ômega 3 é uma gordura encontrada no óleo de peixes de regiões frias e em algumas sementes, quando ingerido em quantidades recomendadas traz muitos benefícios para o corpo humano.

É um nutriente essencial, ou seja, não é produzido pelo organismo humano e, apesar de possível, quase não é consumido com regularidade em quantidades satisfatórias apenas pela alimentação. 

Benefícios do ômega  3

Os benefícios do ômega 3 são retratados por milhões de pessoas ao redor do mundo. A suplementação com esse nutriente é uma das poucas com embasamento científico consistente.

Com mais de 30 mil estudos dentre ensaios in vitro, in vivo, clínicos randomizados e meta-análises realizados nos últimos 35 anos (1,2).

Além de ser importante para a absorção de vitaminas (mais precisamente lipossolúveis A, D, E e K) e de ser uma fonte de energia, o ômega 3 possui outras propriedades extremamente importantes para nossa saúde. Confira abaixo os benefícios do ômega 3:

Benefícios do ômega 3

1 – Saúde do sistema cardiovascular

Diversos estudos comprovam o efeito protetor do ômega 3 na saúde cardiovascular. Dentre eles estão: a regulação da pressão arterial, redução dos triglicerideos, ação antioxidante e anti-inflamatória.

Esses fatores ajudam como prevenção e tratamento para várias doenças autoimunes e crônicas e na melhora nos níveis de HDL e VLDL, como mostra esse estudo, da Sociedade Americana de Ciências Nutricionais, que relacionou o consumo de peixe com um perfil menos aterogênico de lipoproteínas.

2- Saúde cerebral 

O DHA é incorporado pelas membranas celulares dos neurônios, resultando em uma melhora da ligação dos neurotransmissores aos seus receptores, o que na prática, significa uma melhora da comunicação entre as células cerebrais.

O DHA também está relacionado com o estímulo da produção de hormônios como serotonina e dopamina, que se encontram em baixas concentrações em pessoas depressivas.

Estudos in vivo viram que a suplementação com DHA aumenta a atividade do eixo hipotalâmico da adrenal pituitária, o qual integra o sistema neuroendócrino, o que na prática, significa uma melhora do humor e diminuição da agressão e respostas de luta ou fuga relacionados com a ansiedade.

Sendo assim, é possível que o consumo adequado do ômega 3 melhore o controle das emoções e do humor do indivíduo, reduzindo sintomas depressivos, falta de libido e insônia, que são sintomas encontrados com frequência em pacientes com depressão e ansiedade.

O ômega 3 foi relacionado com a depressão em 1998, quando cientistas notaram níveis mais baixos da substância no sangue dos pacientes que tinham a doença. Também foi visto que em países onde o consumo médio de peixe é mais alto, os casos de depressão são menos recorrentes.

Para referências internacionais como o Pubmed, há uma grande relação entre o consumo de ômega 3 e a depressão, porém ainda há muito espaço para novas descobertas, análises e conclusões.

3- Melhora a visão e o desenvolvimento neuro-cognitivo infantil

Várias pesquisas mostraram que o ômega 3 é crucial para o desenvolvimento cerebral na infância e para o amadurecimento de um cérebro saudável. Além de comprovar que o ômega 3 melhora a acuidade visual de crianças, além de poder favorecer seu desenvolvimento neuro-cognitivo.

4-  Prevenção de doenças cardiovasculares e cerebrais

Tal ácido graxo ajuda a estabilizar o ritmo cardíaco (evitando arritmias), diminui a pressão arterial, melhora o fluxo sanguíneo, reduz os triglicérides e evita a formação de trombos. Portanto, o ômega 3 é um grande aliado na prevenção das doenças cardíacas.

Um estudo de 2004 da Sociedade Americana de Ciências Nutricionais relacionou o consumo de peixe com um perfil menos aterogênico de lipoproteínas, melhorando os níveis de HDL e VLDL.

Nós explicamos tudo sobre esse assunto aqui neste post. Em um estudo foi comprovado que a suplementação com base de óleo de peixes foi responsável por aumentar os níveis de adiponectina no sangue das pessoas que participaram da pesquisa, resultando na melhora da sensibilidade à insulina desses indivíduos.

O ômega 3 aperfeiçoa a função da insulina, ajudando no controle dos índices glicêmicos. Isso previne o diabetes tipo 2 e melhora o controle da glicemia de quem já possui a doença.

As taxas de depressão permanecem mais baixas em países que consomem bastantes peixes de água fria. Uma metanálise de 2015 provou que o alto consumo de peixe está associado a um menor risco de depressão. Atribui-se isto ao fato que os ácidos graxos como o ômega 3 ajudam a manter estáveios os níveis de dopamina e estimulam o crescimento neuronal no córtex frontal, melhorando o humor.

Consumir ômega 3 ao menos 3 vezes por semana reduz em 26% o risco de lesões cerebrais demenciais, como as que causam o Mal de Alzheimer, a Doença de Parkinson e outras.

