Pular para o conteúdo
Home » Todos os posts » Atendimento nutricional: como se preparar?

Atendimento nutricional: como se preparar?

atendimento nutricional
5 minutos de leitura

Nutri, o passo a passo de um atendimento nutricional, provavelmente, você já sabe, mas queremos te mostrar como é possível tornar esse dia cheio e intenso, um pouco mais leve e, ainda assim, produtivo!

Independente se a consulta for on-line ou presencial, o seu comprometimento e o cuidado com os pontos que iremos abordar a seguir precisa ser o mesmo, ajustando conforme rotina e necessidades específicas.

Afinal, além de fazer um atendimento nutricional de qualidade, como é possível fazer um atendimento nutricional com qualidade para você e, consequentemente, para o seu paciente?

Essa pergunta será respondida no decorrer do texto para te fazer refletir sobre alguns aspectos relevantes para o tema. Boa leitura!

Quantidade e qualidade no atendimento nutricional

Antes de seguirmos, queremos te fazer algumas perguntas: qual é a sua meta financeira semanal com o consultório de nutrição? E a mensal? E qual é o valor da sua consulta? Tem retorno?

Por que estamos perguntando isso? Porque as suas horas de trabalho diárias precisam ser condizentes com a sua precificação e com as suas metas para ter uma agenda produtiva e otimizada!

E está tudo bem se ainda não chegou no seu objetivo final, o importante é já ir se vendo como uma empresa, de fato, para que esteja em constante análise de métricas de desempenho, lucratividade, resultados, investimentos, etc. 

Com essa análise mais analítica e precisa fica mais claro para você enxergar onde está hoje, onde quer chegar e (é aqui que muitos nutricionistas se perdem!) como chegar.

Tendo isso em mente, agora sim, podemos seguir com o conteúdo. Iremos abordar pontos estratégicos que você pode colocar em prática hoje para seu próximo dia de atendimento nutricional.

6 passos para obter melhores resultados no seu atendimento nutricional

1. Organização: a chave mestra

Sabemos o quanto você orienta seus pacientes a organizarem-se para se alimentarem de forma mais saudável, mas você também faz isso? O uso de softwares pode te ajudar.

Não só em relação às refeições, mas com tudo relacionado ao seu dia, por exemplo, roupa que irá usar, materiais que precisam ser levados, a chave do consultório, etc.

Imagine chegar atrasado na consulta porque não encontrava a chave do carro? Ou esquecer que levou o notebook para a casa, não pegar o carregador e ficar sem bateria no meio do atendimento?

Provavelmente essas situações impactam no desenvolvimento das consultas subsequentes (além do estresse que pode gerar!). Por isso, pequenas atitudes podem facilitar a correria do dia a dia.

2. Sim, precisamos falar de apresentação pessoal

Sua apresentação faz parte da linguagem não verbal que pode aproximar você do seu paciente ou causar um afastamento se tem ruído na comunicação entre personalidade, posicionamento, nicho, estilo, cores, etc. 

Alinhar esses elementos, por meio da sua imagem, auxilia a gerar conexão e confiança entre o profissional e a pessoa que será atendida.

Por exemplo, pense que você realiza medidas antropométricas ou atende crianças e mantém sua unha extremamente comprida. Isso pode gerar um desconforto ao seu paciente? 

Pois você pode, sem querer, machucá-lo. Talvez ele não entenda no momento, mas parece que algo ali não “encaixou”. E é exatamente isso o que acontece. 

Então ao invés de se perguntar “essa unha ou roupa é adequada?”, mude para “essa unha ou roupa é adequada para o meu nicho?”.

atendimento nutricional

3. Pontualidade: nunca é demais

Ninguém gosta de se atrasar e muito menos de ser atendido atrasado. Programe-se para chegar no consultório com antecedência, principalmente se for um paciente novo. 

É comum que ele também chegue mais cedo por não saber exatamente o lugar, procurar um lugar para estacionar, etc. E uma boa experiência em todas as etapas da jornada do atendimento (pré, durante e pós-consulta) pode auxiliar a causar uma boa impressão do seu trabalho como um todo.

Vale até informar seu paciente no processo de pré-consulta (falaremos disso em breve, aguarde!) se você tolera atrasos, qual seria esse tempo e como ele deve proceder caso aconteça.

Se você está em uma fase de entender seu tempo de consulta, onde algumas demoram mais e outras menos, a dica é agendá-los com um espaçamento maior para seu dia fluir com menos preocupações em relação a isso.

4. Não se esqueça da preparação vocal

Durante a consulta se fala muito, por isso, para evitar que, no final do dia, você esteja com a voz falhando e até com dor de garganta, mantenha sempre água e chás em temperaturas amenas (evite temperaturas extremas para preservar a saúde das cordas vocais).

Se você ainda grava vídeos, vai em programas de rádio, televisão e/ou é professor pense na possibilidade de fazer acompanhamento com fonoaudiólogo para prevenir problemas futuros e isso comprometer seu trabalho.

5. Alongamento: não, não é frescura! 

Boa parte do atendimento se faz sentado, por isso, procure alongar-se pelo menos 2x/dia para que não fique com o corpo tensionado e otimize a circulação.

Se você trabalha longe de casa, esse cuidado precisa ser ainda maior porque tem o tempo que estará na mesma posição durante o trajeto.

6. Saúde mental

Durante a consulta, são compartilhadas muitas informações, algumas mais técnicas e outras mais pessoais. 

Para manter o ritmo do início ao fim, tenha alguns momentos para respirar profundamente, ficar de olhos fechados, mudar de ambiente, alimentar-se, etc. Se você é adepta a óleos essenciais, meditação e outras práticas integrativas, vale também incluir.

Parece demais, mas nos conectamos minimamente com as pessoas que nos procuram, então ter um refresh ao longo do dia pode ajudar a manter a concentração e a escuta ativa. Responda para si mesmo com sinceridade: seu último paciente tem a mesma qualidade de atendimento nutricional que o seu primeiro?

Gostou das dicas? Tem algo a mais que você faz e sente diferença na sua produtividade? Compartilhe com a gente e com seus colegas de profissão!

Quer saber mais?

5/5 - (1 voto(s))

Nutricionista pela Universidade de São Paulo (USP).

Experiência acadêmica em pesquisa científica, trabalhando com projeto sobre tratamento de epilepsia com dieta cetogênica. Atuação em educação alimentar, desenvolvendo curso de capacitação para professores da rede pública sobre nutrição.

Trabalha com marketing de conteúdo, com foco na divulgação de informação de qualidade baseada em ciência sobre alimentação e suplementação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + dezessete =


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.