Pular para o conteúdo
Home » Todos os posts » Coenzima Q10 para enxaqueca é bom ou mito? Descubra agora!

Coenzima Q10 para enxaqueca é bom ou mito? Descubra agora!

mulher com as mãos na cabeça indicando dor de cabeça | alimentos que causam enxaqueca
7 minutos de leitura

A enxaqueca é uma doença crônica caracterizada por episódios de dores de cabeça intensas, muitas vezes acompanhadas por sensibilidade a aroma, som e luz, náuseas e vômitos.

Ela afeta especialmente as mulheres, cujas causas ainda não foram totalmente esclarecidas.

No entanto, acredita-se que estejam relacionadas a fatores genéticos, hormonais e ambientais.

Além disso, um dos aspectos associados a essa condição é a deficiência de coenzima Q10 (CoQ10), que exerce uma função importante na produção de energia celular e possui propriedades antioxidantes.

Mas, será que a suplementação de coenzima Q10 para enxaqueca realmente funciona?

Vamos analisar o que mostram os estudos científicos para descobrir! Continue lendo e confira!

A coenzima Q10 para enxaqueca funciona ou não?

A coenzima Q10 é uma substância natural presente em todas as células do nosso corpo, com papel fundamental na produção de energia.

Além disso, ela possui potente ação antioxidante, combatendo os radicais livres e protegendo as células contra danos.

Dessa forma, a coenzima Q10 ajuda a reduzir processos inflamatórios, que estão relacionados às crises de enxaqueca.

Por essa razão, diversos estudos têm investigado a eficácia da CoQ10 no tratamento da enxaqueca, os quais têm demonstrado resultados promissores.

Assim, pesquisas recentes sugerem que a suplementação de CoQ10 pode reduzir significativamente a frequência, intensidade e duração das crises tanto em adultos quanto em crianças e adolescentes.

Com isso, acredita-se que a suplementação com coenzima Q10 para enxaqueca possa fornecer os seguintes benefícios:

coenzima-q10-120mg

Melhorar a função mitocondrial

Por melhorar a função mitocondrial, a CoQ10 protege as células do estresse oxidativo e neutraliza os radicais livres gerados no processo de produção de energia. O que, consequentemente, previne as crises de enxaqueca.

Aumentar a produção de serotonina

A serotonina é um neurotransmissor que regula o humor e a dor. Assim, a CoQ10 pode aumentar a produção de serotonina, contribuindo para a redução da dor e dos demais sintomas da enxaqueca.

Diminuir a inflamação

As propriedades anti-inflamatórias da coenzima Q10 permitem que ela combata a inflamação das células cerebrais, que é um dos principais fatores desencadeadores da enxaqueca.

O que dizem os estudos?

Uma pesquisa com 45 mulheres investigou os efeitos da ingestão diária de 400 mg de CoQ10 ao longo de três meses.

Com isso, os resultados revelaram redução na periodicidade, duração e intensidade das crises de enxaqueca.

Além disso, os resultados mostraram que a CoQ10 reduziu significativamente os níveis de TNF-α, um tipo de marcador inflamatório.

Já uma revisão de estudos publicada no PubMed concluiu que a coenzima Q10 demonstrou efeitos benéficos na redução das crises de enxaqueca em adultos, adolescentes e crianças.

Enquanto isso, uma outra pesquisa realizada com 40 pessoas com enxaqueca constatou que a ingestão diária de 300 a 600 mg de coenzima Q10, durante três meses, resultou em menor intensidade das crises.

À vista disso, esses resultados propiciam a suplementação de coenzima Q10 para enxaqueca, especialmente para pessoas que buscam alternativas naturais e eficazes.

coenzima-q10- dor-de-cabeça

Qual a dose ideal da coenzima Q10 para enxaqueca?

A dose ideal de coenzima Q10 para enxaqueca varia de 100 a 300 mg por dia, conforme evidenciado na maioria dos estudos clínicos.

Em linhas gerais, a CoQ10 pode ser consumida a qualquer momento do dia, preferencialmente junto com alimentos fontes de gordura para otimizar sua absorção.

No entanto, é importante consultar um médico ou nutricionista para determinar a dose adequada, levando em consideração as necessidades individuais de cada indivíduo.

Quem não deve utilizar coenzima Q10?

