De acordo com a regulamentação para suplementação (RDC nº 243, de 26 de julho de 2018 – ANVISA) toda suplementação deve possuir alegações de benefícios de acordo com pesquisas científicas.

Pois é a forma mais segura e rápida de conseguir resultados confiáveis. Baseado nesse conceito, vamos apresentar os estudos científicos envolvendo o Verisol e porque ele é considerado o melhor colágeno do mercado.

Verisol é o melhor colágeno

O colágeno Verisol não é um colágeno hidrolisado. Na verdade, o Verisol é um peptídeo bioativo de colágeno hidrolisado do tipo 1. Isso significa que é uma molécula de colágeno menor que o colágeno hidrolisado. Por esse motivo o peptídeo bioativo de colágeno hidrolisado do tipo 1 consegue promover efeitos específicos no organismo.

Vamos explicar:

Nos anos 90 o colágeno hidrolisado ganhou bastante atenção, porque naquela época iniciaram-se as primeiras pesquisas. Em que descobriram que o colágeno está presente em determinadas regiões do organismo.

Ou seja, estudos iniciais, mostrando inicialmente que a região de maior concentração de colágeno é na pele. Descobriram também, que essa concentração de colágeno na pele diminui com o passar dos anos. E essa queda de colágeno está associada principalmente a perda de elasticidade da pele.

E foi nesse ponto que surgiu o suplemento de colágeno hidrolisado, pois viram nesse suplemento a oportunidade de retardar o processo natural de perda de colágeno pelo organismo.

Porém, anos mais tarde, pesquisadores descobriram que na verdade, o colágeno hidrolisado não apresenta nenhuma ação específica quando consumido. Pois ao passar pelo processo de metabolismo, a molécula inicial se desfaz formando compostos que não possuem ação específica ao organismo, além de fornecer mais proteínas na dieta.

Por esse motivo, os profissionais da saúde começaram a deixar de recomendar o colágeno hidrolisado para a melhora da pele.

Anos mais tarde, surgi o suplemento de peptídeo bioativo de colágeno hidrolisado, que é a menor molécula possível de colágeno.

Que em teoria resolveria o problema do colágeno hidrolisado, já que o peptídeo bioativo de colágeno não seria metabolizado em um componente menor. E por esse motivo, seria um suplemento com ação específica na melhora da aparência da pele.

As próximas pesquisas com o Verisol mostraram que ele realmente atuava na melhora da aparência da pele.

Benefícios do colágeno Verisol para a pele

Essas pesquisas avaliaram o consumo regular de Verisol em homens e mulheres com idades a partir de 25 anos e quais os resultados desse consumo para a pele.

Em diferentes pesquisas, foi comprovado que a partir de 8 semanas de consumo com 3g de Verisol essas mulheres tiveram benefícios reais na melhora da pele.

Benefícios como aparência mais jovial da pele, diminuição de rugas e linhas de expressão, melhora da elasticidade, flacidez e efeitos secundários como: fortalecimento das unhas e também do cabelo.

Resumindo…

O colágeno Verisol é o melhor colágeno para a pele por promover benefícios comprovados cientificamente para a melhora da aparência da pele, unhas e cabelo.

 

Quer saber mais?

Como escolher a melhor marca de colágeno?

Diferenciais do melhor colágeno para a sua pele

Que tal um desconto especial para experimentar o melhor colágeno para a pele? 

 

Referências:

PROKSCH, E. et al. Oral supplementation of specific collagen peptides has beneficial effects on human skin physiology: a double-blind, placebo-controlled study. Skin pharmacology and physiology, v. 27, n. 1, p. 47-55, 2014.

PROKSCH, E. et al. Oral intake of specific bioactive collagen peptides reduces skin wrinkles and increases dermal matrix synthesis. Skin pharmacology and physiology, v. 27, n. 3, p. 113-119, 2014.

HEXSEL, Doris et al. Oral supplementation with specific bioactive collagen peptides improves nail growth and reduces symptoms of brittle nails. Journal of cosmetic dermatology, v. 16, n. 4, p. 520-526, 2017.

SCHUNCK, Michael et al. Dietary supplementation with specific collagen peptides has a body mass index-dependent beneficial effect on cellulite morphology. Journal of medicinal food, v. 18, n. 12, p. 1340-1348, 2015.