5- Contribui para a prevenção de alguns tipos de cânceres

Consumir ômega 3 pode ajudar na prevenção do câncer de mama, de intestino e de próstata. Além disso, como ele diminui a atividade estrogênica, ajuda também a evitar a disseminação de metástases no câncer de mama.

As gorduras poli-insaturadas EPA e DHA (ácido eicosapentaenoico e ácido decosahexaenoico), presentes nos alimentos e suplementos fontes do nutriente podem ter um impacto significativo no câncer, isso porque podem inibir a carcinogênese, retardar o crescimento de tumores e aumentar a eficácia da radioterapia e de várias drogas quimioterápicas, como mostra esse estudo.

6- Fortalece o sistema imunológico

Assim como o ômega 6 e o 9, o ômega 3 ajuda nosso organismo a reforçar suas defesas naturais. Esses ácidos graxos reduzem a formação de citocinas pró-inflamatórias, atenuando o catabolismo proteico, o que melhora a resposta imunológica. Há estudos em pacientes com câncer que evidenciaram melhora no estado nutricional e na resposta inflamatória com suplementação de ômega 3.

7- Proteção da retina.

 O DHA fornece proteção para a mácula densa, região que protege a retina.

8- Ômega 3 na gestação

Segundo pesquisas o ômega 3 é responsável por processos decisivos durante a gravidez, atuando no desenvolvimento e funcionamento do cérebro e dos olhos, no desempenho cognitivo e no sistema imunológico, prevenindo alergia nos bebês e também pode reduzir deficiências em prematuros. O nutriente também é fundamental na primeira infância e continua promovendo benefícios para a criança

9- Melhora o desempenho esportivo

Ao reduzir a viscosidade sanguínea, o ômega 3 facilita a distribuição de sangue rico em oxigênio para o tecido muscular. Dessa forma, ele melhora o desempenho em atividades aeróbicas como natação e corrida, sendo usado inclusive para melhorar a performance de atletas.

9- Previne e ajuda na osteoporose

O Ômega 3 retarda a perda de massa óssea e, em pessoas que já possuem osteoporose, aumenta a densidade do fêmur e da coluna vertebral.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um ômega 3 de altíssima qualidade?

Referências:

MORI, Trevor A. Omega-3 fatty acids and cardiovascular disease: epidemiology and effects on cardiometabolic risk factors. Food & function, v. 5, n. 9, p. 2004-2019, 2014.

LI, Zhengling et al. Fish consumption shifts lipoprotein subfractions to a less atherogenic pattern in humansThe Journal of nutrition, v. 134, n. 7, p. 1724-1728, 2004.

INNIS, Sheila M. Dietary omega 3 fatty acids and the developing brainBrain research, v. 1237, p. 35-43, 2008.

BECIC, Tarik; STUDENIK, Christian. Effects of Omega-3 Supplementation on Adipocytokines in Prediabetes and Type 2 Diabetes Mellitus: Systematic Review and Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Diabetes & metabolism journal, v. 42, n. 2, p. 101-116, 2018.

LI, Fang; LIU, Xiaoqin; ZHANG, Dongfeng. Fish consumption and risk of depression: a meta-analysis. J Epidemiol Community Health, v. 70, n. 3, p. 299-304, 2016.

MORTON, Sally C.; PASSARO, Austin; BLAUTH, Bruna. Effects of omega-3 fatty acids on cancer risk. JAMA The Journal of the American Medical Association, v. 295, n. 4, p. 403-15, 2006.

PANDALAI, Prakash K. et al. The effects of omega-3 and omega-6 fatty acids on in vitro prostate cancer growth. Anticancer research, v. 16, n. 2, p. 815-820, 1996.

GIOVANNUCCI, Edward et al. A prospective study of dietary fat and risk of prostate cancer. JNCI: Journal of the National Cancer Institute, v. 85, n. 19, p. 1571-1579, 1993.

PANDALAI, Prakash K. et al. The effects of omega-3 and omega-6 fatty acids on in vitro prostate cancer growth. Anticancer research, v. 16, n. 2, p. 815-820, 1996.

PERINI, João Ângelo De Lima et al. Ácidos graxos poli-insaturados n-3 e n-6: metabolismo em mamíferos e resposta imuneRev. nutr, p. 1075-1086, 2010.

GARÓFOLO, Adriana; PETRILLI, Antônio Sérgio. Balanço entre ácidos graxos ômega-3 e 6 na resposta inflamatória em pacientes com câncer e caquexia. Revista de Nutrição, 2006.

GONZÁLEZ, Francisca Echeverría; BÁEZ, Rodrigo Valenzuela. IN TIME: IMPORTÂNCIA DOS ÔMEGA 3 NA NUTRIÇÃO INFANTIL. Revista Paulista de Pediatria, v. 35, n. 1, p. 3-4, 2017.

LOGAN, Samantha L.; SPRIET, Lawrence L. Omega-3 fatty acid supplementation for 12 weeks increases resting and exercise metabolic rate in healthy community-dwelling older females. PLoS One, v. 10, n. 12, p. e0144828, 2015.