Colágeno e Artrose – Tudo o que você precisa saber

| | , ,

Muito se fala da relação entre colágeno e artrose, e ainda mais sobre o consumo de colágeno para seu tratamento. Antes de entender a relação do colágeno com a artrose, saiba mais sobre os principais tipos de tratamento para a doença assistindo o vídeo a seguir: 

 

O DESCONFORTO CAUSADO PELA ARTROSE 

A osteoartrose, popularmente conhecida como artrose, costuma gerar um intenso desconforto nas regiões de desgaste do tecido cartilaginoso e das articulações,que ficam localizados nos ossos. A função do tecido cartilaginoso é permitir o movimento das articulações de forma efetiva e sem causar dores.

Conforme a cartilagem se decompõe, os movimentos ficam limitados e o indivíduo pode sentir dor e muito desconforto para se movimentar.

Diferentes estudos  sobre doenças mostram que a artrose é mais comum em pessoas com mais de 50 anos do que em pessoas mais jovens. 

Ainda que a artrose possa ser adquirida por vários fatores, pode-se afirmar que com o passar dos anos, as chances de contrair a doença aumentam. Quer saber melhor quais são esses fatores?

Fatores de risco de origem genética

De acordo com um estudo publicado em 2016 no renomado periódico GENE, a menor ativação do gene GNL3 pode aumentar o risco do desenvolvimento da artrose. Isso porque,esse gene é responsável por estimular a formação do tecido que reveste as articulações e amortece o impacto entre os ossos. 

A questão genética não é algo controlável, mas os genes sofrem influência dependendo do estilo de vida e da alimentação que a pessoa leva. Então, quanto maior forem os cuidados com a saúde, menores as chances de desenvolver artrose por um fator genético.

Outra forma de se considerar o risco de ordem genética é quando há mais casos da doença em pessoas de uma mesma família, quando comparadas ao resto da população. Em alguns casos, a artrose pode sofrer influências hereditárias, ou seja, pode ser transmitido pelos pais aos seus filhos.

Fatores de risco bioquímicos

Marcadores do Metabolismo Ósseo e Cartilaginoso

Pesquisas recentes com relação à artrose têm medido os níveis sanguíneos, articulares ou urinários de marcadores bioquímicos da estrutura óssea e cartilaginosa. A concentração dessas moléculas se relacionam tanto à formação quanto ao desgaste da cartilagem.

Entre os componentes da região cartilaginosa mais estudados estão a piridinolina e a desoxipiridinolina, hidroxiprolina, o ácido hialurônico sérico, as proteínas da cartilagem, epítopos de sulfato de condroitina, pró-peptídeos do pró-colágeno tipo II. Essas substâncias ajudam a potencializar os efeitos do colágeno.

Dosar essas substâncias é útil, tanto para identificar indivíduos com maiores chances de desenvolver artrose, como para avaliar o efeito que alguma dessas substâncias tem para ajudar quem sofre com artrose.

Outro método de análise utilizado para o diagnóstico da artrose é a sinovianálise, uma análise do líquido presente entre articulações. O método faz a contagem de leucócitos (células de defesa do corpo), que precisa ser menor que 2.000 células/mm3, e não apresentar anormalidades.

Fatores de risco ambientais

Fatores de risco ambientais, podem ser tanto elementos que estão presentes no ambiente, como clima e poluição,quanto os hábitos de vida da pessoa, como práticas de exercícios físicos.

E certos fatores ambientais podem aumentar o risco de desenvolvimento da artrose. Entre eles, destacam-se os seguintes:

  • Poluentes, como a); fumaça ou dióxido de enxofre;
  • Prática de esportes como corrida, futebol, e algumas modalidades de luta;
  • Presença de doenças como diabetes, hipotireoidismo.

Como tratar artrose

Normalmente, quando o indivíduo é diagnosticado com artrose, os médicos receitam analgésicos, anti-inflamatórios, para aliviar a dor e o desconforto causados pela doença.

A fisioterapia também é importante para o tratamento da artrose, porque ajuda o indivíduo a retomar seus movimentos comprometidos pela doença. Ela ainda ajuda a pessoa que sofre com artrose a aprender outras formas de se movimentar para não piorar a inflamação das articulações. 

O colágeno tipo 2 também vem sendo recomendado por alguns especialistas, veja a explicação a seguir:

Colágeno e Artrose: a importância da suplementação de colágeno no tratamento da doença

O colágeno, especialmente o do tipo 2, vem sendo utilizado para o tratamento da artrose. Porque ele é fundamental para a manutenção de alguns tecidos, incluindo as cartilagens presentes nas articulações.

Uma estudo sobre o uso do colágeno hidrolisado para tratar a artrose e outros problemas articulares, apontou que o colágeno do tipo 2 é absorvido rapidamente pelo intestino e se acumula na cartilagem. 

