Quem busca por uma solução natural para tratar as dores e ter uma boa saúde nas articulações e cartilagens, provavelmente já deve ter ouvido falar sobre os peptídeos bioativos de colágeno tipo 2. 

Entenda quais são os critérios para escolher o melhor suplemento de peptídeos bioativos de colágeno tipo 2.

Um detalhe muito importante na hora de comprar um colágeno que pode acabar passando despercebido, é que existem vários tipos de suplementos de colágeno, portanto, é preciso ter cuidado para não comprar o produto errado, o qual não irá oferecer os benefícios esperados.

Por exemplo, sabemos que os peptídeos bioativos de colágeno tipo 2, possui o efeito de melhorar as dores articulares e recuperação da região. Enquanto os peptídeos bioativos de colágeno tipo 1 são recomendados para quem deseja combater o envelhecimento precoce da pele, fortalecer as unhas e os cabelos.

Diferente do colágeno bodybalance, o qual ajuda no desenvolvimento e fortalecimento dos músculos. Por fim, ainda existe o colágeno hidrolisado, que não possui efeito específico para nenhuma região. Sendo considerado apenas uma fonte proteica, normalmente mais barata que os demais suplementos proteicos, como o whey protein.

Como sabemos que é muito fácil se confundir e falta orientações, fizemos esse texto com 4 dicas para te ajudar a escolher o melhor suplemento de peptídeos bioativos de colágeno tipo 2 para as articulações.

1ª DICA: O SUPLEMENTO DE PEPTÍDEOS BIOATIVOS DE COLÁGENO TIPO 2 PODE SER ENCONTRADO COM OUTROS NOMES

Calma, está tudo bem, pois apesar de ter diferentes nomes, o resultado final será o mesmo.  Entretanto é importante entender que você não encontrará o nome “peptídeos bioativos de colágeno tipo 2” no rótulo do suplemento. Mas isso não significa que não um colágeno tipo 2 específico para as articulações.

Pois o que muda é o processo bioquímico utilizado para a produção desses peptídeos bioativos de colágeno tipo 2. Portanto, saiba que você pode encontrar duas diferentes matérias primas para um suplemento de colágeno tipo 2, que são:

  • 1° Proteína não desnaturada de colágeno tipo 2
  • 2° Proteína não hidrolisada de colágeno tipo 2

As duas principais matérias primas para o suplemento são as fornecedoras: B2Cool e UC II. Mas caso você não ache essa informação no rótulo do suplemento, a dica é que você se informe e tire a sua dúvida diretamente com a marca do suplemento.

Para isso basta ligar, mandar um WhatsApp ou e-mail para a central de atendimento da marca do suplemento e perguntar qual é a matéria prima utilizada por eles.

2ª DICA: EXISTE UMA QUANTIDADE E NÚMERO DE INGREDIENTES IDEAL PARA OBSERVAR OS BENEFÍCIOS

Para o peptídeo bioativo de colágeno tipo 2 ser vendido como suplemento, e não medicamento, ele precisa se enquadrar na norma de suplemento proteico. Para isso ele precisa de apenas dois ingredientes.

Isso porque são necessários pelo menos 8,4 g de proteínas por dose para estar adequado com a legislação nacional. Mas a dose ideal dos peptídeos bioativos de colágeno tipo 2 são 20 até 40 mg, ou seja 0,02 até 0,04 g.

Portanto, para completar essa concentração ideal proteica de 8,4 g, os suplementos devem apresentar os seguintes ingredientes:

“Peptídeos bioativos de colágeno tipo 1 + proteína não desnaturada de colágeno do tipo 2 OU proteína não hidrolisada de colágeno tipo 2.”

Outra informação que você precisa saber é que a ordem dos ingredientes na parte do rótulo “lista de ingredientes” deve ser do que tem maior quantidade por dose para o que apresenta menor quantidade, ou seja, em ordem decrescente.

Então a lista de ingredientes deve ser na seguinte ordem: peptídeos bioativos de colágeno tipo 1 seguido da proteína não desnaturada de colágeno tipo 2 OU proteína não hidrolisada de colágeno tipo 2.

Mas você deve estar se perguntando: “Porque apenas 20 até 40 mg de peptídeos bioativos de colágeno tipo 2?”.

A resposta é que essa é a dose baseada em diversos estudos científicos realizados para avaliar os diferentes benefícios do nutriente. É possível melhorar a dor e recuperar os tecidos das articulações e cartilagens consumindo apenas essa porção todos os dias por, no mínimo, 3 meses.

Caso você também não encontre a informação da dose exata no rótulo, o que falamos no final da 1° dica, vale aqui também. Aliás, sempre que surgir qualquer dúvida em relação ao produto, é importante fazer um contato com a central de atendimento da marca para tirar todas as dúvidas, pois, com saúde não se brinca.

Procure sempre consumir produtos de confiança. 

3ª DICA: PREFIRA PRODUTOS PUROS, ISENTOS DE ADITIVOS QUÍMICOS 

O suplemento de colágeno tipo 2 deve ter apenas dois ingredientes. Não sendo necessário nenhum aditivo como corantes, saborizantes e adoçantes artificiais. 

Os aditivos são utilizados normalmente para melhorar o sabor do suplemento. Mas quando se consume os aditivos a longo prazo, pode acarretar em prejuízos em sua saúde.

Portanto é importante se atentar aos ingredientes “extras”. Afinal, você está comprando esse suplemento justamente pensando na sua saúde.

No geral o melhor suplemento de peptídeos bioativos de colágeno tipo 2 não tem aditivos químicos nem sabor.

4° DICA: ESCOLHA UMA MARCA QUE TE PASSE CONFIANÇA

Por fim, é importante ser uma marca em que você confie. Já que esse suplemento é vendido em pó, ele é isento de registro próprio. Isso significa que nem todas as embalagens são fiscalizadas pela ANVISA. 

Outra coisa importante que ainda não foi mencionado, é o preço, e isso foi por uma razão. Pois nem sempre o preço indica qualidade, para saber a qualidade do produto você deve analisar todas essas 4 dicas!

Então não se esqueça, busque saber qual a matéria prima, dose utilizada, quantidade de ingredientes e se a marca é realmente de qualidade.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar o melhor suplementos de colágeno tipo 2?

Referências:

LUGO, James P.; SAIYED, Zainulabedin M.; LANE, Nancy E. Efficacy and tolerability of an undenatured type II collagen supplement in modulating knee osteoarthritis symptoms: a multicenter randomized, double-blind, placebo-controlled study. Nutrition journal, v. 15, n. 1, p. 14, 2015.