Existem muitas informação sobre os benefícios da suplementação de ômega 3, pensando nisso, decidimos que vale a pena te atualizar sobre a importância do ômega 3 nas diferentes fases da vida.

Confira aqui as últimas pesquisas de sobre os benefícios do ômega 3 para gestantes, crianças e idosos! 

Mas antes, assista uma introdução sobre o que é ômega 3 e os seus benefícios na opinião de uma especialista:

Qualquer idade pode tomar ômega 3

A suplementação de ômega 3 é recomendada para todas as faixas etárias, com resultados positivos para todas as idades. Resultados que já bem esclarecidos pela literatura científica nos passando confiança e credibilidade para comunicar.

Benefícios envolvendo, melhor peso ao nascer, desenvolvimento cognitivo, aprendizado e controle de doenças cardiovasculares, inflamatórias, melhora de quadros depressivos e etc.

Confira agora os principais resultados encontrado pelos cientístas nos últimos anos sobre os diversos benefícios para gestantes, crianças e idosos e quais as recomendações para cada um.

Ômega 3 para gestantes

Assim como para toda a população, mulheres grávidas também encontram dificuldades para conseguir suprir suas necessidades de ômega 3 pela alimentação.

Além das dificuldades habituais como a baixa ingestão de peixes devido altos preços, baixa oferta e qualidade do peixe, durante a gestação é recomendado evitar o consumo de peixes crus e sem garantia de procedência já que podem estar contaminados por metais pesados. 

No Brasil apesar da sua grande costa litorânea, consome-se em média, ainda menos peixes do que em países como EUA. E por esse motivo, recomendasse além do consumo através da alimentação, a suplementação para atingir as recomendações diárias.

Para a mãe a suplementação de ômega 3 diminui quadros de pré-eclâmpsia, crescimento intrauterino, diabetes gestacional e depressão pós parto.

Enquanto para os filhos, promove um nascimento com peso adequado, menores chances de parto prematuro e hospitalização ao nascer, relação com menores chances de parto prematuro além de diminuir taxas de mortalidade de mães e filhos além de melhor aspectos cognitivos durante a infância.

Recomendações de ômega 3 para gestantes:

  • Gestantes até 50 anos: 1,4mg por dia de ômega 3
  • Mães amamentando: 1,3mg por dia de ômega 3

Ômega 3 para crianças

Essa relação de quantidade e alimentos fontes de ômega 3, se torna ainda mais relevante quando o público alvo são as crianças. Porque de modo geral, além de não gostarem de peixes, os que gostam não consomem as quantidades necessárias (mínimo de2-3x por semana). 

Entenda agora o processo de desenvolvimento e a influência da suplementação de ômega 3 para o desenvolvimento infantil.

Ômega 3 na infância

Sabendo dos benefícios do ômega 3 relacionados ao sistema nervoso central e que a deficiência dessa gordura no organismo, nas crianças, podem causar comprometimento no desempenho cognitivo e comportamental.

Os cientistas avaliaram diferentes idades e suas relações com cognição e comportamento.

Ômega 3 para crianças de 9-12 meses:

Ao suplementarem ômega 3, melhora aspectos cognitivos como a atenção ao realizar tarefas de brincadeiras ao ar livre. Além de atuar na pressão arterial de forma protetora.

Outra pesquisa observou uma melhora na imunidade nessa faixa etária, diminuindo infecções comuns durante o período, principalmente sintomas de resfriados.

Ômega 3 para crianças até 4 anos:

A suplementação diária por 4 meses, resultou em uma melhor compreensão auditiva e na aquisição de vocabulário.

Ômega 3 para crianças de 7 a 12 anos:

Crianças diagnosticadas com déficit de atenção ou hiperatividade ao suplementarem EPA e DHA aumentaram o tempo de leitura e diminuíram escores de ansiedade.

 Ômega 3 para crianças com transtorno do espectro autista (TDA)

Recentemente, um grupo de pesquisadores chineses publicaram uma revisão de mais de 30 artigos científicos sobre o tema, com um número total de mais de 100 crianças com TDA e encontraram vários efeitos positivos.

