Tempo de leitura: 5 minutos

A queda de cabelo, atinge mulheres, homens e crianças. Saiba aqui quais são as principais causas, tratamentos e como a alimentação pode influenciar na queda.

Queda de cabelo em mulheres

Causas da queda de cabelo

A queda de cabelo pode estar relacionada com a ansiedade, caspa, irritações na pele e o estado de saúde em que o indivíduo se encontra. Todas podem ser tratadas, é possível minimizar a queda e até mesmo reverter o processo.

Saiba quais são as principais causas da queda de cabelo que afetam as mulheres a seguir!

Queda de cabelo na gravidez

É muito comum a queda de cabelo durante a gravidez, e isso pode ocorrer devido ao aumento de hormônios durante o período da gestação.

Esses aumentos hormonais fazem com que os fios cresçam durante a gestação e fiquem no que é chamado de “fase anágena”, momento de crescimento do cabelo. E após o parto acontece a “fase telógena” que é a fase da queda dos fios.

Essa condição é chamada de Eflúvio telógeno. Saiba mais sobre essa condição e como a alimentação e suplementação podem ajudar.

Eflúvio telógeno

A principal causa desse diagnóstico é o estresse do organismo. Após uma experiência fisiologicamente estressante, ou seja, fases em que o corpo passa por muitas mudanças, como a gestação, a perda de cabelo acontece em toda região do couro cabeludo.

Como mencionado anteriormente, é esperado o desenvolvimento do Eflúvio telógeno após o parto, que vai ocasionar a  queda dos cabelos. Mas fique tranquila, essa queda costuma se normalizar após 3 meses do parto, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia. 

Tratamento do eflúvio telógeno

A suplementação de colágeno hidrolisado e uma alimentação rica em ferro, magnésio, e principalmente as vitaminas A, C e E auxiliam no tratamento. Veja os exemplos de alimentos ricos nesses nutrientes:

Ferro: carne vermelha (presente em todas as carnes, mas ainda mais concentrada em cortes de fígado), peixes, brócolis, espinafre, escarola, grão de bico (importante fonte de ferro para vegetarianos), lentilha e feijão.

Magnésio: beterraba, frutas como uva e banana, leite de vaca, soja e sementes como nozes e amendoim. Os alimentos citados para o ferro também são ricos em magnésio.

Vitamina A: ovo, alimentos de cores alaranjadas como cenoura, manga e mamão.  

Vitamina C: laranja, caju, acerola, goiaba e morango.

Vitamina E: espinafre, brócolis, óleo de girassol e manteiga de amendoim.

O colágeno hidrolisado vem sendo apontado como um aliado na prevenção da queda capilar. Já que esse nutriente atua deixando os cabelos mais  fortes, resistentes e brilhantes.

Colágeno para queda de cabelo

Vale lembrar que o ideal é consultar um dermatologista para confirmação do diagnóstico de queda de cabelo e um nutricionista para adequar uma dieta nutricional.

O colágeno Verisol®, é composto por peptídeos bioativos de colágeno, com ação específica para essa região, e tem estudos científicos que comprovam sua eficácia. Ele atua impedindo a retenção de água na raiz do cabelo e, assim, reduz o ressecamento capilar. 

A dose recomendada para a suplementação de colágeno é de  2,5 a 3 g, ao dia para observar seus benefícios com o uso, por no mínimo 8 semanas. 

Quedas de cabelo e vitaminas

Como mencionado anteriormente muitas vitaminas estão associadas à saúde e ao fortalecimento dos cabelos. Mas, há situações em que o consumo e o uso dessas vitaminas podem causar efeitos reversos e gerar queda de cabelos ao invés de impedi-la. Por isso, a Sociedade Brasileira do Cabelo alerta que algumas vitaminas merecem atenção tanto para seus efeitos positivos quanto adversos para a saúde capilar.

Vitamina C

A vitamina C tem papel fundamental nos cuidados com o cabelo. O ácido L-ascórbico, conhecido popularmente como vitamina C, auxilia na produção  de enzimas (a lisil e a prolil hidroxilases) que atuam na produção de colágeno, tanto do tipo I quanto do tipo II no corpo humano. 

