Pular para o conteúdo
Home » Todos os posts » Câimbra na gravidez: principais causas e como tratar

Câimbra na gravidez: principais causas e como tratar

Câimbra na gravidez. Mulher grávida massageando a perna.
8 minutos de leitura

A câimbra é uma contração involuntária dos músculos, de forma intensa e dolorosa. Durante a gravidez, principalmente ao longo do terceiro semestre, cerca de 30% das gestantes sofrem de episódios recorrentes de câimbras nas pernas, afetando o pé, panturrilha ou ambos.

A manifestação de câimbra na gravidez pode ocorrer em qualquer momento do dia, mas é comum o surgimento dos sintomas à noite, quando a mulher está dormindo. Devido a este motivo, os episódios de câimbra estão relacionados com os distúrbios do sono na gravidez.

Os sintomas de câimbra duram alguns segundos na maioria das vezes. Em casos mais graves, podem persistir durante períodos mais longos. E as mulheres que sofrem com essa condição relatam episódios com recorrência de 2 a 3 vezes na semana.

As câimbras na gravidez afetam muito a qualidade de vida das futuras mães. A interrupção do sono pelos sintomas está relacionada com quadros de insônia e redução do número total de horas de sono por noite. Quando ocorrem durante o dia, as câimbras afetam as atividades diárias, limitando os exercícios que a mulher pode fazer.

8 principais causas de câimbra na gravidez

A câimbra na gravidez é um sintoma secundário a outras doenças e condições. Entenda os oito principais fatores que podem desencadear os episódios de câimbra. 

1. Sedentarismo

A câimbra se inicia com uma ativação muscular excessiva e desordenada. O sedentarismo faz com que os músculos fiquem mais fracos, e mais susceptíveis que episódios de câimbra ocorram.

Além do estilo de vida sedentário, situações em que a mãe precisa ficar sentada por longas horas, como trabalho de escritório agrava o quadro. Nessa condição, as câimbras podem ficar mais recorrentes.

2. Atividade física em excesso

Da mesma forma que o sedentarismo, a atividade física excessiva, sem o devido preparo físico ou auxílio de um profissional capacitado, também aumenta as chances de um estímulo muscular excessivo e desordenado, ocorrendo as câimbras.

A recomendação de atividade física para gestantes é começar uma rotina de exercícios leves, caso a mãe não esteja habituada. No caso de mulheres que já se exercitam, para práticas mais intensas durante a gravidez, é recomendado o acompanhamento de um profissional de educação física.

3. Deficiência de minerais

Os estímulos nervosos que controlam as contrações musculares  dependem de um adequado balanço de alguns minerais, o que chamamos de balanço hidroeletrolítico. 

A deficiência desses minerais, principalmente magnésio, cálcio e sódio, está diretamente relacionada à falta de coordenação nos estímulos, resultando nas câimbras na gravidez.

4. Desidratação

Quando falamos do balanço hidroeletrolítico, estamos nos referindo ao balanço de água e eletrólitos (minerais) do nosso corpo. A ingestão de baixos níveis de água ao longo do dia ou a exposição a situações de perda severa de água sem a adequada reposição (exercício físico intenso e ambientes muito quentes) podem levar a desidratação.

Nessa condição o balanço de minerais do nosso corpo também fica comprometido e o controle dos sinais enviados para a contração muscular não ocorre de forma adequada, desencadeando a câimbra.

5. Tireóide

Doenças da tireóide afetam o balanço de minerais do nosso corpo. O hipotireoidismo pode diminuir os níveis de sódio do nosso corpo, enquanto o hipertireoidismo leva a redução dos níveis de potássio.

Esses problemas na tireóide que ocasionam desbalanços hidroeletrolíticos são um dos fatores que causam os episódios de câimbra na gravidez.

6. Doença renal

Os rins auxiliam no controle dos minerais do nosso corpo, mantendo o equilíbrio através da sua reabsorção ou excreção. Danos ao órgão que alterem sua função, consequentemente também afetam sua capacidade de garantir o adequado equilíbrio hidroeletrolítico.

Esse dano pode ser genético, como consequência da diabetes ou ingestão excessiva de medicamentos que danificam o órgão, como antibióticos e anti-inflamatórios não-esteroidais.

7. Alteração na anatomia dos pés

O ganho de peso excessivo na gestação pode alterar a anatomia dos pés. O pé plano ou pé chato é um dano estrutural com redução ou ausência do arco na sola dos pés. 

Existem faixas adequadas de ganho de peso durante a gravidez, dispostas na tabela abaixo. Essa condição leva a sintomas como dores nos pés e pernas, além de sobrecarga muscular com consequentes episódios de câimbra. 

IMC NO INÍCIO DA GESTAÇÃOkg/m²GANHO DE PESO NA GESTAÇÃO (kg)
Baixo Peso<18,512,5-18,0
Peso normal18,5-24,911,5-16,0
Sobrepeso25,0-29,97,0-11,5
Obesidade>305,0-9,0
Fonte: Institute of Medicine (IOM), 2009.

