A polêmica sobre o Ômega 3 e doenças cardiovasculares surgiu em 2018 e com esse post vamos construir e descontruir algumas ideias juntos, baseado na literatura científica de qualidade

Mito ou verdade?

Diversas publicações mostram que o ômega 3 traz benefícios para a saúde do coração. Tanto é verdade que, até o momento, a renomada Associação Americana do Coração recomenda o consumo dessa gordura do bem na diretriz para o tratamento de doenças cardiovasculares.

No entanto, em meados de 2018 uma polêmica sobre Ômega 3 foi gerada após algumas mídias como Veja e G1 publicarem que a substância traz pouco ou nenhum benefício para a saúde cardiovascular.

pensando no bem-estar das pessoas que obtêm os ácidos graxos Ômega 3 através da alimentação e da suplementação fizemos um apanhado completo sobre o assunto. 

O que dizem os estudos científicos sobre os efeitos do Ômega 3 e as doenças cardiovasculares

Aqui, mostraremos tanto o estudo que deu origem à polêmica sobre ômega 3 quanto os que demonstram os benefícios desse óleo para o coração. Acompanhe!

O estudo que gerou a polêmica 

Uma revisão¹ de vários estudos sobre o assunto foi feita pelo Instituto Cochrane e, apenas com base neles, concluiu que o suplemento parece fornecer pouco ou nenhum benefício na maioria dos resultados observados.

Cabe salientar que a Cochrane Library é o principal periódico e banco de dados para revisões sistemáticas em saúde.

Foram analisados diversos estudos que avaliaram os efeitos do consumo de ômega 3 em doses maiores em comparação com a suplementação usual ou menor, especificamente, em doenças cardiovasculares.

Resultados

Segundo Abdelhamid, o autor principal do estudo, a revisão forneceu evidências de que tomar suplementos de ômega 3 (na forma de óleo de peixe, EPA ou DHA) não traz benefícios à saúde cardiovascular nem reduz as mortes por qualquer causa.

A revisão da Cochrane foi motivada por estudos que mostraram que os ácidos graxos do tipo ômega 3 não reduziam mortes por doenças cardíacas.

O que a revisão dos estudos não considerou

  1. A revisão da Cochrane deixou de fora mais de 30 mil estudos a favor do consumo do ômega 3.

  2.  Não apurou a quantidade de ômega 3 vinda da dieta. Isso seria importante, pois, se a quantia proveniente da alimentação fosse suficiente para trazer benefícios ao coração, uma suplementação não faria diferença mesmo.

    Ou seja, seria fundamental que os dados da alimentação tivessem sido descritos para que uma comparação seja, de fato, relevante.

  3. Da mesma forma, ela não considerou as quantidades de ômega 3 ingeridas diariamente, nem tampouco as matérias-primas usadas nos suplementos e suas concentrações — havia apenas óleo de peixe, ou EPA e DHA?

    Esse cuidado seria fundamental, pois é sabido entre a comunidade científica e nutricionistas que o consumo de 1000mg é referente ao EPA e DHA não 1000mg de óleo de peixe, que não traria os benefícios.

  4. Por fim, a revisão não citou os laudos técnicos de cada estudo.

Estudos sobre os efeitos positivos do Ômega 3 para doenças cardiovasculares

  1. Uma pesquisa² publicada na revista médica “JAMA Internal Medicine” observou de ômega 3 nos tecidos e no sangue de participantes de 19 estudos. Segundo o estudo, o consumo da gordura boa pela ingestão de peixes demonstrou uma diminuição de 10% do risco de morrer por ataque cardíaco.

  2.  Um estudo³ com pacientes com insuficiência cardíaca feito na Itália apontou uma discreta diminuição do risco de mortalidade por doenças cardiovasculares bem como internações por tais doenças após a suplementação diária de 1 grama de suplemento de Ômega 3 por aproximadamente quatro anos.

  3. Vários estudos4 experimentais e epidemiológicos sugerem que os ácidos graxos poliinsaturados ômega 3 podem exercer efeitos benéficos ​​na doença cardiovascular aterotrombótica, dentre elas as arritmias cardíacas.

  4. Outro estudo5 mostrou que o EPA é capaz de regular a atividade das plaquetas do sangue, evitando coágulos e, assim, diminuindo os riscos acidente vascular cerebral (AVC) e infarto. Ele também diminui os níveis de triglicerídeos e evita o acúmulo de gordura na parede das artérias e auxilia no combate às arritmias cardíacas. O resultado é a melhora do sistema circulatório e regulação da pressão arterial.

  5. Já uma outra pesquisa6 demonstra que o Ômega 3 ainda sintetiza substâncias anti-inflamatórias, que diminuem a inflamação por todo o corpo, melhorando, assim, a circulação sanguínea e os índices de colesterol. Desta forma, um de seus principais benefícios é evitar a formação de coágulos sanguíneos, diminuindo o risco de trombose e AVC.


Posição da Vhita sobre a polêmica

A Vhita sempre preza pelo que a ciência demonstra, portanto, se futuramente outros estudos forem publicados com a mesma temática e o ômega 3 deixar de ser usado pela Associação Americana do Coração (AHA) como adjuvante no tratamento de doenças cardiovasculares, a Vhita continuará comercializando suplementos que tenham resultados com comprovação científica.

E como até o momento, como citamos no início do texto, a associação recomenda o consumo de ômega 3 para tratar doenças cardiovasculares, continuaremos a comercializar Ômega 3 para esse fim, bem como para todos os outros benefícios sustentados por estudos de alta credibilidade.

Nos buscar sempre desenvolver o espírito crítico, buscando melhorias e sugestões, nos nossos produtos, texto atendimento e até mesmo de política interna. Espere isso de nós.

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um ômega 3 de altíssima qualidade?

Referências:

1- ABDELHAMID, Asmaa S. et al. Omega‐3 fatty acids for the primary and secondary prevention of cardiovascular disease. Cochrane Database of Systematic Reviews, n. 11, 2018.

2- AUNG, Theingi et al. Associations of omega-3 fatty acid supplement use with cardiovascular disease risks: meta-analysis of 10 trials involving 77 917 individualsJAMA cardiology, v. 3, n. 3, p. 225-233, 2018.

3- MOHEBI-NEJAD, Azin; BIKDELI, Behnood. Omega-3 supplements and cardiovascular diseasesTanaffos, v. 13, n. 1, p. 6, 2014.

4- ROMAGNA, Emilia. Effect of n-3 polyunsaturated fatty acids in patients with chronic heart failure (the GISSI-HF trial): a randomised, double-blind, placebo-controlled trial. 2008.

5- ELAGIZI, Andrew et al. Omega-3 polyunsaturated fatty acids and cardiovascular health: a comprehensive review. Progress in cardiovascular diseases, v. 61, n. 1, p. 76-85, 2018.

6- YANAI, Hidekatsu et al. An improvement of cardiovascular risk factors by omega-3 polyunsaturated fatty acids. Journal of clinical medicine research, v. 10, n. 4, p. 281, 2018.