Como: melhora na hiperatividade, melhora de sinais de fadiga e reações estereotipadas como repetição continua de movimentos. Mas a análise estatística para detectar diferenças reais, de modo geral, não encontrou melhora no funcionamento e de resposta social apesar de melhorar os sintomas mencionados.

Recomendações de ômega 3 para crianças:

  • Crianças até 12 anos: 0,5 até 1,2mg por dia de ômega 3

Ômega 3 para idosos

Os idosos brasileiros, de modo geral, não possuem uma boa alimentação, segundo um estudo de pesquisadores da PUC,  o único grupo alimentar que é consumido de forma adequada, são de gorduras monoinsaturadas, e poliinsaturadas a qual pertece as gorduras do tipo ômega 3.

Essa informação é interessante pois pode estar mostrando que para essa população, eles sabem dos benefícios que o ômega 3 trás para a saúde.

Veja agora os benefícios do ômega 3 em diferentes doenças:             

Ômega 3 e doença renal crônica

A doença renal crônica se desenvolve com uma idade média de 48 até 78 anos, um estudo publicado a pouco mais de 1 mês avaliou o efeito do ômega 3 nos sintomas dessa doença, apesar de ser um estudo limitado, os resultados também são animadores: 

  • Uma dieta rica em ômega 3 dos tipos EPA e DHA, reduz a rigidez arterial, causada pelos depósitos de cálcio (um dos fatores para desenvolvimento de pressão alta).
  • A suplementação de ômega 3  dos tipos EPA e DHA também pode melhorar o estado clínico de pacientes com síndrome coronariana em diálise

Ômega 3 e doença hepática gordurosa não alcoólica 

A doença hepática, também conhecida como esteatose hepática, se caracteriza pelo acúmulo de gordura no fígado e se associa com a resistência a insulina.

Um dos mecanismos de ação do ômega 3 é estimular a produção de espécies reativas de oxigênio pelo nosso sistema de defesa, isso promove a oxidação de ácidos graxos livres, que nada mais são do que as pequenas moléculas de gorduras acumuladas no fígado.

Dessa forma, o ômega 3 funciona para ajudar o tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica. Uma revisão bem recente publicada em 18/04/2019,  concluiu que a suplementação de ômega 3 pode ser eficaz nos estágios iniciais da doença, mas não para doentes em estágio grave. 

Ômega 3 e doenças cardiovasculares

Os benefícios do ômega 3 na saúde cardiovascular foram relatados pela primeira vez após se perceber um padrão de baixa incidência de doenças relacionadas ao coração em esquimós.

E essa baixa incidência foi relacionada com alto consumo de peixes gordurosos, os quais são ricos em ômega 3. E a partir desses resultados iniciaram mais pesquisas que encontraram relação também com a diminuição da morte súbita e  a mortalidade em geral associada a doenças cardiovasculares.

A Associação Americana do Coração (American Heart Association) recomenda para pessoas com doença coronariana pelo menos uma porção de peixe rico em ômega 3 (ex: salmão, atum, sardinha e arenque) ao dia.

Enquanto a recomendação para aqueles que além de doenças cardiovasculares possuem também níveis elevados de triglicerídeos a recomendação aumenta para até 4g/dia para a sua diminuição.

Recomendações de ômega 3 para idosos:

  • Idosos saudáveis: 1,2mg a 1,6mg  por dia de ômega 3
  • Idosos com doenças cardiovasculares, renais e hepáticas: Até 4g ao dia de ômega 3 (busque orientação profissional para dose ideal)

Ômega 3 é fundamental?

Como apresentamos, tomar ômega 3 trás benefícios a saúde independente da idade, promovendo efeitos positivos a saúde em diversas faixas etárias e ciclos da vida.

Um ponto importante é priorizar o consumo de ômega 3 em relação ao ômega 6. Já que o ômega 3 é associado a diversos benefícios com uma proporção adequada de ômega 6.

