Vitamina D para bebê e criança | Entenda a importância

| | ,

Igualmente aos adultos, a deficiência da vitamina D em bebês e crianças é um problema reconhecido mundialmente.

Muitos centros de pesquisas ao redor do globo investem em testes para corrigir essa deficiência desde os primeiros meses de vida do ser humano e, por mais que uma dosagem ideal ainda esteja sendo estudada, é possível observar diversos benefícios na administração da vitamina D durante a fase infantil de vida.

Veja a seguir o que você precisa saber sobre a vitamina D infantil e o que acarreta a sua deficiência no organismo.

Para que serve vitamina D?

A vitamina D é um micronutriente essencial para a realização de funções relacionadas ao metabolismo ósseo e esquelético tanto em adultos quanto em crianças, sendo fundamental na absorção de minerais, como o cálcio e o fósforo, no osso.

Estudos recentes também apontam possíveis benefícios da vitamina D relacionados à regulação de vários aspectos da imunidade, como a prevenção de doença inflamatória intestinal pediátrica e a cárie dentária, por exemplo, ambas relacionadas à função do sistema imunológico.

Com qual idade pode-se começar a tomar vitamina D?

Por se tratar de um pré-hormônio importante no desenvolvimento da criança e prevenção de doenças, estudos recomendam a inserção da vitamina D na alimentação ainda no período exclusivo de amamentação (primeiros 6 meses de vida).

Como o bebê não deve ser exposto à luz do sol de forma direta, e já que o leite materno não contém a quantidade suficiente de vitamina D necessária em sua composição, diversas organizações internacionais de saúde recomendam a suplementação de vitamina D já nessa fase da vida.

Porém, antes de tomar qualquer iniciativa, o recomendado é consultar um pediatra e um nutricionista.

A vitamina D para o bebê

Como citado acima, por mais que o leite materno seja um alimento exclusivo para recém nascidos até os 6 meses de idade, o mesmo não comporta quantidades suficientes de vitamina D que o bebê necessita para o seu bom desenvolvimento metabólico e ósseo.

De acordo com diversas organizações mundiais de saúde, é recomendado que haja uma suplementação de, em média, 400 UI/dia de vitamina D até o completo 1 ano do bebê.

Essa dosagem é recomendada para crianças com alimentação exclusiva pelo leite materno, mas é ainda mais indicada para crianças sem essa alimentação exclusiva, e/ou que sofrem de um mau equilíbrio alimentar introdutório e vivem em países ou ambientes com baixo índice de radiação solar devido ao tipo de clima.

Qual a melhor vitamina D para o bebê?

Essa questão deve ser avaliada de acordo com a dose (a partir de 400 UI/dia de acordo com recomendações), o que determinará a marca que melhor se adequa a necessidade.

Porém, algumas características podem auxiliar nessa escolha e ajudarão a fazer a diferença:

  • Opte por marcas que possuam óleo de soja na composição do seu suplemento de vitamina D, pois essa é uma vitamina com melhor absorção se junta à uma gordura;
  • Escolha pela vitamina D3 (Colecalciferol), pois esta tem uma absorção melhor que as demais pelo organismo do bebê.

A Vitamina D para a criança

No caso das crianças em período infantil e juvenil, a vitamina D se mostra uma grande aliada no desenvolvimento metabólico e ósseo, e na prevenção de doenças.

Porém, existe uma resistência na adesão da suplementação pelas crianças por meio de rotina, por isso, muitas vezes se opta por grandes doses com maior espaçamento de tempo, Mas, o mais recomendado ainda é a suplementação da vitamina D em doses menores e diárias.  

Entre 1 a 18 anos, a Academia Americana de Pediatria recomenda a suplementação de 600 UI/dia. Para crianças em risco de deficiência, é recomendado de 600 UI/dia a 1000 UI/dia.

Essas recomendações são importantes para garantir um desenvolvimento correto da massa óssea, que é conhecida por ter seu pico na adolescência, um processo no qual a vitamina D está intimamente envolvida.

O que causa a deficiência de vitamina D em crianças?

Diversos fatores podem acarretar a deficiência de vitamina D em bebês e crianças. E estudos mostram que essa deficiência se encontra muito presente em diversos países.

Em bebês, a deficiência da vitamina D pode se dar pela alimentação exclusiva do leite materno em seus primeiros 6 meses de vida, a recomendação de não exposição direta ao sol, o clima frio e céu nebuloso, dificulta a passagem da radiação solar na região, entre outros fatores.

Em crianças muitos dos fatores se repetem, mas, acima de 1 ano de idade, elas também podem sofrer da deficiência da vitamina D devido a algum tipo de deficiência renal ou hepática, má absorção intestinal, tratamento crônico com anticonvulsivantes, obesidade, entre outros fatores também.

Quer saber mais?

Referências:

CARBONARE, Luca Dalle; VALENTI, Maria Teresa; FORNO, Francesco del; CANEVA, Elena; PIETROBELLI, Angelo. Vitamin D: Daily vs. Monthly Use in Children and Elderly—What Is Going On?. MDPI.24 de junho de 2017.Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5537772/> Acessado em 17/06/2020.

MAILHOT, G., & WHITE, J. H. Vitamin D and Immunity in Infants and Children. MDPI. 27 de abril de 2020. Disponível em <https://sci-hub.tw/https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32349265> Acessado em 17/06/2020.

VHITA. Vitamina D infantil: Para bebês e crianças. Blog Vhita. 28 de janeiro de 2020. Disponível em<https://blog.vhita.com.br/vitamina-d-infantil/> Acessado em 17/06/2020.

VHITA. Vitamina D dose diária: Bebês, crianças, adultos e idosos. Blog Vhita. 28 de janeiro de 2020. Disponível em<https://blog.vhita.com.br/vitamina-d-dose-diaria/> Acessado em 17/06/2020.

 

 
Anterior

Triptofano: entenda os benefícios desse aminoácido

Queda de cabelo é normal? Quais as causas e como tratar?

Próximo

Deixe um comentário