  • Pessoas com problemas de coagulação: a CoQ10 pode afetar a ação de anticoagulantes, aumentando o risco de sangramento. Então, pessoas que fazem tratamento com esses tipos de medicamentos devem suplementar coenzima Q10 apenas com orientação médica;
  • Indivíduos em uso de anti-hipertensivos e/ou antiglicemiantes: a coenzima Q10 pode interagir com esses medicamentos;
  • Gestantes, lactantes e crianças: o suplemento só deve ser utilizado por esses grupos com acompanhamento médico.

Outros suplementos que previnem crises de enxaqueca

Além da coenzima Q10, outros componentes que ajudam a reduzir as crises de enxaqueca são:

1 – Magnésio

O magnésio é necessário para o relaxamento muscular e a produção de neurotransmissores, como a serotonina.

Por isso, a deficiência deste mineral pode levar ao aumento da sensibilidade à dor e desencadear crises de enxaqueca.

2 – Vitamina D

Novas pesquisas têm revelado uma associação entre a deficiência de vitamina D e a incidência de enxaqueca.

Isso porque, a vitamina D exerce um papel importante na regulação dos processos inflamatórios e na saúde neurológica.

Sendo assim, a sua suplementação pode ser uma alternativa eficaz no tratamento da enxaqueca, especialmente em indivíduos com níveis inadequados desse nutriente.

3 – Ômega 3

O ômega 3 possui propriedades anti-inflamatórias, que podem ajudar a diminuir a intensidade das crises.

Além disso, esse nutriente está envolvido na regulação dos processos inflamatórios e na saúde cardiovascular, podendo contribuir para o controle da enxaqueca.

4 – Resveratrol

O resveratrol é um polifenol encontrado principalmente nas uvas roxas e no vinho tinto, conhecido por seus efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios.

Com isso, acredita-se que o resveratrol pode ser benéfico no tratamento da enxaqueca, reduzindo a inflamação e a excitabilidade neuronal.

5 – Melatonina

A melatonina é um hormônio naturalmente produzido pelo corpo, responsável pela regulação do ciclo sono-vigília.

Entretanto, algumas pesquisas têm demonstrado a eficácia da suplementação de melatonina na prevenção de crises de enxaqueca, com menor incidência de efeitos colaterais em comparação com outros medicamentos, como a amitriptilina.

6 – Cúrcuma

A cúrcuma, conhecida por seu potente efeito anti-inflamatório, pode ajudar no alívio das dores causadas pela enxaqueca.

Uma vez que a curcumina, seu principal componente ativo, possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

7 – Ácido alfa-lipoico

O ácido alfa-lipoico é um antioxidante que tem sido bastante estudado devido aos seus potenciais benefícios no tratamento da enxaqueca.

Além de reduzir processos inflamatórios, esse nutriente pode melhorar o metabolismo energético celular, contribuindo para o alívio da dor.

8 – Riboflavina

Também conhecida como vitamina B2, a riboflavina exerce um papel importante na produção de energia.

Além disso, estudos sugerem que a suplementação de riboflavina pode ser eficaz no controle da enxaqueca, pois ela reduz a frequência e a intensidade das crises.

Quer saber mais?

coenzima-q10-e-seus-beneficios-para-o-cerebro

Referências

DAHRI, M. et al. Suplementação oral de coenzima Q10 em pacientes com enxaqueca: Efeitos sobre características clínicas e marcadores inflamatórios. Neurociência Nutricional, v. 22, n. 9, p. 607-615, 2019.

JACOBS, M. A. P.; ACCURSIO, W. Coenzima Q10: Aplicações clínicas. BWS JOURNAL. v. 3, p. 1-7, 2020.

RAUCHOVÁ, H. Coenzyme Q10 Effects in Neurological Diseases. Physiological Research, v. 70, n. 4, p. S683-S714, 2021.VOLTA, G. D. et al. Pilot study on the use of coenzyme Q10 in a group of patients with episodic migraine without aura. The Journal of Headache and Pain, v. 16, n. 1, p. A186, 2015.

5/5 - (1 voto(s))

Nutricionista pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e pós graduada em Comportamento Alimentar pelo Instituto de Pesquisas, Ensino e Gestão em Saúde (IPGS).

Experiência acadêmica em pesquisa científica e produção de conteúdos com embasamento científico. Trabalha com marketing de conteúdo, com foco na divulgação de informação de qualidade baseada em ciência sobre alimentação e suplementação.

Marcações:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.