Portanto, invista em uma dieta a base de alimentos naturais como frutas, verduras e legumes, e pequenas porções de sementes como nozes, castanhas e sementes, por serem ricos em ômega 6. 

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um ômega 3 de altíssima qualidade?

Referências:

CARVALHO, Sabrina Magalhães Barros et al. Suplementação de ômega-3 no período gestacional: aspectos relevantes. International Journal of Nutrology, v. 11, n. S 01, p. Trab735, 2018.

GONZÁLEZ, Francisca Echeverría; BÁEZ, Rodrigo Valenzuela. IN TIME: IMPORTÂNCIA DOS ÔMEGA 3 NA NUTRIÇÃO INFANTIL. Revista Paulista de Pediatria, v. 35, n. 1, p. 3-4, 2017.

NOGUEIRA-DE-ALMEIDA, Carlos Alberto; BERTOLUCCI, Paulo Henrique Ferreira. I Consensus of the Brazilian Association of Nutrology about recommendations of DHA during gestation, lactation and infancy.

CHENG, Yu-Shian et al. Supplementation of omega 3 fatty acids may improve hyperactivity, lethargy, and stereotypy in children with autism spectrum disorders: A meta-analysis of randomized controlled trials. Neuropsychiatric disease and treatment, v. 13, p. 2531, 2017.

MONTHÉ-DRÈZE, Carmen et al. Maternal Pre-Pregnancy Obesity Attenuates Response to Omega-3 Fatty Acids Supplementation During Pregnancy. Nutrients, v. 10, n. 12, p. 1908, 2018.

KUPER, Spencer G. et al. The effect of omega-3 supplementation on pregnancy outcomes by smoking status. American journal of obstetrics and gynecology, v. 217, n. 4, p. 476. e1-476. e6, 2017.

HOGE, Axelle et al. Imbalance between Omega-6 and Omega-3 Polyunsaturated Fatty Acids in Early Pregnancy Is Predictive of Postpartum Depression in a Belgian Cohort. Nutrients, v. 11, n. 4, p. 876, 2019.

VOLLET, Kaitlin et al. Prenatal fish oil supplementation and early childhood development in the Upstate KIDS Study. Journal of developmental origins of health and disease, v. 8, n. 4, p. 465-473, 2017.

LEE, Su Mi; AN, Won Suk. Supplementary nutrients for prevention of vascular calcification in patients with chronic kidney disease. The Korean journal of internal medicine, v. 34, n. 3, p. 459, 2019.

YANG, Jinchunzi et al. Oxidative Stress and Non-Alcoholic Fatty Liver Disease: Effects of Omega-3 Fatty Acid Supplementation. Nutrients, v. 11, n. 4, p. 872, 2019.

DI PASQUALE, Mauro G. The essentials of essential fatty acidsJournal of dietary supplements, v. 6, n. 2, p. 143-161, 2009.

MARTIN, Clayton Antunes et al. Ácidos graxos poliinsaturados ômega-3 e ômega-6: importância e ocorrência em alimentosRevista de Nutrição, 2006.

SIMOPOULOS, Artemis P. The importance of the ratio of omega-6/omega-3 essential fatty acids. Biomedicine & pharmacotherapy, v. 56, n. 8, p. 365-379, 2002.

DEON, Rúbia Garcia et al. Consumo de alimentos dos grupos que compõem a pirâmide alimentar americana por idosos brasileiros: uma revisão. Ciência & Saúde, v. 8, n. 1, p. 26-34, 2015.

WATANABE, Yasuhiro; TATSUNO, Ichiro. Omega-3 polyunsaturated fatty acids for cardiovascular diseases: Present, past and future. Expert review of clinical pharmacology, v. 10, n. 8, p. 865-873, 2017.

JAIN, A. P.; AGGARWAL, K. K.; ZHANG, P. Y. Omega-3 fatty acids and cardiovascular disease. Eur Rev Med Pharmacol Sci, v. 19, n. 3, p. 441-5, 2015.