Pular para o conteúdo
Home » Todos os posts » Spirulina: para que serve, benefícios e como usar

Spirulina: para que serve, benefícios e como usar

spirulina em pó
6 minutos de leitura

A spirulina é uma alga azul que, por conter muitas propriedades nutricionais, é utilizada como suplemento humano e animal, na indústria farmacêutica e de cosméticos. 

Esta alga é originalmente produzida nas lagoas de água doce da África e América Latina. Contudo, por possuir capacidade adaptativa a diversos ambientes, seu cultivo foi disseminado para outras áreas do globo. 

Hoje em dia, várias empresas em todo o mundo cultivam a spirulina com o objetivo de comercializá-la devido aos seus benefícios. Para o consumo, é disponibilizada em spirulina em pó, em cápsula e em flocos.

Para que serve a spirulina?

A spirulina é rica em proteínas, ômega 3 e 6, zinco, ferro, vitaminas e outros nutrientes essenciais. 

A spirulina também possui atividade contra microorganismos, função antioxidante, anti-inflamatória, na prevenção da diabetes e hipertensão, entre outras. 

Além disso, também proporciona uma melhora do perfil lipídico, redução de danos causados pelo exercício físico e desempenha uma função auxiliar no processo de emagrecimento. 

receita com spirulina em pó

Principais benefícios da spirulina 

1. Combate à desnutrição 

A spirulina pode ser uma alternativa nutricional para combater estados de desnutrição. 

Devido ao seu perfil nutricional, rica em proteínas, vitaminas, minerais, ácidos graxos e conter todos os aminoácidos essenciais, pode ser utilizada como suplemento para enriquecer a dieta. 

A maior parte da massa seca da spirulina é formada por proteínas – cerca de 74%. Também possui abundância de vitamina B12, B2, B1, B6, E e K, além de outros nutrientes, como ferro, fósforo, cálcio, magnésio, potássio, selênio e zinco. 

2. Melhora do perfil lipídico 

A avaliação do perfil lipídico se dá por meio da mensuração da concentração de lipoproteínas no sangue. Essas lipoproteínas são: colesterol, triglicerídeos, LDL, VLDL, ILDL e HDL. 

Alterações nas concentrações dessas lipoproteínas constituem fator de risco para diversas doenças, como aterosclerose e infarto agudo do miocárdio. 

Portanto, manter o perfil lipídico dentro do desejável é importante, principalmente, para a saúde do coração. 

O consumo de spirulina tem efeito redução do colesterol, com diminuição do LDL (conhecido como “colesterol ruim”) e aumento do HDL (o “colesterol bom”).

3. Tratamento da hipertensão arterial 

A spirulina tem propriedades que causam a dilatação dos vasos sanguíneos, o que contribui para a diminuição da pressão arterial. 

4. Prevenção da diabetes 

A diabetes é uma síndrome metabólica que está associada à deficiência de insulina. 

Esta deficiência provoca o que chamamos de hiperglicemia, que é a concentração elevada de glicose no sangue, o que gera diversas desordens no organismo. 

A spirulina é rica em ácidos graxos poliinsaturados e ficocianina, que estimulam a produção de insulina, auxiliando na redução das concentrações de glicose no sangue. 

mulher bebendo shake com spirulina

5. Auxilia no emagrecimento e combate à obesidade 

A  ingestão de spirulina ocasiona o aumento de alguns aminoácidos na circulação. Como efeito desse aumento, há um estímulo da produção de hormônios que atuam no centro da saciedade, reduzindo o apetite. 

Além disso, a spirulina aumenta a atividade da lipase lipoproteica, enzima responsável pela “quebra” dos triglicerídeos e da regulação da distribuição da gordura corporal. 

6. Atividade anti-inflamatória e antioxidante 

A ficocianina, presente na spirulina, possui propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. 

Durante o processo de respiração, algumas espécies reativas de oxigênio são produzidas. Essas espécies são capazes de provocar danos ao DNA, chamado de oxidação. 

A ficocianina tem a capacidade de proteger o DNA celular contra esses danos e, por isso, tem efeito antioxidante. 

Além disso, a ficocianina também diminui a produção de substâncias relacionadas aos processos inflamatórios. 

7. Diminuição da toxicidade renal 

Algumas substâncias, como mercúrio e paracetamol, quando acumuladas no rim, podem exercer efeito tóxico sobre o órgão. 

A ingestão de spirulina tende a proteger os rins dos efeitos tóxicos dessas substâncias. 

Por conta dessa função protetora, alguns estudos sugerem, inclusive, que a spirulina pode ter um papel benéfico em casos de envenenamento por metais pesados. 

8. Atividade antimicrobiana 

A spirulina também possui a capacidade de combater vírus, bactérias, fungos e parasitas. 

Essa atividade antimicrobiana está relacionada a sua capacidade de produzir compostos fenólicos e ficocianina, que interagem com as membranas dos microrganismos. 

9. Proteção contra o câncer

O câncer é uma doença genética, multifatorial, causada pela proliferação desordenada de células por conta de uma mutação no DNA. 

A spirulina é rica em betacaroteno, um precursor da vitamina A, que possui a capacidade de controlar a proliferação celular nos tecidos. 

10. Redução do dano muscular provocado por exercício físico

Devido às suas propriedades antioxidantes, a spirulina previne e reduz os efeitos dos danos musculares causados pelo exercício físico intenso. 

Como usar a spirulina 

A spirulina é comercializada em cápsula, flocos e em pó. Ela pode ser consumida apenas com água ou ser utilizada como ingrediente na preparação de sucos, shakes, vitaminas ou outras refeições. 

As quantidades diárias recomendadas podem variar de acordo com a pessoa e o objetivo. 

Por essa razão, antes de iniciar o consumo de spirulina, procure um médico ou nutricionista, a fim de ser orientado sobre a melhor forma de consumo deste suplemento

Segundo alguns estudos, a quantidade máxima diária deve ficar entre 8 a 10 g de spirulina. Você pode optar consumir uma única vez ao ou fazer o fracionamento dessa quantidade em diferentes refeições.  

Efeitos colaterais da spirulina 

Algumas pessoas podem apresentar náuseas, vômitos e dores de cabeça por conta devido a sua ingestão. 

Caso ultrapasse a quantidade diária recomendada, alguns indivíduos podem apresentar algumas reações alérgicas. 

A spirulina não é indicada para gestantes, lactantes ou pessoas que possuem fenilcetonúria. 

Quer saber mais?

Referências: 

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. Engenharia Química. Spirulina: Uma Revisão. 29 de jun de 2020. 

CENTRO DE PÓS GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E PESQUISA OSWALDO CRUZ. CIANOBACTÉRIA Arthrospira (Spirulina) platensis: Biotecnologia e Aplicações. 2019. 

REVISTA DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS BÁSICA E APLICADA. Propriedades de Saúde de Spirulina spp. 06 de jun de 2008. 

4.3/5 - (6 voto(s))

Nutricionista pela Universidade de São Paulo (USP).

Experiência acadêmica em pesquisa científica, trabalhando com projeto sobre tratamento de epilepsia com dieta cetogênica. Atuação em educação alimentar, desenvolvendo curso de capacitação para professores da rede pública sobre nutrição.

Trabalha com marketing de conteúdo, com foco na divulgação de informação de qualidade baseada em ciência sobre alimentação e suplementação.

Marcações:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.