8. Problemas de circulação

A circulação adequada de sangue pelo nosso corpo pode estar comprometida pelo sedentarismo ou problemas relacionados ao coração. No caso da inatividade física, longos períodos em uma mesma posição, principalmente sentados, atrapalham a circulação de sangue e pioram os quadro de câimbra na gravidez.

Já no caso de doenças cardiovasculares, que acometem o coração ou as artérias e veias que transportam nosso sangue, as causas podem ser diversas. Porém, entre seus sintomas estão os episódios de câimbra.

Como tratar e prevenir a câimbra na gravidez?

Como a câimbra na gravidez é um sintoma secundário a outras doenças e condições, para que o problema se resolva a condição de base deve ser tratada. No entanto, existem formas de aliviar e prevenir os episódios de câimbra.

1. Suplementação de magnésio

A suplementação com magnésio é um dos tratamentos seguros e eficazes para as câimbras na gravidez. Quando esse mineral está baixo em nosso organismo,  a atividade dos neurônios aumenta, gerando mais impulsos de contração muscular desordenados que levam aos sintomas.

Dessa forma a reposição de magnésio controla a atividade dos neurônios e suprime os episódios de câimbras. A recomendação é de 350 mg de magnésio por dia. Também existem outras vitaminas para grávidas importantes durante o período da gestação que precisam ser monitoradas e, em alguns casos, suplementadas.

2. Níveis adequados de cálcio na alimentação

O cálcio é outro mineral relacionado com a câimbra na gravidez quando seus níveis em nosso organismo estão baixos. No entanto, como esse mineral é muito comum em nossa alimentação, a suplementação não é recomendada. O indicado é fazer uma adequação da dieta na gravidez.

Inclua alimentos ricos em cálcio no seu dia-a-dia. As principais opções são leite e seus derivados e vegetais verde escuro (ex: couve, agrião, brócolis, rúcula e espinafre).

3. Ingestão adequada de água

O ideal é consumir cerca de 0,35 mL de água por kg de peso corporal. Isso gira em torno de 2,5 a 3 L de água por dia para a maioria das pessoas. A dica de sempre ter uma garrafa ou copo com água por perto evita que a pessoa esqueça de beber água por longos períodos.

Uma forma fácil de acompanhar o seu nível de hidratação é através da coloração da urina. Quanto mais clara, mais hidratado você está. Uma urina escura e com cheiros fortes são sinais de ingestão de água inadequada.

4. Alongamento antes de dormir

As câimbras são um sintoma oriunda da contração muscular. Portanto, alongamentos, massagens e terapias de calor, que auxiliam no relaxamento muscular e promovem melhor fluxo de sangue para o local, aliviam e previnem os episódios de câimbra.

Como a câimbra na gravidez ocorre frequentemente durante o sono, é interessante realizar essas atividades antes de dormir. Alongamento da panturrilha e dorsiflexão (movimentos giratórios) dos pés são práticas fáceis e rápidas que promovem grande alívio.

A gestação é um período delicado, onde o corpo da mãe passa por várias transformações. Manter um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, prática regular de atividade física e suplementação de vitaminas necessárias, auxilia a passar pelo período de forma mais tranquila, com benefícios para a saúde da mãe e do bebê. Além de evitar possíveis complicações, como o surgimento de câimbras na gravidez.

Quer saber mais?

Referências:

Hensley JG. Leg cramps and restless legs syndrome during pregnancy. J Midwifery Womens Health. 2009 May-Jun;54(3):211-8. Disponível em: 10.1016/j.jmwh.2009.01.003.

Zhou K, West HM, Zhang J, Xu L, Li W. Interventions for leg cramps in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. 2015 Aug 11;(8):CD010655. Disponível em: 10.1002/14651858.CD010655.pub2. 

National Health Service. Common health problems in pregnancy. NHS UK. Londres, 8 de março de 2021. Disponível em: https://www.nhs.uk/pregnancy/related-conditions/common-symptoms/common-health-problems/.

Mary Marnach. What causes leg cramps during pregnancy, and can they be prevented? Mayo Clinic. Minnesota, 23 de abril de 2021. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/pregnancy-week-by-week/expert-answers/leg-cramps-during-pregnancy/faq-20057766

5/5 - (3 voto(s))

Nutricionista pela Universidade de São Paulo (USP).

Experiência acadêmica em pesquisa científica, trabalhando com projeto sobre tratamento de epilepsia com dieta cetogênica. Atuação em educação alimentar, desenvolvendo curso de capacitação para professores da rede pública sobre nutrição.

Trabalha com marketing de conteúdo, com foco na divulgação de informação de qualidade baseada em ciência sobre alimentação e suplementação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.