Home » O que você precisa saber sobre Vitamina D | Dra. Priscila Gontijo

O que você precisa saber sobre Vitamina D | Dra. Priscila Gontijo

Vitamina d 3.
9 minutos de leitura

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel e também é considerada um hormônio devido a sua estrutura química e função. Existem vários nomes relacionados a vitamina D, os quais foram atribuídos de acordo com a origem ou estágio da vitamina D no metabolismo humano. São eles:

  • Vitamina D ou calciferol: é a forma química da vitamina D, se refere tanto a vitamina D2 quanto a D3;
  • Vitamina D2 ou ergocalciferol: é a forma da vitamina D de origem vegetal;
  • Vitamina D3 ou colecalciferol: é a forma da vitamina D de origem animal;
  • Calcidiol: representada pela nomenclatura química 25-hidroxivitamina D ou 25-(OH)D, é a forma da vitamina D no corpo depois de ser absorvida pelo fígado e disponibilizada na corrente sanguínea;
  • Calcitriol: representada pela nomenclatura química 1,25-dii-hidroxivitamina D ou 1,25 (OH)2D, é a forma funcional da vitamina D, responsável pelos benefícios no organismo.

Para que serve a vitamina D?

A vitamina D é importante para promover várias funções no organismo humano, mas a principal pela qual ela é conhecida, é o seu papel na absorção do cálcio e do fósforo. Manter os níveis normais desses minerais na corrente sanguínea é fundamental para a promoção do crescimento ósseo e muscular.

Devido a isso, a falta da vitamina D está associada com doenças ósseas como o raquitismo em crianças e osteopenia e osteomalácia em adultos. Além disso, a vitamina D participa do controle de vários processos biológicos importantes para a manutenção da saúde. 

Alguns exemplos são a produção de antibióticos naturais pelas células de defesa dos mamíferos, modula a imunidade em inflamações e ou doenças auto imunes, atua na prevenção e controle de doenças crônicas (hipertensão arterial, diabetes e obesidade) e no tratamento de células cancerígenas.

Evidências recentes sugerem que a vitamina D quando em níveis adequados no organismo favorece: 

  • Melhora da composição corporal;
  • Prevenção de doenças ósseas (osteoartrite, osteomalácia, osteopenia e raquitismo);
  • Regeneração muscular;
  • Estrutura cardíaca;
  • Redução de inflamações; 
  • Prevenção de autismo;
  • Tratamento da esclerose múltipla;
  • Função imunológica.

Como adquirir vitamina D?

A vitamina D é um micronutriente relativamente fácil de se adquirir, pode ser encontrada em alimentos de origem animal na forma de vitamina D3, ou de vegetal na forma de vitamina D2. 

Também pode ser encontrada na forma de suplementos em cápsulas ou gotas e produzida pelo próprio corpo com a ajuda do sol. A proporção é que 20% da vitamina D que absorvemos vem da alimentação e 80% é produzida pelo próprio corpo. 

Alimentos fontes de vitaminas D

Os alimentos com vitamina D de origem animal como peixes gordurosos de águas profundas e geladas (salmão, cavala, sardinha, óleo de fígado de bacalhau). Os alimentos de origem vegetal que fornecem o nutriente são leveduras, fungos e cogumelos (Shiitake).

Em alguns países, como Estados Unidos e Canadá, alguns alimentos são fortificados como leite e ovos. Com exceção dos alimentos fortificados, as fontes de vitamina D não são alimentos consumidos com frequência pela cultura ocidental.

Sol e vitamina D

A maior parte da vitamina D que absorvemos é produzida no corpo com ajuda luz solar. Para isso, é necessário uma exposição por 15 minutos diários ao sol em períodos considerados seguros para quem mora em regiões tropicais.

O melhor horário para tomar sol para ativar a vitamina D no período da manhã é até as 10h, e no período da tarde após às 16h, de preferência sem o uso de protetor solar e com o cuidado de não ultrapassar muito tempo além dos 15 minutos.

A relação entre vitamina D e o sol é importante, pois a luz UVB é a única com energia suficiente para quebrar uma molécula presente naturalmente em nossa pele capaz de originar o nutriente.

Suplementação de vitamina D

Existem suplementos de vitamina D em cápsulas, comprimidos, gotas e até injetáveis. Para definir qual a melhor opção para você tomar vitamina D, primeiro descubra qual é a concentração de vitamina D no seu sangue, através de exames de rotina que podem ser solicitados por médicos e nutricionistas.

Depois escolha a concentração, lembrando que 2000 ui é uma média de concentração considerada adequada e segura para o consumo, e o formato (cápsula, comprimido, gotas, injetável) que te dê mais conforto para te ajudar a criar o hábito e não esquecer de tomar todos os dias.

Como funciona o metabolismo da Vitamina D?

A vitamina D, independente se consumida dos alimentos, suplementos ou se produzida pela pele, precisa passar por dois processos no metabolismo até chegar na sua forma ativa (Calcitriol), responsável pelos efeitos biológicos no organismo.

Primeiro na forma de vitamina D, D2 ou D3, ela vai para o fígado, onde é transformada em calcidiol. Depois ela vai para os rins e para o sangue, por isso, o calcidiol é o formato detectado nos exames de sangue. Tanto os rins quanto algumas células do corpo possuem receptores para transformar o calcidiol em calcitriol (forma ativa da vitamina D).

