Home » Como o ômega 3 ajuda na menstruação e menopausa?

Como o ômega 3 ajuda na menstruação e menopausa?

ômega 3 ajuda a melhorar os sintomas da menstruação e menopausa
5 minutos de leitura

Durante a vida da mulher, o ciclo menstrual pode desencadear alguns sintomas desagradáveis, como cólicas e tensão pré-menstrual (TPM), em maior ou menor intensidade. E mesmo quando o ciclo menstrual chega ao fim com a menopausa, existem efeitos adversos da sua ausência.

O ômega 3, uma gordura boa cheia de benefícios para o nosso corpo, se destaca entre os nutrientes eficazes para reduzir e aliviar os sintomas da TPM e menopausa. Em quantidades adequadas e uso contínuo, os efeitos positivos dessa gordura saudável podem trazer diversos benefícios para quem deseja afastar, de vez, esses desconfortos.

Efeito positivo do ômega 3 nos sintomas da menstruação

O consumo de 1000mg diárias do suplementos de ômega 3 alivia os desconfortos e sintomas pré-menstruais, garantindo, assim, uma significativa melhora da qualidade de vida da mulher durante o período.

Desde a primeira menstruação (menarca) até a fase final do ciclo menstrual (menopausa), toda mulher vivencia, a cada mês, mudanças hormonais no organismo. E quando isso acontece, os efeitos no corpo podem ser percebidos de maneira leve e, muitas vezes, intensa.

Embora seja um processo natural – o qual prepara o corpo para uma possível gravidez –, os sintomas podem ser bastante desagradáveis, atingindo boa parte das mulheres. 

Inchaços, irritação, ansiedade, falta de concentração, choro fácil, insônia, dores de cabeça e depressão, são somente alguns dos desagradáveis sintomas da tensão pré-menstrual, a qual ocorre na fase mais próxima da menstruação.

Todos estes incômodos, claro, variam de mulher para mulher, no entanto, afetam – da mesma forma – a qualidade de vida de quem precisa lidar com esse verdadeiro sofrimento.

Os efeitos positivos  da suplementação com o ômega 3 acontecem porque o nutriente  promove equilíbrio ao metabolismo, melhorando a produção de hormônios relacionados ao ciclo menstrual. Com isso, torna-se um suplemento benéfico para diminuir os sintomas típicos da TPM.

Outro fator importante que contribui para essa melhora é o fato do ômega 3 atuar diretamente na função metabólica, bem como na função hormonal. Portanto, sua ação proporciona maior alívio de quadros de estresse, irritabilidade e até mesmo depressão nos quadros de tensão pré-menstrual.

Em resumo, as mulheres que suplementam o nutriente de forma contínua e na dose adequada, tem uma redução dos sintomas físicos e emocionais ocasionados pela TPM.

Efeito positivo do ômega 3 nos sintomas da menopausa

Da mesma forma que a suplementação diária de 1000mg de ômega 3 auxilia com os sintomas da menstruação, também podemos ver efeitos positivos com os sintomas da menopausa. Os dois sintomas com maior redução são as variações de humor e as ondas de calor.

Com a chegada da menopausa o corpo feminino sofre com a diminuição dos hormônios: progesterona e estrogênio. Com isso, surgem alguns desconfortáveis sintomas como, por exemplo, ondas de calores (fogachos), insônia, aumento de peso, redução de libido, bem como quadros de depressão, irritabilidade e ansiedade.

Nessa fase delicada do ciclo menstrual – a qual se refere à última menstruação – os primeiros sinais podem se manifestar a partir dos 45 anos de idade. Este tempo, no entanto, pode variar de mulher para mulher. Afinal, cada organismo tem seu próprio ritmo de funcionamento.

Como você já deve imaginar, quando os sintomas são mais intensos na menopausa, as mulheres que convivem com esses transtornos, sofrem bastante. Afinal, além de sentir seus efeitos no corpo e na alteração do humor, a rotina, muitas vezes, acaba ficando prejudicada, assim como a produtividade no trabalho e no dia a dia.

A suplementação de ômega 3, junto com a terapia hormonal, exercem alívio do estresse e dos sintomas da depressão, em mulheres que sofrem com os efeitos colaterais das mudanças de humor na menopausa.

O ômega 3 também demonstra eficácia para o tratamento de ondas de calor. Especialmente as ondas de calor noturno, um dos sintomas mais comuns entre as mulheres nesse período.

Qual a quantidade ideal de ômega 3 para o alívio dos sintomas?

Sobre a quantidade e frequência ideal de consumo das cápsulas do suplemento de ômega 3, vale lembrar que a quantidade necessária pode variar de acordo com a idade – e necessidade – de cada pessoa.

No entanto, de modo geral, quando falamos na frequência do consumo e eficácia do ômega 3, para ajudar a reduzir os sintomas da menstruação e da menopausa, o consumo diário e prolongado de pelo menos 1000 mg de EPA + DHA ao dia do suplemento, é o mais indicado para garantir os efeitos esperados.

EPA e DHA são dois tipos de ômega 3 presente nos suplementos e responsáveis pelos seus benefícios. Quando falamos sobre o consumo de 1000mg de ômega 3, precisamos garantir que esse valor representa o consumo do princípio ativo do suplemento.

No entanto, fique atento, se a cápsula de ômega 3 pesa 1000mg, isso pode não representar somente EPA e DHA. As concentrações do nutriente variam entre as marcas, sendo necessário algumas vezes consumir mais de uma cápsula por dia, para alcançar o valor recomendado.

E é claro que é sempre bom contar com o acompanhamento médico e nutricional durante o tratamento dos sintomas. Desse modo, você garante a ação benéfica do ômega 3 para combater os desconfortos do seu ciclo menstrual.

Agora que você já sabe que o ômega 3 ajuda na menstruação e na menopausa e, além disso, conferiu excelentes benefícios deste nutriente poderoso, aproveite e confira a melhor forma de escolher um bom suplemento!

Quer saber mais?

Referências:

BEHBOUDI-GANDEVANI, Samira; HARIRI, Fatemeh-Zahra; MOGHADDAM-BANAEM, Lida. The effect of omega 3 fatty acid supplementation on premenstrual syndrome and health-related quality of life: a randomized clinical trial. Journal of Psychosomatic Obstetrics & Gynecology, v. 39, n. 4, p. 266-272, 2018.

JIN, Youri; KIM, Tae-Hee; PARK, Yongsoon. Association between erythrocyte levels of n-3 polyunsaturated fatty acids and depression in postmenopausal women using or not using hormone therapy. Menopause, v. 23, n. 9, p. 1012-1018, 2016.

Nutricionista e Mestre em Ciências pela UNIFESP.

Experiência acadêmica em pesquisa científica. Atua como professora convidada em cursos de graduação e pós graduação na área da saúde.

Profissional com sólida formação em pesquisa e inovação. Atua na interseção entre o desenvolvimento de produtos com base em ciências e inovação para a saúde, e o marketing de conteúdo.

Marcações:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *