Pular para o conteúdo
Home » Todos os posts » Pregorexia: transtorno alimentar que afeta as gestantes

Pregorexia: transtorno alimentar que afeta as gestantes

mulher grávida passando mal
7 minutos de leitura

A pregorexia é um transtorno alimentar no qual a gestante fica excessivamente preocupada com o ganho de peso. Por isso, passa a ter uma rotina bastante rigorosa de exercícios físicos e dieta.

Em alguns casos, a mulher grávida também costuma desenvolver compulsão alimentar precedente de restrição severa. Onde ela come compulsivamente e depois tenta compensar com uma dieta rigorosa.

Podendo, inclusive, provocar vômitos ou fazer o uso de laxantes ou remédios que auxiliam no emagrecimento.

No entanto, é importante destacar que nem todas as mulheres que se preocupam com o peso na gravidez estão com pregorexia. Uma vez que a alimentação equilibrada e exercícios físicos são, realmente, necessários para o bom desenvolvimento do bebê.

O que leva a pregorexia nas gestantes?

Atualmente, nós vivemos numa era em que há uma luta constante e incansável pelo corpo perfeito. Para muitas pessoas, o corpo ideal é aquele com curvas e músculos definidos e baixos índices de gordura.

Em razão disso, muitos adolescentes e adultos têm aderido a uma dieta severa e horas demasiadas de exercício físico para atingir o corpo impecável. E agora, toda essa preocupação também passou a atingir as mulheres grávidas!

De modo geral, as mídias sociais possuem uma forte influência sobre o comportamento das pessoas. Sendo um dos principais fatores para os transtornos alimentares, onde as mulheres são as mais afetadas.

No caso da pregorexia, isso ocorre devido ao aumento de famosas e influenciadoras digitais expondo as suas barrigas pequenas e definidas durante ou logo após a gravidez.

O que leva muitas gestantes a entenderem que elas devem controlar o peso excessivamente para se manterem magras.

Além disso, questões familiares e psicológicas também podem influenciar no desenvolvimento da pregorexia.

mulher grávida sentada passando mal

Sinais da pregorexia

Veja a seguir os principais sinais de que uma mulher grávida apresenta pregorexia:

  • faz dietas rígidas;
  • pratica exercícios físicos por longas horas e/ou várias vezes em um mesmo dia;
  • utiliza diuréticos e laxantes;
  • força vômitos;
  • se pesa a todo momento;
  • exclui grupos de alimentos por conta própria devido ao medo de engordar;
  • pula refeições ou faz jejuns prolongados;
  • baixa autoestima;
  • não ganha peso de forma adequada na gravidez (ou até mesmo está emagrecendo);
  • apresenta episódios de compulsão alimentar seguido de restrição.

Infelizmente, a maioria das gestantes com pregorexia não conseguem reconhecer que os seus atos são prejudiciais para a saúde da mãe e bebê. Logo, elas acreditam que não tem nada de errado em seus comportamentos.

Por isso, caso você tenha se identificado com algum desses sinais, busque ajuda psicológica e psiquiátrica o quanto antes.

Efeitos da pregorexia na gestação

Uma gestação saudável requer que a mulher ganhe peso em níveis ideais. Isso é importante para que o bebê receba todo o aporte calórico e nutricional necessário para se desenvolver de  forma adequada no útero da mãe.

Logo, os comportamentos inadequados provenientes da pregorexia podem gerar os seguintes efeitos:

  • aborto espontâneo;
  • parto prematuro;
  • desnutrição;
  • perda de massa muscular;
  • baixo peso ao nascer;
  • complicações no parto;
  • diminuição do líquido amniótico;
  • anemia;
  • dificuldade na produção de leite materno;
  • perda óssea e dentária;
  • déficit de crescimento;
  • problemas neurológicos e cognitivos no bebê;
  • mortalidade materna/fetal.

Como é feito o diagnóstico da pregorexia?

Por ainda existirem poucos estudos que abordam sobre a pregorexia e a sua prevalência entre as gestantes, o diagnóstico pode demorar para ser feito.

Ainda mais que muitas mulheres nem sabem (ou não reconhecem) que estão com o transtorno alimentar. Devido a isso, elas não costumam buscar ajuda médica e psicológica.