A suplementação de vitamina C pode ser uma opção interessante, para você conseguir obter todos os seus benefícios. Mas claro, lembre-se de manter, também, uma dieta alimentar bem equilibrada.

Vitamina A

Segundo a Sociedade Brasileira do Cabelo, a vitamina A possui os dois lados da moeda. Quando é consumida dentro das recomendações favorece o crescimento capilar e quando consumida em excesso pode causar a queda dos cabelos. É algo raro de acontecer, mas fique atento e busque orientação profissional para evitar esse efeito adverso.

Sobre a utilização de produtos com vitamina A, a mesma regra vale. Já que seu uso excessivo pode causar a queda dos fios também.

Vitaminas do complexo B

Tão importante quanto a vitamina A para os cabelos, a vitamina B está presente em alimentos de origem animal como ovos e carnes. A suplementação dessa vitamina, especialmente para vegetarianos e veganos, pode ajudar no fortalecimento capilar também. 

Vitamina K

Essa vitamina tem ação apenas no local onde foi aplicada diretamente, por isso vai ter uma ação limitada na pele e nos cabelos.

E fica um alerta para um mito: o uso de shampoos com vitaminas não gera benefícios no organismo, como um todo.

Outras causas de queda de cabelo

Uma fator muito comum, que causa a queda de cabelos, é a genética, ou seja, acontece pois os genes de calvície são passados de geração para geração. Um exemplo disso é a “Alopécia androgênica”, que se caracteriza pela queda de cabelos na região frontal da cabeça, e é derivada de um fator genético.

O tratamento envolve medicação e cirurgia de implante capilar, não havendo cura. Se for seu caso, a orientação é consultar um dermatologista para avaliar qual o melhor tratamento.

Queda de cabelos e medicamentos

Lembrando novamente: busque orientação médica antes de realizar qualquer tratamento que envolva medicação. Mas apenas para seu conhecimento, o tratamento envolvendo medicamentos comuns para combater as causas da queda de cabelo envolvem: corticoides, vasodilatadores, anti-inflamatórios e imunossupressores.

Quedas de cabelo em homens

As causas envolvendo a queda de cabelos em homens estão relacionados a  fatores hereditários, genéticos e má alimentação.

No quesito alimentação, a mesma orientação para gestantes vale para os homens. Manter uma alimentação equilibrada, combinada com vitaminas e colágeno pode ajudar a minimizar a queda, mas não exclui o tratamento médico.

Queda de cabelo em crianças

Menos comum que em adultos, as principais causas relacionadas a queda de cabelo em crianças são: fungos, eflúvio telógeno (igual as gestantes), má alimentação e infecções bacterianas como amidalite (infecção nas amígdalas, na garganta).

A recomendações nutricionais para esse público variam, de acordo com a fase de desenvolvimento e a idade que estão. Então a quantidade de vitaminas, minerais e nutrientes são diferentes, mas claro, são eficazes no combate da queda de cabelo.

Por fim, lembre-se que manter uma dieta rica em vitaminas e minerais ajuda a combater a queda de cabelo para ambos os sexos e em diferentes idades. Mas consultar um médico é indispensável, já que algumas das causas da queda de cabelo são doenças e precisam de medicação.

E além de manter uma alimentação adequada, é muito válido apostar numa suplementação com colágeno hidrolisado. Essa proteína vai te trazer benefícios para a saúde dos cabelos, além de contribuir para a vitalidade da pele e das unhas.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar o melhor colágeno para a pele?

Referências:

Sociedade Brasileira de Dermatologia

KIM, D. U. et al. Oral Intake of Low-Molecular-Weight Collagen Peptide Improves Hydration, Elasticity, and Wrinkling in Human Skin: A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Study. Nutrients, v. 10, n. 7, Jun 2018. ISSN 2072-6643.

GONÇALVES, Gleidiana Rodrigues et al. Benefícios da ingestão de colágeno para o organismo humano. Revista Eletrônica de Biologia (REB). ISSN 1983-7682, v. 8, n. 2, p. 190-206, 2015.

PEDROSO, Maitê Golinelli Vanella. Estudo comparativo de colágeno hidrolisado e comercial com adição de PVA. 2009. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

MANELA-AZULAY, Mônica et al. Vitamin CAnais brasileiros de dermatologia, v. 78, n. 3, p. 265-272, 2003.