A partir daí observou-se um grande aumento da produção dos componentes das células. Então, isso mostrou que o consumo de colágeno tipo 2 ajuda no tratamento da artrose.

Confira a seguir, alguns indícios sobre a  ação do colágeno no tratamento da artrose:

Estudos com colágeno em células

O estudo “Benefícios da ingestão de colágeno para o organismo” avaliou pesquisas in vitro, que é o cultivo de células fora de um organismo vivo, que demonstraram benefícios do colágeno para o corpo humano.

E o estudo concluiu que as células que foram tratadas com colágeno hidrolisado aumentaram bastante a sua produção da proteína de colágeno, sem nenhum efeito que não fosse benéfico para o organismo.

Estudos com colágeno em animais

Um estudo foi feito com 10 cães que sofriam com artrose, nesse estudo os animais tomaram suplementação de colágeno tipo 2.  E os resultados mostraram que o colágeno aumentou a produção de substâncias presentes no tecido cartilaginoso. 

Ou seja, o colágeno tipo 2 não ajuda apenas na produção de colágeno, mas também na formação de outros componentes da cartilagem. 

Os 10 cães do experimento apresentaram melhoras no movimento da articulação, e no aumento da força muscular após a ingestão de colágeno tipo 2. Com este estudo, foi possível perceber que o colágeno tipo 2 é benéfico para as articulações,  e eficaz no tratamento da artrose. 

Outra pesquisa feita  com diferentes animais demonstrou os efeitos da glicina (um componente do colágeno) na inflamação da artrose. Os resultados apresentaram  redução da dor no joelho e no quadril.

Estudos com colágeno em humanos

A ingestão de colágeno traz benefícios na artrose, e pode ser até mais eficiente do que alguns  medicamentos. Testes demonstraram que o uso de colágeno foi mais eficiente e seguro do que o uso de outros medicamentos tradicionais,  para tratar a artrite nos joelhos. 

Efeito analgésico do colágeno

Estudos recentes mostram que o peptídeo bioativo de colágeno tipo 2 pode agir como analgésico e anti-inflamatório, então, ajuda aliviando a dor e inflamação nas articulações.

Colágeno para articulação do joelho

Foi comprovada a melhora no desconforto da articulação do joelho em praticantes de atividade física após 12 semanas de ingestão diária de 5 g de colágeno tipo 2. 

Colágeno para dor articular

Uma pesquisa avaliou a eficácia e a segurança de um suplemento alimentar feito com colágeno hidrolisado, utilizado por 6 meses em indivíduos com dor nas articulações  dos cotovelos, joelhos ou na coluna lombar. 

Os resultados demonstraram uma melhora de pelo menos 20% nas dores articulares dos pacientes. 

Um outro estudo demonstrou que a ingestão do colágeno tipo 2, trouxe maior conforto na articulação do joelho. Pessoas que sofrem com   desgaste nas articulações, e que não consomem muita proteína animal, se beneficiaram mais da suplementação com colágeno.

Conclusão 

Após observar os estudos, é possível entender que existem indícios de que o uso do colágeno tipo 2 é benéfico e eficaz para tratar lesões e desgastes nas cartilagens e articulações, como acontece na artrose. 

Além disso, pessoas que não possuem a doença também podem se beneficiar da suplementação de colágeno hidrolisado tipo 2, já que essa proteína protege e cuida da saúde das articulações. Isso vale para todos, já que com o passar dos anos, é natural que os níveis de colágeno, do corpo, caiam.

Assim, é recomendado que após certa idade se faça suplementação de colágeno, especialmente do colágeno tipo 2, e também manter uma alimentação equilibrada. Esses hábitos são importantes para garantir a máxima absorção do suplemento de colágeno e, assim, cuidar na saúde das articulações e cartilagens.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um suplemento de colágeno de altíssima qualidade específico para as articulações e cartilagens?

Referências:

SEOANE-MATO, Daniel et al. Prevalencia de enfermedades reumáticas en población adulta en España (estudio EPISER 2016). Objetivos y metodología. Reumatología Clínica, 2017.

PLOTNIKOFF, Ronald et al. Osteoarthritis prevalence and modifiable factors: a population study. BMC Public Health, v. 15, n. 1, p. 1195, 2015.

POSTLER, Anne et al. Prevalence and treatment of hip and knee osteoarthritis in people aged 60 years or older in Germany: an analysis based on health insurance claims data. Clinical interventions in aging, v. 13, p. 2339, 2018.

LOUKA, Manal L. et al. Expression of nucleostemin gene in primary osteoarthritis. Gene, v. 587, n. 1, p. 27-32, 2016.

BELLO, Alfonso E.; OESSER, Steffen. Collagen hydrolysate for the treatment of osteoarthritis and other joint disorders: a review of the literature. Current medical research and opinion, v. 22, n. 11, p. 2221-2232, 2006.