Sendo assim, para diagnosticar a pregorexia, é necessário uma investigação mais ponderada, uma vez que não há exames específicos para detectar esse transtorno alimentar.

Devendo, então, o médico obstetra realizar uma avaliação meticulosa desde a primeira consulta de pré-natal, para a pregorexia e outros problemas psicológicos como ansiedade na gravidez.

Onde o especialista deve questionar sobre o que a gestante pensa em relação ao peso, imagem corporal e comportamentos alimentares.

mulher grávida em consulta médica

Como é o tratamento da pregorexia?

Uma vez que a pregorexia é identificada, a gestante deve ter um acompanhamento obstétrico, nutricional, psicológico e psiquiátrico. Além disso, a participação da família também é crucial para que a mulher se sinta acolhida e amparada.

Em se tratando da nutrição, a alimentação na gestação deve ser adaptada para promover o ganho de peso saudável e adequado, bem como o aporte de nutrientes necessários para o bebê.

Já em relação a psiquiatria e psicologia, o tratamento pode englobar medicação e psicoterapia.

Vale destacar que o acompanhamento deve ser mantido até mesmo após o parto. Pois muitas mulheres com pregorexia tendem a querer voltar ao peso rapidamente depois de dar à luz.

Com isso, elas começam a adotar dietas restritivas, mesmo que isso prejudique a produção de leite materno. Sem contar que elas também podem afetar a maneira como o filho se alimenta, podendo praticar restrições alimentares até mesmo com a criança.

Geralmente, o tratamento da pregorexia é um grande desafio, pois não é fácil fazer as mulheres aceitarem que as mudanças físicas são fisiológicas da gravidez.

Por isso, o acompanhamento deve ser multidisciplinar, oferecendo condições ideais para que a gestante reconheça o transtorno alimentar e supere essa dificuldade.

Qual é o ganho de peso saudável para as gestantes?

O ganho de peso adequado na gravidez depende do peso que a mulher tinha antes de engravidar. De acordo com o Ministério da Saúde, a gestante deve ganhar:

Grávidas com IMC de baixo peso antes de engravidar12,5 a 18,0 kg:
sendo 2,3 kg no 1º trimestre
e 0,5 kg por semana no 2º e 3º trimestre
Grávidas com IMC adequado antes de engravidar11,5 a 16,0 kg:
sendo 1,6 kg no 1º trimestre
e 0,4 kg por semana no 2º e 3º trimestre
Grávidas com IMC de sobrepeso antes de engravidar7,0 a 11,5 kg:
sendo 0,9 kg no 1º trimestre
e 0,3 kg por semana no 2º e 3º trimestre
Grávidas com IMC de obesidade antes de engravidar7,0 kg:
devendo manter o mesmo peso no 1º trimestre
e 0,3 kg por semana no 2º e 3º trimestre

Quer saber mais?

Referências

LOPES, A. K. A.; TAVARES, F. H. L.; REIS, N. B. Pregorexia: uma reflexão sobre a influência das mídias sociais na autoimagem e no desenvolvimento de transtornos alimentares na gravidez. Research, Society and Development. Vargem Grande Paulista, SP, v. 11, n. 14, p. 1-12, out. 2022. 

OLIVEIRA, A. M.; SOUSA, I. B.; SANTOS, A. C. C. P. Fatores que influenciam no padrão alimentar materno para o desenvolvimento da pregorexia. e-Acadêmica. Vargem Grande Paulista, SP, v. 3, n. 2, p. 1-10, jun. 2022. 

TUNCER, E.; GUMUS, A. B.; KESER, A. The Importance of Pregorexia Awareness. Clinical and Experimental Health Sciences. Istambul, Turquia, v. 10, p. 186-190, jul. 2020.

Avalie este post

Nutricionista pela Universidade de São Paulo (USP).

Experiência acadêmica em pesquisa científica, trabalhando com projeto sobre tratamento de epilepsia com dieta cetogênica. Atuação em educação alimentar, desenvolvendo curso de capacitação para professores da rede pública sobre nutrição.

Trabalha com marketing de conteúdo, com foco na divulgação de informação de qualidade baseada em ciência sobre alimentação e suplementação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − sete =


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.