No formato calcitriol, a vitamina D participa de diversas funções orgânicas promovendo os benefícios para a saúde.

Qual é o nível correto da Vitamina D no sangue?

Os valores de referência para o nível correto da vitamina D no sangue segundo a National Institutes of Health (NIH) são: 

VITAMINA D NO SANGUE (nmol/L)DIAGNÓSTICO
inferior a 30Deficiência
30 a 50Inadequação
Superior a 50Adequado
Superior a 125Risco de efeitos adversos
Superior a 150Potenciais efeitos adversos

Quer saber mais?

Referências:

ALVES, M et al. Vitamina D–importância da avaliação laboratorial. Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Disponível em <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1646343913000084>

AHMAD, N.  et al. Acute respiratory failure and generalized hypotonia secondary to vitamin D dependent rickets type 1A. Int J Pediatr Adolesc Med, v. 5, n. 2, p. 78-81, Jun 2018. ISSN 2352-6467. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30805538 >. 

 CHEN, F.  et al. Association Among Dietary Supplement Use, Nutrient Intake, and Mortality Among U.S. Adults: A Cohort Study. Ann Intern Med, Apr 2019. ISSN 1539-3704. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30959527 >.

 CONSTANTINI, N. W.  et al. High prevalence of vitamin D insufficiency in athletes and dancers. Clin J Sport Med, v. 20, n. 5, p. 368-71, Sep 2010. ISSN 1536-3724. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20818195 >.

DE CASTRO, L. C. G. O sistema endocrinilógico vitamina D. Arq Bras Endocrinol Metab. 2011;55/8. Disponível em <https://www.aem-sbem.com/media/uploads/566_575_ABEM_558.pdf>.

 DAS, A.  et al. Prospective Associations Between Dietary Antioxidant Intake and Frailty in Older Australian Men: The Concord Health and Ageing in Men Project. J Gerontol A Biol Sci Med Sci, Apr 2019. ISSN 1758-535X. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30955034>.

HE, C. S.  et al. Is there an optimal vitamin D status for immunity in athletes and military personnel? Exerc Immunol Rev, v. 22, p. 42-64, 2016 2016. ISSN 1077-5552. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26853300>.

______. Influence of vitamin D status on respiratory infection incidence and immune function during 4 months of winter training in endurance sport athletes. Exerc Immunol Rev, v. 19, p. 86-101,  2013. ISSN 1077-5552. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23977722/>.

 KHAYYATZADEH, S. S.  et al. What is the Best Solution to Manage Vitamin D Deficiency? IUBMB Life, Apr 2019. ISSN 1521-6551. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30932323>.

 KÖNIG, D.  et al. Specific Collagen Peptides Improve Bone Mineral Density and Bone Markers in Postmenopausal Women-A Randomized Controlled Study. Nutrients, v. 10, n. 1, Jan 2018. ISSN 2072-6643. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29337906>.

MAEDA, S. S. et al. Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D. Arq Bras Endocrinol Metab. 2014;58/5. Disponível em <http://www.tireoide.org.br/media/uploads/consensos-2015/hipovitaminose_d.pdf>.

MARQUES, C. D. L et al. A importância dos níveis de vitamina D nas doenças autoimunes. Rev Bras Reumatol 2010;50(1):67-80.

MAZAHERY, H.  et al. A randomised controlled trial of vitamin D and omega-3 long chain polyunsaturated fatty acids in the treatment of irritability and hyperactivity among children with autism spectrum disorder. J Steroid Biochem Mol Biol, v. 187, p. 9-16, Mar 2019. ISSN 1879-1220. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30744880/ >

 PASTUSZAK-LEWANDOSKA, D.  et al. Expression levels of selected cytokines and microRNAs in response to vitamin D supplementation in ultra-marathon runners. Eur J Sport Sci, p. 1-26, Jun 2019. ISSN 1536-7290. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31241425 >.

SCHUCH, N. J; GARCIA, V. C & MARTINI, L. A. Vitamina D e doenças endocrinometabólicas. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53/5. Disponível em <https://core.ac.uk/download/pdf/37461003.pdf>.

TODD, J. J.  et al. Oral spray wintertime vitamin D. Scand J Med Sci Sports, v. 27, n. 11, p. 1300-1307, Nov 2017. ISSN 1600-0838. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27704631 >.

______. Vitamin D: recent advances and implications for athletes. Sports Med, v. 45, n. 2, p. 213-29, Feb 2015. ISSN 1179-2035. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25252613 >. 

WILLIS, K. S.; PETERSON, N. J.; LARSON-MEYER, D. E. Should we be concerned about the vitamin D status of athletes? Int J Sport Nutr Exerc Metab, v. 18, n. 2, p. 204-24, Apr 2008. ISSN 1526-484X. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18458363>.

Avalie este post
Priscila Gontijo Correa

Nutricionista e Mestre em Ciências pela UNIFESP.

Experiência acadêmica em pesquisa científica. Atua como professora convidada em cursos de graduação e pós graduação na área da saúde.

Profissional com sólida formação em pesquisa e inovação. Atua na interseção entre o desenvolvimento de produtos com base em ciências e inovação para a saúde, e o marketing de conteúdo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.