As carências nutricionais são comuns devido ao estilo de vida moderno, mas no verão, algumas carências podem ficar mais evidentes principalmente para crianças e idosos. Entenda aqui o que é carência nutricional, quais são as principais e como tratar.

O que são carências nutricionais

Carências nutricionais podem ser definidas como a falta ou ausência de nutrientes essenciais ao organismo, de vitaminas, minerais e macronutrientes. Essa deficiência resulta em doenças como hipovitaminose resultando em distúrbios metabólicos, anemias e até relação com obesidade. 

No Brasil, as carências nutricionais são tratadas com prioridade pelo ministério da saúde. Por exemplo, existem alguns cadernos falando das principais carências nutricionais em nossa população e como deve ser a conduta de tratamento.

Sendo algumas das principais carências nutricionais abordadas pelo ministério da saúde a hipovitaminose A (falta de vitamina A), anemia por deficiência de ferro, distúrbios por deficiência de iodo. Atualmente, todas essas já são bem conhecidas da população e facilmente tratadas.

Mas ainda existem algumas que no verão, principalmente, ainda são um problema para os profissionais da saúde tratar. Como é o caso dos baixos níveis de ômega 3 e a deficiência de vitamina D.

Isso porque para ambos esses nutrientes a adequação do consumo através da alimentação é complexa. Já que alimentos ricos nesses nutrientes não são comumente consumidos pela maioria da população, principalmente por crianças e idosos.

Carência nutricionais doenças

Sabendo que o ômega 3 e a vitamina D são um dos maiores desafios para o tratamento, entenda mais sobre essa carência nutricional e sobre os nutrientes.

  • Ômega 3 

A situação da deficiência do ômega 3 é comum para toda a população, mas principalmente para crianças e idosos. Pois para esses grupos populacionais, além das preferências alimentares não envolvem alimentos fontes de ômega 3, como é o caso dos peixes gordos (salmão, atum, sardinha, etc) alguns medos também são presentes.

Por exemplo, é comum notícias sobre peixes contaminados por metais pesados, devido a contaminação dos nossos mares e rios. E no verão, apesar das mudanças de hábitos, o consumo de peixes fontes de ômega 3 não aumentam ao ponto de resolver sua deficiência.

Sua deficiência é relacionada a déficits cognitivos, como problemas de memória até quadros de depressão e ansiedade. Além disso, o ômega 3 atua na saúde cardiovascular, tanto na prevenção quanto como tratamento complementar.

As doses recomendadas de ômega 3 variam de 500 mg até 4000 mg ao dia, a depender do estado de saúde e faixa etária. Mas fique atento a qualidade do suplemento de ômega 3, pois ele deve ser livre de metais pesados (busque por suplementos com selo IFOS).

  • Vitamina D

Principalmente para os idosos, essa é a principal carência nutricional. Pois a falta dessa vitamina influência na composição óssea e no metabolismo. Um dos principais problemas ocasionados é o maior número de fraturas ósseas devido à osteopenia, além de osteoporose.

Tudo isso acontece devido a menor exposição ao sol, e por incrível que pareça no verão é ainda pior já que as altas temperaturas inibem ainda mais a exposição solar além de aumentarem a proteção.

 A vitamina D é essencial para manter a estrutura óssea saudável, melhorar a mineralização dos ossos e a absorção de cálcio.

Com relação a dose diária de vitamina D, varia em torno de 1200 a 1500 UI ao dia, porém em situações de deficiência, a ingestão diária se torna bem maior, sendo necessário orientação profissional. 

Já que os alimentos possuem doses pequenas de vitamina D, a ampla recomendação é do consumo de suplementos de vitamina D, no Brasil, a dosagem ideal de um suplemento de vitamina D é de 2000 UI. Porém existem medicamentos com doses ainda maiores.

Mas apesar da suplementação e do medicamento possuírem doses maiores que o recomendado diariamente, quando devidamente recomendada, não oferece riscos à saúde.    

Lembre-se, nenhuma das orientações fornecidas nesse texto substituem a avaliação por um profissional da área da saúde, médico ou nutricionista.          

Carências nutricionais no verão

Apesar dessa estação do ano ser diferente, devido à mudança na rotina, o ideal é o cuidado com esses nutrientes durante todo o ano. Portanto, não deixe de fazer uma avaliação dos seus hábitos alimentares e estilo de vida para evitar qualquer carência nutricional. Para isso não deixe de procurar um profissional de confiança médico ou nutricionista.                                                                                                                                                  

Quer saber mais?

Que tal um desconto especial para experimentar um ômega 3 de altíssima qualidade?

Referências:

BATISTA FILHO, Malaquias; RISSIN, Anete. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cadernos de saúde pública, v. 19, p. S181-S191, 2003.

VAZ, DIANA SOUZA SANTOS et al. A importância do ômega 3 para a saúde humana: um estudo de revisão. Revista UNINGÁ Review, v. 20, n. 2, 2014.

YAZBEK, Michel Alexandre; MARQUES NETO, João Francisco. Osteoporose e outras doenças osteometabólicas no idoso. Einstein, v. 6, n. 1 sup, p. S74-S8, 2008.