue potencializar o efeito antioxidante das duas vitaminas.

Enquanto a sua utilização em creme apesar de ser muito utilizada, por também trazer benefícios na ação rejuvenescedora da pele, possui algumas limitações. Isso porque quando a vitamina C é utilizada em cremes ou loções ela vai perdendo a sua concentração de vitamina C rapidamente.

Pois o contato com a luz, ar e também alterações na temperatura fazem com que a quantidade de vitamina C presente naquele creme ou locação vá diminuindo naturalmente.

2 DICAS PARA ESCOLHER A MELHOR VITAMINA C PARA A PELE

Nossa primeira dica para ter o melhor creme de vitamina C para a pele é procurar por um creme vitamina C na versão líquida e com pH ácido (procure por um pH menor que 7). Pois dessa forma a vitamina C fica estável e irá manter a sua concentração por todo o período da validade do produto. 

A única restrição no caso da vitamina C líquida é que dessa forma não é possível adicionar outras vitaminas antioxidantes.

Então pensando que você prefira utilizar o creme nossa segunda dica para aumentar o efeito rejuvenescedor da vitamina C líquida é combinar seu consumo com a suplementação da vitamina C e também outras vitaminas antioxidantes como a vitamina E e A. 

Mas lembre-se, além da questão do creme de vitamina C perder suas propriedades mais rapidamente, o creme não consegue penetrar em todas as camadas da pele devido a características diferentes entre as camadas da pele e a vitamina. 

Portanto, para efeitos mais consistentes aposte no suplemento de vitamina C e uma alimentação mais equilibrada.

O QUE É MELHOR: SUPLEMENTO OU CREME?

Escolher entre usar um suplemento ou um creme depende de vários fatores. Mulheres mais jovens com até 25 anos, por exemplo,  conseguem cuidar da pele apenas com o uso de cremes.

Mas após os 25 anos, o suplemento de colágeno é mais recomendado, porque neste momento, nosso corpo começa a diminuir a produção da proteína e os sinais das linhas de expressão começam a aparecer.

Pensando na pele, o recomendado sempre será o uso de suplementação ao invés de creme, isso tanto para o colágeno quanto para a vitamina C. Pois é a única forma desses nutrientes circularem por todo organismo e agirem nas regiões mais danificadas, além de conseguir penetrar em todas as camadas da pele.

Enquanto o creme, principalmente no caso da vitamina C, consegue atuar apenas nas camadas mais superficiais da pele além de serem menos estáveis, perdendo suas concentrações de vitamina C rapidamente.

Mas após essa leitura podemos afirmar que não existe uma escolha errada. Mas vale a dica de que se puder usar  o creme e o suplemento, melhor. Porém se tiver que escolher, opter pela suplementação dos peptídeos bioativos de colágeno tipo 1 e também da vitamina C. 

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar o melhor colágeno para a pele?

Referências:

PULLAR, Juliet; CARR, Anitra; VISSERS, Margreet. The roles of vitamin C in skin health. Nutrients, v. 9, n. 8, p. 866, 2017.

PROKSCH, E. et al. Oral supplementation of specific collagen peptides has beneficial effects on human skin physiology: a double-blind, placebo-controlled study. Skin pharmacology and physiology, v. 27, n. 1, p. 47-55, 2014.

SARTORI, Lucas Rossi; LOPES, Norberto Peporine; GUARATINI, Thais. A química no cuidado da pele. Coleção Química no Cotidiano, v. 5, 2010.

PROKSCH, E. et al. Oral intake of specific bioactive collagen peptides reduces skin wrinkles and increases dermal matrix synthesis. Skin pharmacology and physiology, v. 27, n. 3, p. 113-119, 2014.

EFSA PANEL ON DIETETIC PRODUCTS, NUTRITION AND ALLERGIES (NDA). Scientific Opinion on the substantiation of a health claim related to VeriSol® P and a change in skin elasticity leading to an improvement in skin function pursuant to Article 13 (5) of Regulation (EC) No 1924/2006. EFSA Journal, v. 11, n. 6, p. 3257, 2013.

TESTON, ANA PAULA; NARDINO, DEISE; PIVATO, LEANDRO. Envelhecimento cutâneo: teoria dos radicais livres e tratamentos visando a prevenção e o rejuvenescimento. Revista Uningá, v. 24, n. 1, 2010.

 
Anterior

Alimentos permitidos no clareamento dental|Dra. Caroline Iwata

Diferentes nomes encontrados para o colágeno tipo 2

Próximo

Deixe um comentário