VILAR, José M. et al. Serum collagen Type II cleavage epitope and serum hyaluronic acid as biomarkers for treatment monitoring of dogs with hip osteoarthritis. PloS one, v. 11, n. 2, p. e0149472, 2016.

PORFÍRIO, Elisângela; FANARO, Gustavo Bernardes. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 1, p.

CROWLEY, David C. et al. Safety and efficacy of undenatured type II collagen in the treatment of osteoarthritis of the knee: a clinical trial. International journal of medical sciences, v. 6, n. 6, p. 312, 2009.153-164, 2016.

KUMAR, Suresh et al. A double‐blind, placebo‐controlled, randomised, clinical study on the effectiveness of collagen peptide on osteoarthritis. Journal of the Science of Food and Agriculture, v. 95, n. 4, p. 702-707, 2015.

ZDZIEBLIK, Denise et al. Improvement of activity-related knee joint discomfort following supplementation of specific collagen peptides. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism, v. 42, n. 6, p. 588-595, 2017.

BRUYÈRE, Olivier et al. Effect of collagen hydrolysate in articular pain: A 6-month randomized, double-blind, placebo controlled study. Complementary therapies in medicine, v. 20, n. 3, p. 124-130, 2012.

BENITO-RUIZ, P. et al. A randomized controlled trial on the efficacy and safety of a food ingredient, collagen hydrolysate, for improving joint comfort. International journal of food sciences and nutrition, v. 60, n. sup2, p. 99-113, 2009.

KUMAR, Suresh et al. A double‐blind, placebo‐controlled, randomised, clinical study on the effectiveness of collagen peptide on osteoarthritis. Journal of the Science of Food and Agriculture, v. 95, n. 4, p. 702-707, 2015.

 

 
Anterior

O que é artrose e como tratar?

Tomar colágeno para artrose | Peptídeos bioativos do tipo II ou UCII ?

Próximo

5 comentários em “Colágeno e Artrose – Tudo o que você precisa saber”

  1. OLA, BOM DIA. TENHO FIBROMIALGIA HA 9 ANOS. ARTRITE E ARTROSE. SINTO DORES MT FORTES. ACORDO CANSADA E SEM ENERGIA TDS OS DIAS.
    TOMO CALCIO, MAGNÉSIO E COLAGENO TIPO II. SEM NENHUMA MELHORA. NÃO POSSO CAMINHAR DEVIDO Á INTENSAS DORES NOS PÉS. MEDICAMENTOS NÃO FAZEM EFEITO POR MT TEMPO. O QUE VC, MEDICO ME INDICARIA?

    Responder
    • Bom dia Janete!
      Como vai?
      Na equipe Vhita contamos com nutricionistas para auxiliar em possíveis dúvidas, porém, orientações de medicamentos e tratamentos devem ser feitos e questionados ao seu médico de confiança.
      Recomendamos buscar por um profissional médico reumatologista para avaliação de qual o melhor tratamento para o seu caso.
      Desejamos melhoras Janete!
      Qualquer outra dúvida,
      Estamos à disposição!

      Responder
  2. Li que colágeno hidrolisado tipo 2 não cura artrose na lombar , joelhos. Os dedinhos do pé dois deles estão encolhidos. Qdo fico em pé nao aguento. Queria saber se procede.?
    Estou acima do peso 20 kilos , não faço exercícios. Já fiz fisioterapia e hidroterapia mas não cura. Ainda chego em casa com dor.
    Obrigada

    Responder
    • Bom dia Noeli!
      Como vai?
      Realmente o colágeno hidrolisado não cura artrose, mas um colágeno que é recomendado para a melhora das articulações e cartilagens atuando na reposição do colágeno perdido naturalmente na região, e também das dores, é o colágeno não desnaturado tipo 2.
      Existem diferentes estudos científicos, feitos por profissionais e pesquisadores de renome da área da saúde mostrando a melhora principalmente das dores com esse tipo de suplemento.
      Alguns artigos para curiosidade:

      1. BELLO, Alfonso E.; OESSER, Steffen. Collagen hydrolysate for the treatment of osteoarthritis and other joint disorders: a review of the literature. Current medical research and opinion, v. 22, n. 11, p. 2221-2232, 2006.

      2. VILAR, José M. et al. Serum collagen Type II cleavage epitope and serum hyaluronic acid as biomarkers for treatment monitoring of dogs with hip osteoarthritis. PloS one, v. 11, n. 2, p. e0149472, 2016.

      3. PORFÍRIO, Elisângela; FANARO, Gustavo Bernardes. Suplementação com colágeno como terapia complementar na prevenção e tratamento de osteoporose e osteoartrite: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 1, p.

      Caso tenha dúvidas Noeli,
      Estamos à disposição!

      Responder

Deixe um comentário